Páginas

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Osvaldo Aranha

Resumo da Biografia de Osvaldo Euclides de Sousa Aranha.

Osvaldo Aranha
Osvaldo Euclides de Sousa Aranha
Filho de Luísa de Freitas Vale Aranha, por quem foi alfabetizado, e do coronel da Guarda Nacional e fazendeiro Euclides Egídio de Sousa Aranha (1864-1929), dono da estância Alto Uruguai, em Itaqui (interior do Rio Grande do Sul). Passou a infância em Alegrete, cidade que seu avô teria fundado.
Cursou, no Rio de Janeiro, o Colégio Militar e a Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, atual Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Também estudou em Paris antes de advogar em seu estado natal e de ingressar na política.

Em 1923, quando explodiu a luta fratricida entre "chimangos" (aliados de Borges de Medeiros — presidente da província) e "maragatos" (opositores à sua quinta reeleição), chegou a pegar em armas e lutou a favor do sistema republicano de Borges de Medeiros.

Em 1925 foi intendente de Alegrete. Então, introduziu muitas modernizações, como por exemplo a excelente rede de esgotos da cidade. Com sua peculiar diplomacia, conseguiu a paz entre as famílias separadas pelos conflitos políticos de 1923.

Dois anos mais tarde foi eleito deputado federal. Em 1928 tornou-se secretário do Interior, onde dedicou grande esforço para obras educacionais.

Projeção nacional
Amigo e aliado de Getúlio Vargas, foi o grande articulador da campanha da Aliança Liberal nas eleições, agindo nos bastidores para organizar o levante armado que depôs Washington Luís e tornou

Já vivemos a maior perseguição cristã

 Já vivemos a maior perseguição cristã

Estamos vivendo nos últimos dias da Igreja sobre a Terra, os acontecimentos noticiam a vinda do Senhor Jesus, devemos estar preparados, pois a qualquer momento esse acontecimento acontecerá e não podemos estar desapercebidos.  

"Por isso, estai vós apercebidos, também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis". Mt 24.44. 

Lc 21.7-19
E perguntaram-lhe, dizendo: Mestre, quando serão, pois, estas coisas? E que sinal haverá quando isto estiver para acontecer?
Disse então ele: Vede, não vos enganem, porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu, e o tempo está próximo; não vades, portanto, após eles.
E, quando ouvirdes de guerras e sedições, não vos assusteis. Porque é necessário que isto aconteça primeiro, mas o fim não será logo.
Então lhes disse: Levantar-se-á nação contra nação, e reino contra reino;
E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá, também, coisas espantosas, e grandes sinais do céu.
Mas, antes de todas estas coisas, lançarão mão de vós, e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e às prisões, e conduzindo-vos à presença de reis e presidentes, por amor do meu nome.
E vos acontecerá isto para testemunho.
Proponde, pois, em vossos corações, não premeditar como haveis de responder;
Porque eu vos darei boca e sabedoria, a que não poderão resistir nem contradizer todos quantos se vos opuserem.
E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos, sereis entregues; e matarão alguns de vós.
E de todos sereis odiados, por causa do meu nome.
Mas não perecerá um único cabelo da vossa cabeça.
Na vossa paciência possuí as vossas almas. O sermão profético continua: a grande tribulação. 
----------------------------------------------------------------------------------------
Segue reportagem abaixo. 
O alerta já foi dado antes, mas nenhuma providência em larga escala foi tomada.  Como consequência, a perseguição aos cristãos está ultrapassando um recorde histórico.

Não havia estatísticas dois mil anos atrás, mas pelos números populacionais de hoje, é possível afirmar que os seguidores de Jesus nunca foram tão perseguidos. A situação é especialmente difícil no Oriente Médio, o berço das maiores religiões do mundo.

A crescente

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Apostasia, fidelidade e diligência no Ministério

Lição 5: Apostasia, fidelidade e diligência no Ministério

TEXTO ÁUREO
“Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios” (1Tm 4.1).

Texto base
1 Timóteo 4.1,2,5-8,12,16.
1 — Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios,
2 — pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência,
5 — porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificada.
6 — Propondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido.
7 — Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas e exercita-te a ti mesmo em piedade.
8 — Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir.
12 — Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza.
16 — Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem.


OBJETIVOS
I. Tratar a respeito da apostasia dos homens.
II. Compreender que o bom ministro deve ser fiel ao Senhor.
III. Refletir a respeito da diligência no ministério.

INTRODUÇÃO
- Nesta lição enfatizaremos o cuidado que os líderes devem ter com os falsos mestres a fim de evitar a destruição do rebanho do Senhor.

- Nesta ótica, Timóteo foi enviado à igreja de Éfeso com o objetivo de combater os falsos mestres e suas heresias.

- Paulo exorta Timóteo no sentido de realizar a sua missão com excelência.

I. A APOSTASIA DOS HOMENS
1. A apostasia.

- Apostasia. Gr. apóstasis, que significa “estar longe de”, isto é, no sentido de “revolta”, “rebelião”, “afastamento doutrinário e religioso”, “apostasia da verdade”. Por isso, apostasia se refere, a uma decisão deliberada, consciente, aberta ou oculta, contra fé genuína do Evangelho.

A Fonte da apostasia

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Calvinismo X Arminianismo

 Calvinismo X Arminianismo

Em face das constantes controvérsias entre estes dois métodos de interpretar a Bíblia, principalmente no que se refere a salvação em Cristo Jesus, creio que nunca é demais, analisarmos vários argumentos sobre o tema. Para isso estou postando uma os argumentos extraídos do Livro CONHECENDO AS DOUTRINAS BÍBLICAS - MYER PEARLMAN, pg 268 a 274. 

1. Calvinismo.
A doutrina de João Calvino não foi criada por ele, mas foi ensinada por santo Agostinho, o grande teólogo do século IV. Tampouco foi criada por Agostinho, que afirmava estar interpretando a doutrina de Paulo sobre a graça.
 

A doutrina de Calvino é

terça-feira, 21 de julho de 2015

Lição 4: Pastores e Diáconos

Lição 4: Pastores e Diáconos

TEXTO ÁUREO
“Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar” (1Tm 3.2).

TEXTO BASE
1 Timóteo 3.1-4,8-13.
1 — Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.
2 — Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;
3 — não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento;
4 — que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia.
8 — Da mesma sorte os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância,
9 — guardando o mistério da fé em uma pura consciência.
10 — E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis.
11 — Da mesma sorte as mulheres sejam honestas, não maldizentes, sóbrias e fiéis em tudo.
12 — Os diáconos sejam maridos de uma mulher e governem bem seus filhos e suas próprias casas.
13 — Porque os que servirem bem como diáconos adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.

OBJETIVOS
I. Tratar a respeito do episcopado.
II. Apresentar as qualificações e atribuições de um líder.
III. Refletir a respeito do diaconato.
IV. Conscientizar-se de que o serviço é a razão de ser do ministério.

INTRODUÇÃO
- Nos dias atuais estamos presenciando a pregação de um “Evangelho” que parece ter perdido a direção do Reino de Deus.

