Páginas

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA

PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA - liçao 9
Objetivos
Compreender o que é Igreja. 
Saber que devemos preservar a identidade da Igreja
Identificar os perigos que ameaçam a Igreja. 

INTRODUÇÃO
Nesta Lição aprenderemos como preservar a identidade da Igreja de Cristo, haja vista que na atualidade muitos "lideres" e liderados têm perdido a identidade do cristianismo autêntico, dando ouvidos a falsas doutrinas, filosofias, visões e revelações. Vivemos em tempos trabalhosos, portanto, devemos vigiar, afim de manter a nossa identidade como Igreja do Senhor Jesus. 

Palavra chave
Identidade. Conjunto de características próprias de uma pessoa ou um grupo que possibilitam sua identificação ou reconhecimento.     

I. O QUE É A IGREJA 
Neste primeiro ponto veremos o primeiro objetivo proposto, COMPREENDER o que é a Igreja, para tanto veremos a definição, duas principais dimensões da Igreja e sua identidade. 
1. Definição. 
Literalmente, a palavra Igreja, gr. ekklésia. Reunião de um povo.
- O termo aplica-se a: 1. Um grupo de cristãos vivendo em determinado local (Mt 18.17; At 5.11; Rm 16.1,5; 1 Co 1.2; Gl 1.22; 1Ts 1.1; Fm 2); 2. A Igreja Universal, à qual pertencem todos os crentes em Jesus (Mt 16.18; At 9.31; 1 Co 12.28; Ef 1.22; 3.10). 
- Podemos afirmar que a Igreja é um organismo "místico" (espiritual) composto por todos os que, pela fé, aceitaram o sacrifício vicário de Cristo. 


- Outro sentido para Igreja, deriva-se da palavra grega Kuriake, que significa "pertencente ao Senhor". Logo, Igreja é uma reunião de pessoas chamadas do mundo, as quais professam e provam submissão ao Senhor Jesus Cristo. 

2. As duas principais dimensões da Igreja. 
A Igreja é terrena e divina, física e espiritual. 
Vejamos: 
a) Divina. 

3. Sua identidade
II. A PRESERVAÇÃO DA IDENTIDADE DA IGREJA
1. Na pregação e no ensino do evangelho. 
2. No amor cristão. 
3. Na defesa da fé. 
III. ALGUNS PERIGOS QUE AMEAÇAM A IGREJA
1. A perda e o esfriamento do amor.
2. A perda do temor a Deus. 
3. A perda da humildade. 
CONCLUSÃO

sábado, 20 de agosto de 2011

IGREJA — AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE

IGREJA — AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE - Lição 8


APRESENTAÇÃO 
Esta lição traz um tema muito importante, uma vez que a Igreja não pode perder a identidade do Senhor Jesus Cristo. Veremos a função da igreja como agente que transforma a sociedade, mas não podemos deixar de destacar um tema imprescindível - ética cristã, é possível perceber nitidamente o exemplo que nos dar o Senhor Jesus sobre o assunto, portanto, devemos falar em sala de aula sobre transformação espiritual da sociedade e sobre a ética que Cristo nos legou.  

TEXTO ÁUREO 
“E Jesus, tendo ouvido isso, disse-lhes: Os sãos não necessitam de médico, mas sim os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores” (Mc 2.17).

VERDADE PRÁTICA 
Jesus confiou-nos a missão de transformar a sociedade, na qual estamos inseridos, através do Evangelho.
- Transformar a sociedade. O cristão só consegue influenciar e transformar uma sociedade quando permite que o Espírito Santo o revele a distinção entre a santidade de Deus e a malignidade do pecado,  passando a ver as coisas da mesma maneira que Deus as vê, atribuindo-lhes a importância que Deus lhes atribui, amando o que Ele ama e rejeitando o que Ele rejeita. 
- Evangelho. Esta é a nossa maior e mais poderosa ferramenta para transformar uma sociedade, pois é através desta ferramenta que o homem é liberto e transformado em uma nova criatura (2 Co 5.17), portanto não nos privemos de evangelizar, pois é poder de Deus capaz de transformar uma sociedade (Rm 1.16). 

LEITURA DIÁRIA 
Sábado - 1 Tm 2.1-8 -  A responsabilidade da Igreja para com a sociedade. 

"1.ADMOESTO-TE, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças, por todos os homens; 2.Pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade; 3.Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, 4.Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade; 5.Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem. 6.O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo. 7.Para o que (digo a verdade em Cristo, não minto) fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios na fé e na verdade. 8.Quero, pois, que os homens orem, em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Marcos 2. 13-17; Atos 2.37-41

Marcos 2

13 - E tornou a sair para o mar, e toda a multidão ia ter com ele, e ele os ensinava.
14 - E, passando, viu Levi, filho de Alfeu, sentado na alfândega e disse-lhe: Segue-me. E, levantando-se, o seguiu.
15 - E aconteceu que, estando sentado à mesa em casa deste, também estavam sentados à mesa com Jesus e com seus discípulos muitos publicanos e pecadores, porque eram muitos e o tinham seguido.
16 - E os escribas e fariseus, vendo-o comer com os publicanos e pecadores, disseram aos seus discípulos: Por que come e bebe ele com os publicanos e pecadores?
17 - E Jesus, tendo ouvido isso, disse-lhes: Os são não necessitam de médico, mas sim os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores.


