Páginas

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

O VALOR DOS BONS CONSELHOS

O VALOR DOS BONS CONSELHOS - LIÇÃO 1

Objetivos: 
Conhecer o conceito geral dos livros de Provérbios e Eclesiastes.
Identificar as fontes da sabedoria dos sábios antigos.
Compreender o propósito da sabedoria ensinada em Provérbios e Eclesiastes.

APRESENTAÇÃO
Estudaremos parte da literatura sapiencial judaica, isto é, os livros de sabedoria dos judeus que tratam dos conselhos divinos para a vida humana.
Veremos o quanto eles são atuais e relevantes em seus ensinamentos.

Palavra Chave: Sabedoria. Grande instrução; ciência, erudição, saber.

Para melhor compreensão e interpretação dos livros de Provérbios e Eclesiastes, a palavra sabedoria na literatura sapiencial judaica, tem o sentido de: Padrão Teológico de pensamento que aplica a sabedoria de Deus às questões práticas da vida. (Temor do Senhor aplicado). Portanto tem algumas características peculiares, quais sejam:
- É Teocêntrica (Deus é a base ou o centro de tudo que envolve a vida humana);
- Tende a aproximar o homem do seu Criador;
- Instrui o homem a obedecer os mandamentos divinos (Ec. 12.13);
- Ensina o sábio a reconhecer suas limitações e depender de Deus; 
- Tal sabedoria não entra em contradição com o todo da Bíblia.  

INTRODUÇÃO 
Nesta lição estudaremos, alguns conselhos populares que contém valores éticos, morais e sociais, que acabam por dirigir e influenciar as regras da vida em sociedade. Contudo, estes conselhos não podem ser levados como verdades absoluta para a vida do cristão. Pois para o cristão, a Bíblia é a fonte, de bons conselhos que revelam a sabedoria divina. A Bíblia apresenta grandes máximas, nas mais diferentes formas literárias, Parábolas, fábulas, enigmas, e provérbios e etc. Estudaremos os Conselhos Divinos contidos nos livros de Provérbios e Eclesiastes, tais conselhos se revelam na vida dos que temem ao Senhor.

I. JOIAS DA LITERATURA SAPIENCIAL
1. O Livro de Provérbios.
Provérbios. Afirmação breve de uma verdade universalmente aceita, formulada de um modo fácil de memorizar.
Data: +/- 700 a.C.
Autoria: Salomão:1-29; (principal); Agur: Cap. 30 e o Rei Lemuel: Cap. 31.
Gênero Literário: Sapiencial (literatura da sabedoria). Composto de: Provérbio e Instruções.  
Objetivo/Propósito: Dar sabedoria aos jovens (1. 1-7).

- O livro revela que havia alguns provérbios de Salomão que circulavam nos dias do rei Ezequias, e que posteriormente foram compilados pelos homens deste piedoso rei (Pv 25.1).

2. O livro de Eclesiastes.
Eclesiastes/Pregador. Homem da assembleia ou seu porta-voz, seu pregador. 
A palavra corresponde a tradução grega da Septuaginta, ekkesiastes, sendo apicado em português o título do livro de Eclesiastes. 

Data: +/- 935 a.C
Autoria: Salomão (Ec 1.1)
Gênero Literário: Sapiencial (literatura da sabedoria).  
Objetivo/Propósito: Dar sabedoria aos jovens (1. 1-7).

Diferença entre Provérbio e Eclesiastes:
Provérbios: É escrito em forma de poesia, com metáforas sucintas, vivazes, convincentes e admiráveis.

Eclesiastes: É escrito/apresenta-se como um discurso usado em assembleias ou templos.

II. A SABEDORIA DOS ANTIGOS
1. A inteligência dos sábios.
Apesar Provérbios fazem citação das “Palavras dos Sábios” (Pv 22.17; 24.23), não identifica quem eram esses sábios, sabemos ainda que encontramos outras referências bíblicas que dão conta da existências de muitos sábios daquela época. Mas, o sábio Salomão, teve lugar no Canon Sagrado, sendo ainda mencionado em (1Rs 4.29-31), que a sua sabedoria era superior aos demais.

2. A sabedoria de Salomão.
Neste ponto da nossa lição nos deparamos com a abrangência da sabedoria de Salomão, quais sejam: Honrar os pais, criar os filhos, lidar com o dinheiro, conduzir a sexualidade, trabalhar e exercitar liderança, usar bem as palavras, tratar os amigos com gentileza, comer e beber saudavelmente, relacionamento interpessoal, autocontrole”.