- São muitas pregações espetaculares, espalhafatosas mas sem vida real, sem transformação de vida, totalmente diferente da simplicidade e o poder que há no verdadeiro Evangelho.

- Isso acontece porque os obreiros perderam a essência do serviço episcopal, conforme Paulo trata com tanto zelo e honra, honra esta que é superior ao dinheiro e status social.

- Temos a oportunidade de aplicarmos em nossos corações estas virtudes, com certeza seremos discípulos melhores após esta lição.

- Ser pastor não é abraçar uma profissão, mas um ministério divino cuja função primordial é cuidar das ovelhas do Senhor.

- Nenhum pastor tem condições de cuidar do rebanho sozinho. São necessários ajudantes, por isso, neste mesmo capítulo, o apóstolo Paulo fala a respeito do diaconato.

- Estudaremos a respeito do pastorado e do diaconato e suas respectivas funções no Reino de Deus.

I. QUEM DESEJA O EPISCOPADO
- Somente agora, depois de expor a todos os membros da igreja suas prerrogativas e obrigações universais e domiciliares, o apóstolo também passa a falar dos servidores da igreja.

- Os cap. 2 e 3 se encontram numa ligação interior: a) o centro do culto, a presença do Senhor no Espírito, na palavra, na ceia do Senhor (1Tm 1.15; 2.6; 3.16); b) reunida em torno e direcionada para esse centro estava a igreja, homens e mulheres, em uma oração que abarca o mundo (1Tm 2.1,8-15); c) justapostos a esse serviço há presidentes e diáconos (1Tm 3.1-13).

- Os pastores e diáconos seriam

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Biografia e vida de Timóteo

TIMÓTEO
Urna figura fascinante do Novo Testamento, converteu-se durante a primeira viagem missionária de Paulo e tornou-se um dos colaboradores na segunda viagem, na qual levou o apóstolo a pregar o Evangelho através do mar Egeu em direção a Europa (At 16.1.3).

O HOMEM DE FAMÍLIA
Timóteo pertencia a uma família mista — era filho de “uma judia crente, mas seu pai era grego” (At 16.1). Aprendeu sobre a fé aos pés da avó Loide e sua mãe Eunice (2 Tm 1 5; 3.15). Para que ele fosse útil a evangelização e aceito como judeu, Paulo resolveu submete-lo a circuncisão, "porque lodos sabiam que seu pai era grego" (At 16.3). Essa concessão diante da sensibilidade dos judeus e contrastada com a absoluta recusa do apóstolo em permitir que Tito, seu coopera dor gentio, fosse circuncidado; isso envolveria a negação do Evangelho da graça que Paulo pregava (Gl 2/1,16).
Alguns comentaristas modernos sugerem quo o apóstolo foi incoerente nessa questão ou Lucas, ao escrever, simplesmente se equivocou. O comportamento de Paulo, entretanto, é compreensível, devido aos diferentes contextos em que trabalhava. O apóstolo não estava disposto a comprometer a verdade básica de que a salvação era somente pela graça, por meio da fé, por isso rejeitava os que obrigavam os cristãos a circuncidar-se. Por outro lado, quando não havia nenhum comprometimento nem violação dos princípios cristãos, estava sempre disposto a fazer grandes concessões para compartilhar o Evangelho como outros “Fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus" (2 Co 9.20), essa flexibilidade é ilustrada na circuncisão de Timóteo.

UM COOPERADOR DO EVANGELHO
Timóteo trabalhou com Paulo e Silas (também conhecido como Silvano), a fim de que as boas novas de Cristo chegassem a Europa. A equipe missionária pregou sobre Jesus como “o Filho de Deus" (2 Co 1.19) em cidades da Macedônia como Filipos, Tessalônica e Beréia. Os judeus de Tessalônica seguiram o apóstolo e seu grupo até Beréia e instigaram a multidão contra eles, por isso, os irmãos o levaram para a costa e o embarcaram para Atenas; Timóteo e Silas ficaram lá, a fim de dar continuidade ao trabalho em Beréia (At 17.13-15). Posteriormente,

quinta-feira, 16 de julho de 2015

ANTÍOCO EPIFÂNIO, figura do Anticristo


 ANTÍOCO EPIFÂNIO, figura do Anticristo


Antíoco Epifânio.
Nascimento: 215 a.C;
Morte: 162 a.C (53 anos);
Pai: Antíoco III Magno;
Mãe: Laódice (esposa de Antíoco III Magno).

INTRODUÇÃO
Antíoco Epifânio é também um tipo do anticristo escatológico, em razão de suas práticas terríveis contra o povo de Deus e a desolação que realizou com os utensílios consagrados ao templo e ainda profanou o altar onde eram oferecido os sacrifícios sagrados, porém, foi morto não por mãos de homens, morreu de desordens nervosas por não ter conseguido roubar um certo templo, segundo (1 Macabeus 6.10-64). Tais práticas serão realizadas pelo anticristo escatológico e seu fim será não por esforços humanos (2 Ts 2.3-4,8) da mesma forma que aconteceu com Antíoco (2 Macabeus 9.4-8). 

DESCENDENCIA
Antíoco Epifânio, descendente de Seleuco [um dos generais de Alexandre que recebeu o território da Síria após sua morte], governante da Síria de 175 a 164 a.C, foi um opressor terrível contra os judeus.

ATROCIDADES SOBRE OS JUDEUS - (1 Macabeus 1.10-61)
Antíoco se propôs reinar também na terra do Egito, pretendendo dominar nos dois reinos. Invadiu o Egito com um exército imponente, com carros e elefantes, cavalaria e muitos navios. Travou combate contra Ptolomeu, rei do Egito, o qual ficou com medo de enfrentá-lo e fugiu, deixando pelo chão muitos feridos. Antíoco tomou as cidades fortificadas e saqueou as riquezas da terra do Egito. Voltou então, depois de ter submetido o Egito no ano cento e quarenta e três, e subiu contra Israel e Jerusalém com um possante exército. Entrou no Santuário

Seitas Judaicas

SEITAS JUDAICAS


SADUCEUS
Seita pequena de sacerdotes ricos e de influência, que antes de Cristo ganhou o domínio sobre o sacerdócio. Os saduceus não eram propriamente uma seita, nem um partido político e nem um escola de filosofia, contudo, tinham características de todos os três. Eram racionalistas e mundanos e com pouco interesse na religião. Eram adversários dos fariseus e repudiavam as tradições. Desejavam sobre tudo,

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Deus tem vinho novo pra você

Deus tem vinho novo pra você

Texto base – Lc 5.37-39
37. E disse-lhes, também, uma parábola: Ninguém tira um pedaço dum vestido novo para o coser em vestido velho, pois que romperá o novo e o remendo não condiz com o velho.
38. E ninguém deita vinho novo em odres velhos; de outra sorte, o vinho novo romperá os odres, e entornar-se-á o vinho, e os odres se estragarão;
39. Mas o vinho novo deve deitar-se em odres novos, e ambos, juntamente, se conservarão.
E ninguém, tendo bebido o velho, quer logo o novo, porque diz: Melhor é o velho.

