Páginas

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

AS PRAGAS DIVINAS E AS PROPOSTAS ARDILOSAS DE FARAÓ

Lição 3: As pragas divinas e as propostas ardilosas de Faraó

Texto base
Êxodo 3.19,20; 7.4,5; 8.8,25; 10.8,11,24. 
Êxodo 3
19 - Eu sei, porém, que o rei do Egito não vos deixará ir, nem ainda por uma mão forte.
20 - Porque eu estenderei a minha mão e ferirei ao Egito com todas as minhas maravilhas que farei no meio dele; depois, vos deixará ir. 
Êxodo 7
4 - Faraó, porém, não vos ouvirá; e eu porei a mão sobre o Egito e tirarei os meus exércitos, o meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito com grandes juízos.
5 - Então, os egípcios saberão que eu sou o SENHOR, quando estender a mão sobre o Egito e tirar os filhos de Israel do meio deles. 
Êxodo 8
8 - E Faraó chamou a Moisés e a Arão e disse: Rogai ao SENHOR que tire as rãs de mim e do meu povo; depois, deixarei ir o povo, para que sacrifiquem ao SENHOR.
25 - Então, chamou Faraó a Moisés e a Arão e disse: Ide e sacrificai ao vosso Deus nesta terra. 
Êxodo 10
8 - Então, Moisés e Arão foram levados outra vez a Faraó, e ele disse-lhes: Ide, servi ao SENHOR, vosso Deus. Quais são os que hão de ir?
11 - Não será assim; andai agora vós, varões, e servi ao SENHOR; pois isso é o que pedistes. E os lançaram da face de Faraó.
24 - Então, Faraó chamou a Moisés e disse: Ide, servi ao SENHOR; somente fiquem vossas ovelhas e vossas vacas; vão também convosco as vossas crianças.

OBJETIVOS 
Analisar as pragas deferidas e a primeira proposta de Faraó.
Saber que assim como Faraó, Satanás não desiste facilmente.
Discutir a proposta final de Faraó. 

INTRODUÇÃO 
Palavra Chave: Proposta. Aquilo que se propõe; sugestões de Faraó ao povo de Deus.
Nesta aula aprenderemos alguns acontecimentos que ocorreram durante o êxodo do povo de Deus da terra do Egito. 1. A ordem de Deus. Deus havia declarado que se Faraó não deixasse o seu povo sair do Egito, Ele feriria os egípcios com várias pragas (Êx 3.19,20). 2. Os objetivos dos flagelos. a. Julgar o governo e o povo por seus atos; b. Apressar a saída dos hebreus e c. Mostrar o poder de Deus sobre os deuses egípcios (Êx 7.4,5). 3. As propostas de Faraó. A partir da 2ª praga (a das rãs, Êx 8.1-15), Faraó passa a fazer uma série de propostas ardilosas e destruidoras a Moisés e Arão. 4. O contexto dos acontecimentos. O ambiente e as circunstâncias em que ocorreram as pragas e as propostas de Faraó ao povo de Deus.

I. AS PRAGAS ENVIADAS E A PRIMEIRA PROPOSTA DE FARAÓ 
Devemos salientar que cada praga enviada ao Egito, era uma resposta do Deus verdadeiro aos deuses falsos adorados na terra do Egito. Segue a lista das pragas e as possíveis respostas de Deus a Faraó, além de trazer os seus deuses contra eles mesmos.  

Primeira praga: As águas tornam-se em sangue
O rio Nilo era adorado pelos egípcios, aliás o Egito era considerado uma dádiva do Nilo.
Eles criam que os principais deuses governavam o Nilo e o principal era o deus Hâpi, criador de todas as coisas, que da lama do Nilo formou o homem.
Quando as águas do Nilo se tornaram em sangue por sete dias e toda vida do Nilo cessou, Deus derrotou a Hâpi.

Segunda praga: A praga das rãs
Os egípcios criam na deusa-Rã Heqt, a deusa da ressurreição. Porém ao invadir o Egito com rãs, Deus venceu Heqt, e a Bíblia fala que depois de orar para que cessasse a praga, as rãs foram juntadas aos montões e a terra cheirou mal, cheirou a morte. Onde estava então a deusa da ressurreição?

Terceira praga: A praga dos piolhos
O pó da terra se transformou em piolhos e isto foi considerado magia pelos egípcios, então os magos invocaram a Tot, senhor da magia, mas eles foram totalmente desmoralizados.