Levi. ("Mateus", Mt 9.9) era um dos doze discípulos e autor do evangelho segundo Mateus.
Publicano. Levi era publicano e cobrador de impostos (Lc 5.27n). Muitos publicanos eram desonestos, levantavam coletas de impostos ilícitos, cobrando demais e enganando o governo com relatórios falsos, e por isso eram odiados pelo povo. Os fariseus julgaram os publicanos iguais aos pecadores que desprezavam a lei. Não se separavam dos gentios e assim, ficaram separados da sinagoga.


Levi, antes de sua conversão, é um exemplo atual de uma sociedade corrupta e gananciosa, contudo, o nosso Mestre não os despreza, afirma claramente que veio resgata-los. A Igreja de Cristo não pode cruzar os braços diante das mazelas que vimos todos os dias, são pessoas doentes que necessitam de um médico espiritual. 


OBJETIVOS 
Explicar como a Igreja deve se relacionar com a sociedade.
Compreender o papel de proteção social que a Igreja exerce na sociedade.
Conscientizar-se de que a evangelização e a atuação da Igreja podem restaurar a sociedade.


INTRODUÇÃO
- Jesus vivia em meio a uma sociedade como um homem comum do povo,  seguindo os costumes e tradições da sociedade judaica, cumprindo suas responsabilidades como cidadão judeu, pagava impostos, frequentava ventos sociais. 
- Vivia como um homem do povo, embora fosse o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Fp 2.7). 
- Transformou a sociedade e o mundo. Porque de fato assumiu a missão de servo, cumprindo as ordens do Pai, executando sua missão (pregar, ensinar, libertar os cativos e oprimidos, dar vistas aos cegos, curar os enfermos, ressuscitar os mortos, alimentando o faminto, dando de beber a quem tem cede. Is 61.1-2; Mt 11.5). 
- Como Igreja de Deus. Temos a nobre missão de sermos servos de Cristo,  dando continuidade ao seu ministério através da propagação do Evangelho do Reino de Deus. Para isso, a igreja deve ser o sal da terra e a luz do mundo. (Mt 5.13,14), sendo assim conseguiremos alcançar o nosso alvo, que é influenciar e transformar a sociedade pelo poder o Evangelho de Cristo. 

I. A IGREJA E A SOCIEDADE
Seguindo o raciocínio proposto na introdução da lição, onde mostra o Senhor Jesus como exemplo para a Igreja no que tange o relacionamento com a sociedade, veremos nesse primeiro ponto a definição de sociedade, o relacionamento de Jesus com a sociedade e por ultimo como deve ser o relacionamento da Igreja com a sociedade. 

1. O que é uma sociedade? 
- Definição. Agrupamento de seres que vivem em estado gregário (referente a sociedade, relacionamento) e em colaboração, cidadania e fraternização mútuas. 
- Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, sendo Deus um Ser pessoal. Logo, o homem é um ser pessoal destinado a viver em constante relacionamento interpessoal
- A partir deste ser pessoal, nasce a família (Gn 1.28), célula básica da sociedade. 
- A sociedade por sua vez, é o reflexo da célula básica, caso esta seja desestruturada, sem princípios e sem a presença de Deus, teremos uma sociedade degradante e sem valores morais e espirituais. 
Aplique este principio aos seus alunos, valorize a família!.

O exemplo de Jesus, convivência em família. 
- O Senhor Jesus ao se despir de sua glória, tornando-se homem (Fp 2.7), nasceu e viveu em família, no meio de uma sociedade imperfeita e pecadora, a qual era carente da graça salvadora de Cristo (Lc 19.10). Atualmente não é diferente, vivemos em uma sociedade perversa, todavia, não esconde a carência de salvação.

2. Jesus e a sociedade. 
Neste sub ponto veremos sobre a ética de Jesus no contexto social. 
- Desde a infância Jesus sabia agir e interagir com sabedoria enquanto se relacionava (Lc 2.52); 
- Respondia a todos de forma amigável (Lc 39-51); 
- Nunca fez acepção de pessoas, ou classe sociais (Mt 11.5); 
- Seu discurso era inclusivo, pois tinha o objetivo de resgatar a todos (leprosos, oprimidos, cegos, coxos, viúvas, publicanos, pecadores, samaritanos (os judeus não se davam bem com estes) e etc... ) Mt 4.15-17; Lc 7.21,22; Lc 7.13;  
- Os exemplos de Jesus são para a igreja de Ef 5.27; Já os exemplos dos fariseus devem ser extintos do nosso meio. Devemos lutar para seguir os exemplos do nosso Mestre, olhar só pra Ele, pois Ele tem o melhor para o seu povo; E só o seu povo tem o melhor para a sociedade. 
- Seguindo o exemplo de Cristo, a igreja deve ter um discurso inclusivo (com mudança de vida espiritual e material), não deve fazer acepção de pessoas ou classes sociais.        
- Aplique os exemplos de Jesus conforme o contexto social de seus alunos. 