O Senhor Jesus estava na região de Cafarnaum quando proferiu esta parábola, Ele estava se referindo ao Reino de Deus, ao Evangelho a um novo e vivo caminho espiritual, que Elemesmo veio nos trazer. Este Reino em contraste com a Lei judaica

As 95 Teses de Martinho Lutero

As 95 Teses de Lutero

As 95 Teses afixadas por Martinho Lutero na Abadia de Westminster a 31 de outubro de 1517, fundamentalmente "Contra o Comércio das Indulgências"

1. Ao dizer: "Fazei penitência", etc. [Mt 4.17], o nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo quis que toda a vida dos fiéis fosse penitência.

2. Esta penitência não pode ser entendida como penitência sacramental (isto é, da confissão e satisfação celebrada pelo ministério dos sacerdotes).

3. No entanto, ela não se refere apenas a uma penitência interior; sim, a penitência interior seria nula se, externamente, não produzisse toda sorte de mortificação da carne.

4. Por consequência, a pena perdura enquanto persiste o ódio de si mesmo (isto é a verdadeira penitência interior), ou seja, até a entrada do reino dos céus.

5. O papa não quer nem pode dispensar de quaisquer penas senão daquelas que impôs por decisão própria ou dos cânones.

Lição 3: Oração e recomendação às mulheres cristãs

Lição 3: Oração e recomendação às mulheres cristãs

TEXTO BASE

I Timóteo 2.1-5,9-11.
1. ADMOESTO-TE, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e acções de graças, por todos os homens;
2. Pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;
3. Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador,
4. Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade;
5. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem.

9.    Que, do mesmo modo, as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos,
10. Mas (como convém a mulheres que fazem profissão de servir a Deus) com boas obras.
11. A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição.

OBJETIVOS
I. Tratar acerca da responsabilidade do crente de orar em favor de todos os homens.
II. Conscientizar-se de que Deus deseja que todos se salvem.
III. Refletir a respeito da maneira como as mulheres cristãs devem se vestir.
IV. Discutir a respeito da conduta das mulheres na igreja.

INTRODUÇÃO
- Nesta lição estudaremos a respeito da ordem na Igreja. Paulo escreveu a Timóteo para orientá-lo no que se refere a administração eclesiástica, que envolvia, desde a ordem no culto quanto santidade dos seus membros.

- Paulo, conhecendo do poder da oração intercessória, instrui a Timóteo a orar por todos os que têm autoridade, a fim de que pudessem viver de modo quieto e sossegado.

- Como Igreja do Senhor precisamos interceder pelas autoridades de nossa cidade, estado e nação, em especial pelas autoridades eclesiásticas que exercem árdua tarefa em nossas igrejas.

- Por fim Paulo trás algumas recomendações para serem ensinadas às mulheres.

I. ORAÇÃO POR TODOS OS HOMENS (2.1)
ADMOESTO-TE, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças, por todos os homens;

- Paulo enfatiza a Timóteo que a oração intercessória

Imperador Nero

 IMPERADOR NERO

Nero Cláudio César Augusto Germânico (em latim Nero Claudius Cæsar Augustus Germanicus; Anzio, 15 de dezembro de 37 d.C. — Roma, 9 de junho de 68), foi um imperador romano que governou de 13 de outubro de 54 até a sua morte, a 9 de junho de 68.
Nascido com o nome de Lúcio Domício Enobarbo, era

terça-feira, 14 de julho de 2015

O primeiro brasileiro a implantar o chip

 O primeiro brasileiro a implantar o chip

"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas;
Para que ninguém possa comprar, ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.
Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis". Ap 13.16-18.

Veja como vai funcionar o chip subcutâneo, antes haverá uma identidade única para todos os brasileiro, mas este recurso não será eficiente, pois haverá muito extravio por perda, roubo, furto ou danos, então será apresentado um projeto já pronto e mais eficaz, o chip subcutâneo. 


Alan Fabiano

Presidenta do Brasil aprova a nova identidade dos brasileiros

 Presidenta do Brasil aprova a nova identidade dos brasileiros

"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas;
Para que ninguém possa comprar, ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.
Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis". Ap 13.16-18.


Alan Fabiano

A nova identidade dos brasileiros

A nova identidade dos brasileiros 
"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas;
Para que ninguém possa comprar, ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.
Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis". Ap 13.16-18.

O documento vai unificar todos os seus dados... incluindo nome, sexo, cidade, CPF, características físicas, assinatura e ainda foto. O governo vai começar a convocar os brasileiros por carta, para trocarem suas antigas cédulas de identidade pelas novas.
O Ministério da Justiça confirmou para o dia 17 deste mês o início da troca da cédula de identidade (RG) pelo novo cartão do Registro de Identidade Civil (RIC) com chip. As pessoas, selecionadas aleatoriamente, serão convocadas por carta a partir desta semana, começando por Brasília, Rio de Janeiro e Salvador. As informações são da Agência Brasil .

O RIC, número único de registro de identidade civil disponível por meio de um cartão magnético com a impressão digital e um chip, promete pôr fim à necessidade de o brasileiro portar vários documentos, como carteira de identidade (RG), CPF, título de eleitor e PIS/Pasep.

A nova identidade, criada pela Lei 9.454/97, teve origem em projeto de lei ( PLS 32/95) de autoria do senador Pedro Simon (PMDB-RS). Sancionada em 1997, a lei só se tornou realidade em dezembro do ano passado, com o lançamento oficial da nova identidade pelo então ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto. O Ministério da Justiça prevê concluir a substituição dos documentos até 2019. O investimento no processo de substituição é de R$ 90 milhões.

Segundo informações do ministério, o novo documento terá como informações obrigatórias nome, sexo, data de nascimento, foto, filiação, naturalidade, assinatura, impressão digital do indicador direito, órgão emissor, local e data de expedição, além da data de validade do cartão. Já o antigo número de RG, título de eleitor e CPF serão optativos, bem como o tipo sanguíneo e a condição de ser ou não doador de órgãos.

Constará ainda do novo cartão um código conhecido como MRZ (sigla em inglês para zona de leitura mecânica), uma sequência de caracteres de três linhas que, segundo informações do Ministério da Justiça, agiliza o processo de identificação da pessoa e das informações contidas no RIC.

Para armazenar e controlar o número único do RIC e centralizar os dados de identificação de cada cidadão, o governo criou ainda o Cadastro Nacional de Registro de Identificação Civil. Os estados e o Distrito Federal, que participarão do novo sistema por meio de convenio com a União, ficarão responsáveis pela operacionalização e atualização desse cadastro, em regime de compartilhamento com o órgão central. 

Fonte
http://www.canindeurgente.com/2015/04/brasileiros-vao-receber-nova-identidade.html 

Alan Fabiano

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Macedônia

Macedônia, gr. Makedonia. 

Um país no norte da Grécia e que atualmente se encontra totalmente incluído na Grécia. Os macedônios, que eram aparentados com os gregos, já se encontravam consideravelmente helenizados no tempo de Filipe II (conhecido por Filipe da Macedônia). Antes do reinado de Filipe (359-336 AC), pouco se sabe da história da Macedônia. Filipe uniu as várias tribos dessa área, conquistou a maior parte da Grécia e tornou a Macedônia num Estado forte. O seu filho Alexandre, o Grande (336-323 AC) usou a Macedônia meramente como um ponto de partida para as suas conquistas no oriente. 