Quarta praga: A praga das moscas
O Egito adoravam a Ptah, como o criador de todas as coisas, inclusive das moscas, e toda a terra do Egito foi invadida pelas moscas, com excessão da terra de Gósen, onde o povo de Israel vivia. Deus guardou seu povo e derrotou a Ptah.

Quinta praga: A praga da peste nos animais
Alí Deus derrotou dois deuses em uma cajadada só. Derrotou Hathor, a deusa-vaca e derrotou Àpis, o deus-touro, aquele mesmo bezerro de ouro que os israelitas quiseram adorar depois.

Sexta praga: A praga da úlceras
Naquele momento, tanto homens como animais foram acometidos de furúnculos e sarnas e os magos clamaram com certeza a Imhotep, deus da medicina, mas este não pode fazer nada por eles, Deus o derrotou.

Sétima praga: A praga da Saraiva
Os céus do Egito se encheram de trovões e fogo, imaginem o desespero daquele que olhava para o céu. Foi aí que Deus mostrou que tanto Reshpu, controlador das chuvas e trovões, quanto Nut, deus-céu não tinham poder nenhum.

Oitava praga: A praga dos gafanhotos
Faraó confiava em sua força e na força de seu deus Min, protetor das lavouras, para  guardar seus celeiros, mas Deus derrotou a Min, enviando uma praga de gafanhotos que não deixou nem uma folhinha sobre toda a terra do Egito.

Nona praga: A praga das trevas
Por três dias o Egito ficou mergulhado em densas trevas, trevas que eram palpáveis de tão densas. A luz do Egito, representada pelos deuses Rá, deus-sol; Hórus e Aten, deuses solares, foi apagada. Deus derrotou a todos eles.

Décima praga: A morte dos primogênitos
Alí Deus derrotou a faraó, pois ele era considerado a encarnação de Osíris, o doador da vida e também a Ísis, deusa da vida. Nem Faraó, nem Ísis e nem Osíris puderam trazer os primogênitos de volta a vida. Deus é Senhor sobre tudo e todos.

1. Pragas atingem o Egito (Êx 7.19 — 12.33)
- A ordem de Deus. Deus ordenou que Moisés e Arão fossem até o palácio de Faraó para pedir-lhe que deixasse o povo hebreu partir.

Acontecimentos que antecederam as pragas: 
- Deus constitui Moisés como Deus sobre Faraó (4.16; 7.1);
- O que falou Faraó e como reagiu? (5.2)
- Quem é o SENHOR para que lhe ouça a voz e deixe ir a Israel?
- Não conheço o SENHOR; 
- Não deixarei ir a Israel; 
- Aumentou o volume de trabalho dos hebreus (Êx 5.8,9). 

Diante de Faraó Moisés fez alguns milagres (sinais e maravilhas), qual o objetivo?
a. Subjugar a autoridade de Faraó (era considerado um deus);
b. Para que faraó acreditasse nele (7.9);
c. Para que faraó contemplasse uma amostra do poder do Altíssimo (8.10) e 
d. Libertasse o povo de Deus. 

- Faraó endureceu o seu coração e não deixou o povo partir (Êx 7.13,14,22; 8.15,19,32; 9.7,34,35; 4.21; 7.3; 9.12; 10.1,27; 11.10; 14.4,8,17). 

As pragas: 
1ª praga: As águas se tornam em sangue (7.17); 
2ª praga: Rãs (8.6);
3ª praga: Piolhos (8.17); 
4ª praga: Moscas (8.24). 

- Após a 4ª praga Faraó decide fazer algumas propostas ardilosas para Moisés e Arão.

2. A primeira proposta (Êx 8.25). 
- Faraó se vê em dificuldade e pretende obedecer à ordem divina, mas queria ditar as regras. 

 Proposta: “Esta proposta exigia que Israel cultuasse a Deus no próprio Egito, em meio aos falsos deuses”. 

Consequências: 
Israel iria servir a Deus sem separação do mal; 
Seria um povo chamado por Deus e misturado com os egípcios, como um só povo;
Seria um ecumenismo;
Contraria a vontade de Deus (Lv 20.26); 
Seria uma abominação ao Senhor. 

Tal proposta não poderia ser aceita:
1. Os animais para o sacrifício ao SENHOR, eram deuses para o Egito (26);
2. Não era essa a vontade de Deus (3.18). 

Aplicação
Vimos o Egito convidando Israel para adorarem ao Senhor no seu território, o que poderia resultar numa mistura religiosa. 
O mundo está convidando a Igreja para adorar ao nosso Deus em seus territórios, parecendo que há comunhão entre a luz e as trevas (2 Co 6.14-18). 