O princípio da sabedoria de Salomão nos revela que nosso relacionamento com Deus, reflete-se no nosso relacionamento interpessoal e consigo mesmo.

Isto significa que nada, em nossa vida, precede a Deus. Sem Ele nada podemos fazer.

III. AS FONTES DA SABEDORIA
1. A popular.
Os livros poéticos mostram, entre outras coisas como louvores e orações, muito da sabedoria do povo de Israel, ciente dessa verdade, Salomão apresenta máximas populares para compor os seus Provérbios (Pv 22.17; 24.23).
Deus dá inteligência aos homens para que a partir das situações da vida e tirem conclusões que sirvam para si mesmos e para outras pessoas, em forma de conselhos e advertências, como ocorre no livro de Provérbios. Em nossa cultura podemos destacar algumas dessa sabedoria popular: 
- Dai a César o que de César e a Deus o que de Deus.
- Quem com ferro fere, com ferro será ferido.
- Mais vale um pássaro na mão do que dois voando.
- A pressa é a inimiga da perfeição.
- Cavalo dado não se olha os dentes.
- O seguro morreu de velho.
- Cada macaco no seu galho.
- Quem tudo quer nada tem.

É importante salientar que esta sabedoria não é uma verdade absoluta para o cristão, pois devemos analisar se os provérbios populares contradizem a Palavra de Deus, outro fator a ser observado é que abrangência desses provérbios é apenas na esfera social, enquanto que os provérbios bíblicos abrangem a esfera espiritual também. 

2. A divina.
Neste ponto vemos que a fonte da sabedoria também pode ser divina, uma vez que a sabedoria de Salomão procede de Deus, conforme pode se ver em (1 Rs 3.9-12), em (Tg 1.5) somo exortados pedir sabedoria para Deus, de onde emana todo dom perfeito (v.17).  

O cristão sábio é aquele que depende de Deus para tomar suas devcisões e busca orientação de Deus para aconselhar o próximo. 

IV. O PROPÓSITO DA SABEDORIA
1. Valores éticos e morais.
Já na introdução do livro de Provérbios (1-9), encontramos o seu propósito: (1) Conhecer a sabedoria e a instrução; (2) entender as palavras da prudência; (3) receber a instrução do entendimento, a justiça, o juízo e a equidade; (4) dar aos simples prudência e aos jovens conhecimento e sensatez; (5) ouvir e crescer em sabedoria; (6) adquirir sábios conselhos; (7) compreender provérbios e sua interpretação, bem como também as palavras dos sábios e suas metáforas (Pv 1.1-6). 
Tais instruções é direcionado ao jovem a refinar o seu comportamento nas esferas horizontal e vertical. 

2. Valores espirituais.
Além dos valore morais encontrados na Literatura Sapiencial judaica, encontramos também valores espirituais, as quais podem ser resumidas em ambos os livros conforme abaixo: 
No livro de Provérbios – O Temor o Senhor é o princípio da ciência (Pv 1.7);
No livros de Eclesiastes – Deus como a razão de toda a existência humana (Ec 12).

Podemos concluir ainda que os livros de Provérbios e Eclesiastes formam uma tessitura (estão ligados) milenar no contexto religioso judaico que, adaptado à nossa realidade, apresentam conselhos práticos para a vida cotidiana de todos os homens.

CONCLUSÃO
A literatura sapiencial, representada neste trimestre pelos livros de Provérbios e Eclesiastes, revela que o temor do Senhor é o fundamento de todo o saber. Ninguém pode ser considerado sábio se os seus conselhos não revelarem princípios do saber divino. Segundo a Bíblia, um sábio não se caracteriza apenas por ter muita informação ou inteligência, mas é alguém que aprendeu o temor do Senhor como a base de toda sua vida e, por isso, sabe viver e conviver (Tg 3.13-18).


VOCABULÁRIO
Tessitura: Modo como estão interligadas as partes de um todo; organização, contextura.
Máxima: Princípio básico indiscutível de ciência ou arte.
Vivazes: Vivo, forte, enérgico. 

Bibliografia
Bíblia de Estudo - SHEDD
Bíblia de Estudo - Pentecostal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Deixe o seu comentário;
- Assim que puder responderei;
- Faça desse espaço um lugar de crescimento espiritual;
- Grato por sua visita;
- Deus te abençoe.