Com o seu exército altamente eficiente composto por macedônios e gregos, ele conquistou um império que se estendeu desde o Mar Adriático até ao Rio Indo. Tanto os macedônios como os gregos migraram para este, na esteira dos seus exércitos e tornaram-se na classe dominante e privilegiada, levando com eles a língua e a cultura gregas através dos territórios conquistados por Alexandre. Foi este império greco-macedónio-oriental, conhecido como “o Mundo Helenístico”, que sucedeu ao império persa e a sua cultura helenística permaneceu mesmo depois que os seus territórios terem sido conquistados por Roma. 

A Macedônia, que se distingue do império macedônio, não foi um local importante e após a morte de Alexandre entrou em declínio por causa da rivalidade entre os seus sucessores. Foi primeiro governada por um ou outro dos regentes do meio irmão de Alexandre, um doente mental, e do filho póstumo do imperador. Quando se instalou, em 301 AC, a luta entre os que pretendiam manter o império unido e os que desejavam dividi-lo, o grosso do império foi dividido em quatro reinos (mais tarde, três). A Macedônia tornou-se num reino menor, mantendo um controle flutuante sobre a Grécia. Pouco depois, caiu nas mãos da casa dos Antigonides, que a governou até ao tempo de Perseus, o último rei desta linhagem. Foi, então, conquistada pelo general romano Emílio Paulo, de Pidna, em 168 AC.

A Macedônia foi dividida em quatro repúblicas colocadas sob o protetorado de Roma, sendo a Grécia administrada separadamente. Depois em 146 AC, foi transformada numa província romana e governada por um procônsul, tendo Tessalônica como capital. A seção oriental do país possuía planícies férteis à volta dos vários rios que corriam para os Golfos Termaico e Estrimoniano. Esta zona do país era habitada predominantemente por gregos e aí se situavam as mais importantes cidades da província, tais como Tessalônica, Filipos e Apolônia, localizando-se todas na famosa estrada militar conhecida por Via Egnatia, que foi construída pelos romanos através da Macedônia, desde Dyrrhachium, a oeste, até Neapolis, a este e depois até Bizâncio. 

A zona ocidental interior da Macedônia, que era montanhosa e não muito fértil, encontrava-se dispersamente povoada por uma população mista. Existiam algumas comunidades judaicas nas mais importantes cidades e foi nestas cidades que o apóstolo Paulo levou a cabo as suas atividades missionárias, fundando igrejas cristãs, nomeadamente em Filipos, Tessalônica e Bereéa durante a sua segunda viagem missionária (At 16:9 a 17:14). Visitou depois esta área repetidamente durante vários anos (At 19:21, 22; At 20:1-2; 2Co 2:13; 2Co 7:5; 1Tm 1:3). Alguns dos companheiros de Paulo que o acompanharam nas viagens - Gaio, Aristarco, Secundo e Sopater - eram macedônios (At 19:29; At 20:4). As igrejas da Macedônia enviaram ajuda financeira aos seus irmãos pobres de Jerusalém (Rm 15:26), auxiliando também Paulo nas suas necessidades (2Co 8:1-5; Fp 4:15).

Fonte
Mundo Bíblico - Offline


Alan Fabiano

Lição 2: O Evangelho da Graça

Lição 2: O Evangelho da Graça

TEXTO ÁUREO
“[...] contanto que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus” (At 20.24).

Texto base
1 Timóteo 1.3-10.

3 — Como te roguei, quando parti para a Macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns que não ensinem outra doutrina,
4 — nem se deem a fábulas ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na fé; assim o faço agora.
5 — Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, e de uma boa consciência, e de uma fé não fingida.
6 — Do que desviando-se alguns, se entregaram a vãs contendas,
7 — querendo ser doutores da lei e não entendendo nem o que dizem nem o que afirmam.
8 — Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém dela usa legitimamente,
9 — sabendo isto: que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas,
10 — para os fornicadores, para os sodomitas, para os roubadores de homens, para os mentirosos, para os perjuros e para o que for contrário à sã doutrina.

OBJETIVOS
I. Mostrar porque as falsas doutrinas corrompem o evangelho da graça.
II. Conscientizar-se de que a graça superabundou com a fé e o amor.
III. Compreender o significado do bom combate.

INTRODUÇÃO
- Paulo sabendo de antemão pelo Espírito Santo sobre os perigos que estavam para assolar a igreja do Senhor, ao se despedir dos presbíteros, os orienta sobre tais perigos, em especial, os falsos mestres (At 20.29,30), enfatiza ainda que eles deveriam vigiar e não se esquecerem dos seus conselhos (v.31).

- Sem dúvida, foi um sentimento dado pelo Senhor, pois sete anos depois, Paulo estava deixando Timóteo em Éfeso, para combater os “lobos cruéis”, que queriam “devorar” o rebanho sob seus cuidados pastorais. Nos dias de hoje, há igrejas que abrigam falsos obreiros, que pervertem a sã doutrina matando ou dispersando as ovelhas.

I. AS FALSAS DOUTRINAS CORROMPEM O EVANGELHO DA GRAÇA

1. O evangelho da graça.
- É o Evangelho que fora profetizado pelo profeta Isaías (61.1), e apresentado aos homens através da Pessoa do Senhor Jesus. Este Evangelho tem o objetivo de alcançar o homem completamente, trazendo respostas às suas indagações (Lc 7.22).

- O Evangelho é obra exclusiva da benevolência de Deus para com a raça humana caída, portanto flui diretamente do trono de Deus (Ef 2.8,9; Tg 1.17; Rm 6.23).

- O efeito transformador deste Evangelho é realizado pelo Espírito Santo (Jo 16.8), mediante concessão do homem (Ap 3.20), tendo em vista que este pode endurecer o seu coração, impedindo a ação do Espírito (Hb 3.8,15).

2. As falsas doutrinas (v.3).
- Ensinadas pelos falsos mestres que possivelmente bebiam das fontes do gnosticismo e judaísmo, estes tinham a aparência de piedade (II Tm 3.5), no entanto, eram lobos devoradores (At 20.29). Tinha também os falsos mestres que surgiam de dentro dos cristãos (v.30).

- As falsas doutrinas se caracterizavam por: a) ensinar falsas doutrinas e inverdades (6.3); b) pregar mitos judaicos (Tt 1.14); arrogar-se como mestres da Lei (v.7); c) ensinar práticas ascéticas (4.3); d) fazer uso da posição para obter lucros pessoais ilícitos (6.5); e) pregar histórias mentirosas sobre a origem do povo judeu (4.7; Tt 3.9); f) orgulho e arrogância (1.7; 6.4); g) promover polêmicas com finalidades escusas (6.4; 2Tm 2.23; Tt 3.9); h) incluindo o gnosticismo e o “judaísmo cristianizado”.

3. O “fim do mandamento” e a finalidade da Lei.
- Paulo chamou a atenção de Timóteo, seu enviado a Éfeso, para a doutrina de Deus e de Cristo, a que ele resumiu no “mandamento”, e sua finalidade (1Tm 1.5,6).