II. FARAÓ NÃO DESISTE 
1. A segunda proposta de Faraó (Êx 8.28).
Proposta: “Somente que indo, não vades longe”. 

Consequências: 
O povo de Deus iria sair da terra do Egito, mas o Egito não sair deles; 
Faraó continuaria vigiando e controlando o povo de Israel. 

Aplicação
“Não vades longe” pode ser aplicada nas seguintes situações: 
- No caso da esposa de Ló, que saiu de Sodoma, mas não tirou Sodoma do seu coração e da sua mente, e perdeu-se (Gn 19.17,26; Lc 17.32). 
- O crente que sai do mundo, mas o mundo não sai dele (Tg 4.4,5; 1Jo 2.15);  
- O rompimento parcial com o mundo; 
- É a vida cristã sem profundidade, sem expressão e por isso vulnerável;
- O crente que viver sem compromisso com Deus, com a doutrina, com a igreja, com a santidade;
- Vida cristã superficial;
- Sem consagração a Deus e ao seu serviço.  

2. A terceira proposta de Faraó (Êx 10.7).
Após a oitava praga, Faraó faz mais uma proposta a Moisés. 

Proposta:Deixa ir os homens”, sairiam do Egito apenas os chefes de famílias e os homens adultos, os demais membros da família permaneceriam. Tal proposta contrariava a vontade de Deus (10.26) e a formação familiar de Israel (Êx 6.14,15,17,19). 

Consequências: 
a) Famílias sem o governo dos pais, sem provisão, sem proteção, sem direção; 
b) Maridos sem as esposas; crianças sem os pais. 
c) Miscigenação devastadora. Os jovens de Israel sozinhos no deserto a caminho de Canaã se casariam com moças pagãs, idólatras.
d) As jovens deixadas no Egito se casariam com os incrédulos egípcios. 
e) Perda de identidade dos hebreus como povo do Senhor.

Aplicação
O Diabo quer a ruína do casamento (Êx 1.16). 
Ele vem para matar roubar e destruir (Jo 10.10) 

III. A PROPOSTA FINAL DE FARAÓ 
1. A situação caótica do Egito. 
Em face das pragas que já haviam ocorrido, a nação do Egito se encontrava em estado de emergência, fato este já constatado após a sétima praga (10.7). 

Mesmo diante dos reveses que enfrentara, Faraó não deu ouvidos aos seus oficiais e nem a Moisés. 

Aplicação
Quem pode resistir ao Senhor? Se Deus está falando com você, atenda-o. Não resista! Muitos já viram e experimentaram os milagres do Senhor, porém, seus corações permanecem duros e inflexíveis, como o de Faraó. Lembre-se de que há um preço alto a se pagar por não se dar atenção ao que Deus fala.

2. A quarta e última proposta. 
Após a nona praga, Faraó faz a quarta Proposta: “Ide, servi ao Senhor; somente fiquem as ovelhas e vossas vacas” (v.24).

A ovelha e a vaca eram animais cerimonialmente “limpos” para oferendas de sacrifícios a Deus na época da Lei (cf. 1Pe 2.25; Hb 13.15,16). 

Consequências:
- Sem as ovelhas e vacas não haveria sacrifícios; 
- Não haveria entrega ao Senhor. 

Aplicação
- Significa: Os nossos negócios e interesses materiais, não santificados e não sujeitos à vontade de Deus (10.24). O crente precisa viver uma vida digna, não só diante de Deus, mas também diante dos homens (2Co 8.21). A santidade é um imperativo na vida do cristão até mesmo nos negócios. ou seja, tudo o que pertence ao cristão ou estar sobre seu domínio, devem ser consagrados ao Senhor. 

CONCLUSÃO
A atitude do cristão hoje ante as traiçoeiras propostas do Maligno deve ser a mesma dos representantes de Israel, Moisés e Arão: “Nem uma unha ficará” no Egito (Êx 10.26). Satanás figurado em Faraó não mudou em relação à sua luta contra o povo de Deus. Ele continua a tentar o crente de muitas maneiras para fazê-lo cair, inclusive com más insinuações, sugestões, conclusões etc. “Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo” (1Co 15.57).

Boa aula!

Bibliografia
Bíblia de Estudo - SHEDD
ELLISEN, Stanley. Conheça Melhor o Antigo Testamento. São Paulo, SP: Editora Vida, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Deixe o seu comentário;
- Assim que puder responderei;
- Faça desse espaço um lugar de crescimento espiritual;
- Grato por sua visita;
- Deus te abençoe.