- Em seguida, Paulo ensina acerca do objetivo da Lei, e para quem ela se destinava, discriminando, no texto, uma longa lista de tipos de pessoas ímpias que eram alvo dos preceitos legais (1Tm 1.9-11).

II. A GRAÇA SUPERABUNDOU COM A FÉ E O AMOR
1. Gratidão a Deus.
- Uma das características marcantes do caráter de Paulo é o ser grato a Deus (Rm 7.25; 1Co 1.4; 14.18; 2Tm 1.3).

- Nesta parte da Epístola, ele expressa sua gratidão a Cristo por tê-lo escolhido e posto no ministério apostólico e pastoral, apesar de ter sido um terrível opositor do Evangelho de Jesus (1Tm 1.12,13).

- Paulo é um dos maiores exemplos de pessoa citadas na Bíblia que tiveram suas vidas transformadas pelo pode do Senhor Jesus, seu encontro com o Senhor é narrado por Lucas em Atos 9.

- Essa gratidão possivelmente seja pelo fato do apóstolo Paulo ter experimentado um novo nascimento em Cristo Jesus (Jo 3.7; At 9), se tornado uma nova criatura (2 Co 5.17), sendo inserido assim na família de Deus (Ef 2.19). Paulo muito se alegra pelo fato de saber que sobre si foi derramado abundante graça (1 Tm 1.14).

- O Senhor Jesus continua salvando e transformando homens e mulheres, resgatando do mundo das trevas (Cl 1.13), porque Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Hb 13.8). Aleluia!.

2. Humildade.
- Se fôssemos falar da humildade, com mais detalhes, com certeza o estudo ficaria exaustivo. Mas de uma forma bem resumida e prática, a humildade é um sinal que deve seguir a vida de toda pessoa que professa a Jesus Cristo como Senhor e Salvador (Mt 11.29).

- A Palavra de Deus é clara sobre o assunto. Deus abate os soberbos e arrogantes, mas dar graça aos humildes (Tg 4.6).

- João Batista nos dar uma lição profunda e prática: É necessário que ele cresça e que eu diminua. (Jo 3.30).

- Infelizmente o Evangelho da Graça tem sido vilipendiado por homens gananciosos que não aprenderam a humildade que o seu Mestre ensinou.

III. UM CONVITE A COMBATER O BOM COMBATE (vv.18-20)

1. A boa milícia.
- Depois de orientar Timóteo sobre a difícil missão de combater as heresias, na igreja de Éfeso, Paulo dá uma palavra de ânimo, encorajamento e incentivo ao jovem pastor. Como um verdadeiro “pai na fé”, o apóstolo diz: “Este mandamento te dou, meu filho Timóteo, que, segundo as profecias que houve acerca de ti, milites por elas boa milícia” (1Tm 1.18).

- Paulo lembra a Timóteo que seu ministério estava firmado sobre alicerces proféticos. Logo, o dono da Igreja estava confirmando o seu ministério, devendo Timóteo tão somente manter a fé e a boa consciência (v.19), fazendo assim estaria combatendo o bom combate.

2. A rejeição da fé e suas consequências (1Tm 1.5).
- Quem rejeita “a fé não fingida” e a “boa consciência” cristã colhe os resultados de sua má escolha. O resultado é o “naufrágio na fé”. Paulo toma como exemplo Himeneu e Alexandre, obreiros que entraram por esse caminho.

- Quanto a Himeneu, sua postura é tão terrível que ele é citado em 2 Timóteo 2.17. Seu nome deriva de Himen, “deus do casamento”, na mitologia grega. Não se sabe ao certo qual “doutrina” falsa ele semeava. Estudiosos dizem que ambos eram representantes do gnosticismo no meio da igreja de Éfeso.

- Com relação a Alexandre, aliado de Himeneu na semeadura das falsas doutrinas, era tão pernicioso, que Paulo o considera desviado ou “naufragado” na fé. Sua influência era tão maliciosa que Paulo os entregou “a Satanás, para que aprendam a não blasfemar” (1Tm 1.20). Que o Senhor livre sua Igreja dos falsos mestres.

CONCLUSÃO

O cristianismo nasceu debaixo de perseguição e confronto com heresias e ensinos desvirtuados. Na consolidação de igrejas abertas em suas viagens missionárias, Paulo teve que oferecer resistência e ação decidida contra os “lobos vorazes”, que haveriam de surgir, até mesmo no seio das igrejas, como no caso da igreja de Éfeso. Com a graça de Deus e o apoio de homens fiéis, como Timóteo e Tito, o apóstolo Paulo fez frente aos falsos mestres que se levantaram para prejudicar o trabalho iniciado e desenvolvido em muitas igrejas cristãs.


Alan Fabiano




Fonte
Comentário Novo Testamento King James.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Perseguição e morte de cristãos

Estamos vivendo nos últimos dias da igreja, o cumprimento das profecias estão mais próximos de nós... ora vem Senhor Jesus!  

Ap 6.9-11
"E, havendo aberto o quinto selo, vi, debaixo do altar, as almas dos que foram mortos por amor da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.
E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?
E foram dadas, a cada um, compridas vestes brancas, e foi-lhes dito que repousassem ainda um pouco de tempo, até que também se completasse o número dos seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos como eles foram".


Ap 20.4
"E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal nas suas testas nem nas suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos";

Mt 5.11-12

"Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós".




Alan Fabiano

 

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Conheça o projeto BLUE BEAM


Veja mais um mega projeto do Anticristo para enganar as nações e se se possível muitos cristãos, mas se recorrermos à Palavra de Deus e nos acautelarmos sobre as notícias, entenderemos os tempos e as estações escatológicas.

I Tss. 5.1-11

"MAS, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva;
Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite;
Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.
Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda, como um ladrão;
Porque, todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas.
Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios;
Porque, os que dormem dormem de noite, e, os que se embebedam embebedam-se de noite;
Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação;
Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo,
Que morreu por nós, para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos juntamente com ele.
Pelo que exortai-vos, uns aos outros, e edificai-vos, uns aos outros, como, também, o fazeis".


Mt. 24.23-27
"Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhe deis crédito;
Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.
Eis que eu vo-lo tenho predito.
Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto, não saiais. Eis que ele está no interior da casa; não acrediteis.
Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será, também, a vinda do Filho do homem".





 

domingo, 5 de julho de 2015

Uma mensagem à Igreja Local e à Liderança

Lição 1: Uma mensagem à Igreja Local e à Liderança

Texto base
1 Timóteo 1.1,2; Tito 1.1-4.

OBJETIVOS
I. Introduzir as epístolas pastorais de Timóteo e Tito.
II. Conhecer os propósitos das epístolas de Timóteo e Tito.
III. Conscientizar a respeito da atualidade das epístolas pastorais.
IV. Explicar o conteúdo da mensagem de Paulo para a liderança.

INTRODUÇÃO
- Vamos estudar sobre as Epístolas de 1 e 2 Timóteo e Tito. Estas cartas, em geral, são consideradas um conjunto, já que foram dirigidas a dois jovens pastores que cuidavam do rebanho do Senhor juntamente com Paulo. 
- O conteúdo dessas epistolas está repleto de conselhos úteis sobre a estrutura da vida na igreja, isso fazem delas verdadeiros manuais eclesiásticos para a liderança das Igrejas de hoje. 

I. AS EPÍSTOLAS PASTORAIS
1. Cartas pastorais.

- As três epístolas que estudaremos são chamadas de cartas pastorais, e isso se deve ao fato de terem sido elas endereçadas a dois jovens pastores: Timóteo e Tito. Foram escritas por Paulo, um líder itinerante, que estava preocupado com os jovens pastores. Ele os instrui de modo cuidadoso a respeito do trato com a Igreja e com seus ministérios.

2. Datas em que foram escritas.
- A Primeira Epístola de Timóteo foi escrita por volta de 64 d.C., entre a primeira e a segunda prisão de Paulo; 
- A epistola a Tito foi escrita por volta de 65 d.C.; 
- A Segunda Epístola de Timóteo foi escrita por volta de 67 d.C., quando do segundo encarceramento do apóstolo, e antes de sua morte. 

- Paulo cumpria prisão domiciliar em Roma, momento em que ele escreveu algumas cartas.

3. Conteúdo.
- Estas epístolas formam um conjunto literário, devocional e doutrinário, em que se observam o mesmo vocabulário, o mesmo estilo e os mesmos propósitos para qual foram escritas. 

- A estrutura foi elaborada com o intuito de alcançar seus destinatários com solenes ensinos e advertências da parte de Deus.

- Em suas cartas Paulo apresenta grandes doutrinas do Cristianismo, nos revelando assim um Evangelho puro e profundo ao mesmo tempo. 

- Podemos resumir o conteúdo das epistolas assim:

a) Saudação. Paulo demonstra o seu cuidado para com os jovens obreiros (1Tm 1.2; Tt 1.1-4; 2Tm 1.1,2);

b) Qualificações ministeriais. Paulo apresenta as qualidades tanto espirituais quanto morais, que devem estar inerente ao caráter de um Ministro do Evangelho. (1Tm 3.1-13; Tt 1.5-9). Tais qualidades devem ser observadas ainda hoje, pois o Evangelho é o mesmo.

c) Alerta contra os falsos mestres e as falsas doutrinas (1Tm 4.1-5; Tt 1.10-16). Paulo demonstra ser um pastor completo, ele cuida do rebanho, orienta os seus discípulos como devem lidar com a igreja local e os instrui a defender a verdadeira fé. Hoje infelizmente não temos visto hoje com frequência, percebe-se que a mente cristã está em decadência. Mas ainda há tempo de proclamarmos  que o cristianismo não é mais uma religião e sim a continuação da revelação de Deus ao homem.

d) O cuidado com a “sã doutrina” (1Tm 1.10; 6.3; 2Tm 1.13; 4.3; Tt 2.1); Paulo alerta seus discípulos a lutarem pela são doutrina, pois já havia muitos entre os cristãos, querendo corromper os ensinamentos dos apóstolos.  

e) Comportamento e conselhos a diversos grupos (1Tm 5.1-25; Tt 2.1-10). Paulo fala a respeito dos servos, senhores, pais, filhos, jovens e outros grupos. Percebe-se nas palavras de Paulo, um pastor que se preocupa com todas as classes do corpo de Cristo, pra cada uma dessas classes ele tem uma recomendação especial. Necessitamos ainda hoje de homens que demonstrem esse amor pelas ovelhas, isso é o verdadeiro pastor, conhece as suas ovelhas (Jo 10.14).

II. PROPÓSITO E MENSAGEM
1. Orientar os líderes quanto à vida pessoal.

- Paulo exorta a Timóteo no seguintes quesitos: 
- Ser exemplo em tudo (1Tm 4.12,16), ou seja, vida exemplar, se refere a uma postura ilibada em todos os sentidos. 
- Saiba cuidar bem de sua vida familiar (1Tm 3.1-13), a fim de que sua esposa e filhos tenham uma boa conduta. Nos últimos tempos as famílias vem sendo perseguida e assolada pelo inimigo de nossas almas através de seus escravos, e infelizmente muitas famílias se desfizeram e inclusive de lideres que tem o conhecimento desta Palavra. Mas ainda há tempo de pastorearmos os nossos filhos, para que eles sigam nossos passos ao encontro do nosso Mestre amado.

2. Combater as heresias.
- Paulo sabia das diversas heresias que ameaçavam as igrejas locais. Porém havia duas que mais os apostlos combateram, a saber: 

- O judaísmo exigia o cumprimento de vários rituais e liturgias, contudo Jesus nos ensinou uma nova maneira de cumprir a Lei e de viver. Jesus fez uma Nova Aliança com a humanidade mediante seu sacrifício na cruz. 

- E o gnosticismo, filosofia herética, que defendia o dualismo, segundo o qual a matéria é má e o espírito é bom. Por isso, negava a encarnação de Cristo, pois o corpo, sendo matéria, contaminaria seu espírito. 

- Paulo deixou Timóteo em Éfeso para amenizar os estragos dessa heresia, que se infiltrou no meio dos crentes, sob influência de Himeneu e Alexandre (1Tm 1.19,20).

III. UMA MENSAGEM PARA A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA DA ATUALIDADE
Estamos vivendo em tempos trabalhosos como nos tempos dessas cartas, pois há em nosso meio muita heresia e cada dia aparece mais uma, acredito que vc lembra de alguma. 

1. O “evangelho” da prosperidade.
- Um dos mais eminentes defensores, desta falsa doutrina ensinou que “você é tanto uma encarnação de Deus quanto Jesus Cristo o foi. Você não tem um deus dentro de você. Você é um deus”. Se o crente é “deus” pode tudo; tudo o que disser tornar-se-á realidade (confissão positiva); e terá o mundo e as riquezas que desejar, sem pobreza nem enfermidades. 

Resposta apoplética 
- À luz da Palavra de Deus, tal ensinamento equivale a orgulho, presunção e soberba. Sabemos que Deus abomina toda altivez (Pv 6.16-19) e que tal ensino é contrário as Escrituras Sagradas. Somos criaturas, temos falhas e sem Deus nada somos e nada podemos. O poder e a majestade são dEle.

- O Evangelho que prega um reino de terreno é contrário ao verdadeiro Reino, pois Jesus disse que aonde estivesse o nosso coração, ali estaria o nosso tesouro, assim temos muitos crentes com o coração nos bens terrenos - enquanto outros com o coração no mundo vindouro, o que é mais seguro, pois lá o ladrão não rouba (Mt 6.19-21). 

2. Apostasia dos últimos dias.
- Paulo adverte aos crentes quanto ao que está acontecendo nos dias atuais, onde muitos estão abandonando a fé em Cristo. Em Tito, ele faz advertência semelhante sobre falsos líderes, contradizentes e de torpe ganância (Tt 1.9-13). Precisamos estar atentos para que os ensinos heréticos e a apostasia não alcancem a Igreja do Senhor. O líder tem a responsabilidade de zelar pela sã doutrina.

- Infelizmente muitos lideres que eram pastores, se transformaram em lobos, provocando a apostasia de muitos servos de Deus, que por sua vez, com pouco conhecimento bíblico caiu na cilada de Satanás e abandonou a fé (At 20.29).

IV. MENSAGEM PARA A LIDERANÇA    
1. Administração eclesiástica.

- Para que haja uma eficiente administração eclesiástica, é necessário que o administrador seja uma pessoas de conduta ilibada, era o que Paulo buscava em seus discípulos. (1 Tm 3.1-12 e em Tt 1.5-9). 

Segue lista de qualidades morais e espirituais dos lideres das igrejas cristãs 
- Irrepreensível; 
- Marido de uma só mulher; 
- Que tenha filhos fiéis; 
- Não soberbo; 
- Não iracundo; 
- Não dado ao vinho; 
- Não espancador; 
- Não cobiçoso de torpe ganância; 
- Dado à hospitalidade; 
- Amigo do bem; 
- Moderado; 
- Justo; 
- Santo; 
- Temperante; 
- Retendo firme a Palavra; 
- Capaz de admoestar com a sã doutrina, etc.

- As qualidades foram exigidas pelo Senhor através de Paulo, e hoje o mesmo Senhor requer de cada um de nós que professamos o seu Nome. Pois temos que fazer a diferença;

2. Ética ministerial.
- Na Segunda Epístola a Timóteo, Paulo diz que o ministro deve apresentar-se a Deus “aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar; que maneja bem a palavra da verdade” (2.15). 

- A verdadeira liderança se estabelece pelo exemplo, pelo testemunho, muito mais do que pela eloquência, pela oratória ou pela retórica. Não são os diplomas de um pastor que o qualificam como líder cristão, mas seu exemplo, sua ética, diante de Deus e da igreja local.

- Paulo tinha condições de ensinar liderança e ética, pois sua vida era exemplo para a igreja e para os de fora (Fp 3.17; 1Co 11.1).

- O líder cristão não é o que “manda”, mas o que serve. Não é o maior, e sim o menor (Mt 20.24-28).

CONCLUSÃO
As cartas pastorais contêm doutrinas e exortações quanto a assuntos práticos, mas também diretrizes gerais sobre liderança, designação de obreiros, suas qualificações, as responsabilidades espirituais e morais do ministério; do relacionamento com Deus, com os líderes e das relações interpessoais. São riquíssimas fontes de ensino para edificação das igrejas locais nos tempos presentes.

 
 
Alan Fabiano

sábado, 4 de julho de 2015

Judaísmo


Judaísmo
Pode significar pertença a um povo e pertença a uma religião. Essas pertenças eram, no início, uma coisa só: O Judaísmo saiu do povo de *Israel. Lá não havia distinção entre o campo religioso e o profano. Tudo era baseado nas orientações da *Torá. A História israelita termina com a destruição de *Jerusalém pelos babilônios (586 a.C.).

Desde a nova fundação do Estado de Israel, depois do cativeiro babilônico, pode-se distinguir Judaísmo de judeus (Essa palavra vem de Judá, uma das doze tribos de Israel). - O conteúdo mais importante da fé judaica é a sua crença num único Deus (*monoteísmo). Ele criou o mundo e deu a Torá aos homens, para que possam viver de tal maneira que agrade a Deus e seja bom para seu povo. 

Deus convocou todos os povos do mundo para servi-lo. Ao povo judeu, porém, confiou a responsabilidade especial de cumprir a Torá. - Hoje em dia há judeus no mundo inteiro. As mais das vezes possuem o título de cidadania nos países onde nasceram, mas pertencem ao povo de Israel. - Hoje nem todo o judeu é religioso. Durante toda a sua história o Judaísmo foi alvo de hostilidades e opressões. O *antissemitismo atingiu o auge da crueldade nos campos de extermínio dos nazistas, onde 6 milhões de judeus foram assassinados.

Fonte
Dicionário Ilustrado das Religiões - GEORG SCHWIKART, pg. 62.

Alan Fabiano

Gnosticismo

Gnosticismo
Nome derivado do termo grego gnosis, que significa “conhecimento”. Os gnósticos se transformaram em uma seita que defendia a posse de conhecimentos secretos. Segundo eles, esses conhecimentos tornavam-nos superiores aos cristãos comuns, que não tinham o mesmo privilégio. 

O movimento surgiu a partir das filosofias pagãs anteriores ao cristianismo que floresciam na Babilônia, Egito, Síria e Grécia (Macedônia). Ao combinar filosofia pagã, alguns elementos da astrologia e mistérios das religiões gregas com as doutrinas apostólicas do cristianismo, o gnosticismo tornou-se uma forte influência na igreja.

A premissa básica do gnosticismo é uma cosmovisão dualista. O supremo Deus Pai emanava do mundo espiritual “bom”. A partir dele, surgiram sucessivos seres finitos (éons) até que um deles, Sofia, deu à luz a Demiurgo (Deus criador), que criou o mundo material “mau”, juntamente com todos os elementos orgânicos e inorgânicos que o constituem. Logo, a matéria é má, só o espírito é bom. Em consequência dessa ideia, eles não acreditavam na humanidade de Cristo, afirmavam ser Jesus um fantasma.    .

Cristãos gnósticos, como Márcion e Valentim, ensinavam que a salvação vem por meio desses éons, Cristo, que se esgueirou através dos poderes das trevas para transmitir o conhecimento secreto (gnosis) e libertar os espíritos da luz, cativos no mundo material terreno, para conduzi-los ao mundo material mais elevado. Cristo, embora parecesse ser homem, nunca assumiu um corpo; portanto, não foi sujeito às fraquezas e às emoções humanas.

Algumas evidências sugerem que uma forma incipiente de gnosticismo surgiu na era apostólica e foi o tema de várias epístolas do Novo Testamento, onde o Apostolo Paulo e João os combateu fortemente (1 Tm 4.1-5; Tt 2.1; 1 Jo 4.2-3; 2 Jo. 1.7).  A maior polêmica contra os gnósticos apareceu, entretanto, no período patrístico, com os escritos apologéticos de Irineu, Tertuliano e Hipólito. 

Acreditavam que o homem, desde o dilúvio, foi afastando-se sempre mais de Deus, até restar apenas uma centelha do divino, escondida em cada um. O homem, como tal, não é pecador mas dentro dele trava-se uma luta perpétua entre o Bem e o Mal. Esta era a meta do Gnosticismo: detectar e analisar essa luta. Essa centelha divina poderia ser liberada através do conhecimento e assim conseguir-se-ia a redenção.

Gnosticismo – uma resposta Apologética
Os gnósticos se seguiram a vários movimentos religiosos que enfatizavam a gnose ou o conhecimento, principalmente sobre a origem da pessoa. O dualismo cosmológico também era uma característica do sistema — mundos espirituais opostos do bem e do mal. O mundo material estava alinhado com o mundo sombrio do mal.

Ninguém conhece com certeza a origem do gnosticismo. Alguns acreditam que começou com um grupo herético dentro do judaísmo. Os proponentes dessa teoria citam O apocalipse de Adão e A paráfrase de Sem como antigos documentos gnósticos que revelam uma origem judaica. Outros dão a ele um contexto cristão. Uma forma incipiente pode ter-se infiltrado na igreja em Colossos ou pode ter tido uma base completamente pagã. Durante os séculos II a IV o gnosticismo foi considerado uma séria ameaça por pais da igreja como Agostinho, Justino Martir, Ireneu, Clemente de Alexandria, Tertuliano e Origenes.

Fontes primarias. O livro de Ireneu, Contra as heresias, dá um tratamento extenso ao que os gnósticos acreditavam. Três códices gnósticos escritos em copta foram publicados. Dois foram descobertos em NAG HAMMADI, Egito, em 1945. O Códice Askewia-nus contém Pistis Sophia, Códice Brucianus contém O livro de Jeú. O mais conhecido entre os documentos de NAG HAMMADI é O Evangelho de Tome. Uma terceira obra desse período, Códice Berolinensis, foi encontrada em outra parte e publicada em 1955. Contem o Evangelho de Maria [Madalena], a Sofia de Jesus, Atos de Pedro e o Apócrifo de Joao. A primeira tradução de um trata- do, O Evangelho da verdade, apareceu em 1956, e uma tradução de 51 tratados, inclusive O Evangelho de Tome, apareceu em 1977.

Lideres. Os pais da igreja primitiva acreditavam que o gnosticismo começara no século I e que Simão, o magico de Samaria (At 8), foi o primeiro gnóstico. De acordo com os pais da igreja, Simão praticava magia, afirmava ser divino e ensinava que sua companheira, uma ex-prostituta, era Helena de Troia reencarnada. Hipólito (m.236) atribuiu o Apophasis megale [Ogran- de anuncio] a Simão. O discípulo de Simão, um antigo samaritano chamado Menandero, que lecionou em Antioquia da Síria no final do século I, ensinava que os que acreditavam nele não morreriam. Essa afirmação foi anulada quando ele morreu.
No inicio do século II, Saturnino (Satornilo) afirmou que o Cristo incorpóreo era o redentor, negando que Cristo realmente tivesse se encarnado como homem. Essa crença é compartilhada com o DOCETISMO. Nesse período, Cerinto, da Ásia Menor, ensinava o adocia-nismo, a heresia segundo a qual Jesus tinha sido apenas um homem sobre o qual Cristo descera no batismo. Já que Cristo não podia morrer, abandonou Jesus antes da crucificação. Basilides do Egito foi considerado dualista por Ireneu e monista por Hipolito.

Um dos gnósticos mais polêmicos, apesar de atípico, foi Marciao do Ponto. Ele acreditava que o Deus do AT era diferente do Deus do NT e que o cânon das Escrituras incluia apenas uma versão truncada de Lucas e dez das epistolas de Paulo (todas, menos as Epistolas pastorais). Suas teorias foram severa- mente atacadas por Tertuliano (c. década de 160-c. 215). Marcião tornou-se um estimulo para a igreja primitiva definir oficialmente os limites do cânon (v. apócrifos; Bíblia, canonicidade da).

Valentim de Alexandria foi outro gnóstico proeminente. Veio a Roma em 140 e ensinava que havia uma serie de emanações divinas. Dividiu a humanidade em três classes: 1) hileticos ou incrédulos, que estavam imersos na natureza material e carnal; 2) cristãos psiquicos ou comuns, que viviam pela fé e atividades pneumáticas; 3) gnósticos espirituais. Entre seus seguidores estavam Ptolomeu, Heracleo, Teodoto e Marcos. A interpretação de Joao por Heracleo e o primeiro comentário conhecido do NT. Crenças de característica gnóstica persistiram até o século IV. Entre as manifestações posteriores estavam o maniqueísmo, uma seita dualista que enganou Agostinho na sua vida pré-cristã. Contra ela Agostinho escreveu muitos tratados.

Ensinamentos.
Já que o gnosticismo carecia de uma autoridade comum, ele compreendia varias crenças. A base da maioria, se não todas, era:
1. O dualismo cósmico entre espirito e matéria, bem e mal.
2. A distinção entre o Deus finito do AT Iavé, que era igualado ao Demiurgo de Platão, e o Deus transcendental do NT.
3. A visão da criação como resultante da queda de Sofia (Sabedoria).
4. A identificação da matéria como maligna.
5. A crença em que a maioria das pessoas são ignorantes sobre sua origem e condição.
6. A identificação de fagulhas de divindade que estão encapsuladas em certos indivíduos espirituais.
7. A fé num Redentor docetista, que não era realmente humano nem morreu na cruz. Esse redentor trouxe salvação na forma de uma gnose secreta ou um conhecimento que foi comunicado por Cristo apos sua ressurreição.
8. O objetivo de escapar da prisão do corpo, atravessando as esferas planetárias de demônios hostis e reunindo-se com Deus.
9. A salvação baseada não na fé nem nas obras, mas num conhecimento especial ou gnose da própria condição.
10. A visão confusa da moralidade. Carpocrates incentivou seus seguidores a se empenharem em promiscuidade deliberada. Epifânio, seu filho, ensinava que libertinagem era a lei de Deus. A maioria dos gnósticos, no entanto, tinham uma posição muito ascética com relação ao sexo e ao casamento, argumentando que a criação da mulher era a fonte de todo mal e a procriação de filhos só multiplicava o numero de pessoas escravizadas pelo mundo material. A salvação das mulheres dependia de um dia se tornarem homens e voltarem às condições do Éden antes de Eva ser criada. Por incrível que pareça, as mulheres eram proeminentes em muitas seitas gnósticas.
11. A interpretação do batismo e da santa ceia como símbolos espirituais da gnose.
12. A visão da ressurreição como sendo espiritual, não física (v. ressurreicao, natureza fisica da).

O gnosticismo como movimento organizado praticamente morreu. O único remanescente atual acha-se no sudoeste do Irã. Mas muitos ensinamentos gnósticos continuam entre os adeptos da Nova Era, existencialistas e críticos da Bíblia. O reavivamento do interesse no Evangelho de Tome pelo chamado Seminário Jesus e um exemplo disso. Também ha uma tendência, mesmo entre alguns teólogos evangélicos (v. Geisler), de negar a natureza física da ressurreição. Mas o gnosticismo continua vivo hoje de forma ampla no movimento da Nova Era (Jones).

Avaliação. O gnosticismo foi muito criticado pelos pais da igreja primitiva, principalmente Ireneu, Tertuliano, Agostinho e Orígenes, apesar de Orígenes aceitar algumas de suas posições. A posição de Marcião com relação ao cânon e criticada nos artigos APÓCRIFOS DO NOVO TESTAMENTO E BÍBLIA, CANONICIDADE DA. Para mais comentários sobre o gnosticismo, v. os artigos Cristo, morte de; docetismo; dualismo.

Fontes
Dicionário Ilustrado das Religiões - GEORG SCHWIKART, pg. 49.
Dicionário de religiões, crenças e ocultismo. George A. Mather & Larry A Nichols. Vida, 2000, pp 175-6.
http://espadaflamejante.blogspot.com.br/2009/07/comentario-bilbico-i-joao.html
Enciclopédia de Apologética – Norman Geisler, PDF, pg. 374-375. 


Alan Fabiano