3. A Igreja na sociedade. 
- Já definimos o que é sociedade; 
- Vimos exemplos de Jesus na sociedade. 
- Agora veremos o primeiro objetivo proposto que é o EXPLICAR o relacionamento da igreja com a sociedade. 
- A Igreja é como um farol. Dar direção, ilumina, serve de referência, dar segurança, dissipa a escuridão; 
- A conduta do cristão deve ser ilibada (Fp 2.15). O cristão passa a ter conduta ilibada quando concebe em seu coração sua condição de servo, discípulo de Cristo, "Discípulo de Cristo é aquele se entrega e coloca inteiramente à disposição de Cristo; que aprende o que Ele ensina; que crê no que Ele revela; que faz o que Ele ordena; que evita o que Ele proíbe; que suporta o que lhe for imposto por Ele e para Ele, na expectativa daquela recompensa que Ele prometeu. Tal é o discípulo de Cristo, e dessa forma ele, e ninguém mais, é cristão". David Clarkson. 
- A igreja que traz consigo os princípios de Cristo tem credibilidade para pregar o Evangelho; 
- O cristão que tem os princípios de Cristo, tem credibilidade no meio em que vive; 
- Apesar do Estado Brasileiro garantir em sua Constituição Federal no Art.6º, os direitos sociais (educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância e assistência social aos desamparados), sabemos que este objetivo não é plenamente alcançado em nossa sociedade atual. Face ao nosso contexto social, é importante a igreja como "Instituição" mobilizar-se (1 Jo 3.17) no enfrentamento das dificuldades sociais que vivenciamos.  


Atividades que podem ser desempenhadas pela Igreja local. 
- Ação global em bairros carentes (Tirar segunda via de documentos, casamentos coletivos, medição de pressão, cabeleireiros e etc..)
- Campanha do agasalho, os membros recolhem agasalhos de casa em casa; 
- Alfabetização de adultos; 
- Exames preventivos; 
- Socorro às vítimas de tragédias e catástrofes;


- Assim a igreja pode contribuir para o desenvolvimento social, evangelizar e mostrar na prática o amor cristão (Mt 25.35, 1 Jo 3.17). 


II. A IGREJA E A PROTEÇÃO SOCIAL
O segundo objetivo proposto é COMPREENDER o papel protetor que a Igreja exerce na sociedade. 
- Esta proteção se manifesta através de três elementos, 1.Oração, 2.Conselhos divinos e 3.Valores cristãos. Veremos pois.   

1. Através da oração. 
- Através da oração intercessória a Igreja é capaz de abençoar e proteger a sociedade, seja espiritual ou material. Tg 5.16; 
- Fazendo assim a Igreja está obedecendo a Palavra de Deus (1 Tm 2.1-8). 
- Devemos ter em mente que O Senhor dono da Igreja tem o controle absoluto de todas as coisas em Suas mãos (Mt 28.18), a ultima Palavra portanto é dEle e não do homem (Is 43.13). 
"E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra" 2 Cr 7.14.


2. Por intermédio dos conselhos divinos. 
- Os conselhos divinos é uma "ferramenta" eficaz, com a qual a Igreja protege a sociedade, sejam eles destinados aos governantes, a sociedade coletivamente ou a um individuo, o certo é que a proteção será real. 
- No Velho Testamento, vimos que os reis buscavam ou recebiam conselhos e orientações dos profetas (2 Cr 20.14-18; Is 37.1-7); 
- Os profetas no Velho Testamento exerciam função social importante, pois denunciavam os desvios de condutas sociais e os pecados do povo e dos governantes (Jr 2.12,13,19; 25.3-7; Ml 1.1-2.17); 
- Vimos então que os conselhos divinos tem duas bases fundamentais - social e espiritual; 
- Hoje não é diferente, há lideres que recebem conselhos de servos de Deus e há também homens usados por Deus capazes de denunciar o pecado e a corrupção moral da sociedade; 
- Não podemos esquecer que somos atalaias de Deus. Ez 33.1-6. 

3. Por meio dos valores cristãos. 
- Outra forma que a igreja protege a sociedade é através dos valores cristãos; 
- Você já imaginou como seria sua cidade, estado, país ou o mundo inteiro de cristãos? como seria o contexto social? Por estas respostas é que podemos afirmar que a igreja tem valores que protegem a sociedade; 
- Deus em sua infinita sabedoria nos ensina como viver em sociedade de forma justa e em paz (Ex 20). Mais tarde, no N.T, o Senhor Jesus revela o quanto são injustas as ações dos homens sem Deus, e nos revela o modelo de justiça no Reino de Deus (Mt 5-7) Sermão do monte
- Nessas passagens bíblicas vemos que uma sociedade só é justa e igualitária quando está em total comunhão com Deus; 
- Deve ser ressaltado a importância dos valores e princípios cristãos na família, uma vez que muitas, apesar de serem cristãs, já os perderam, outras estão quase perdendo e outras não os valorizam; 
- São esses valores e princípios que impedem a degradação moral da sociedade, tais valores proclamam que o nosso Deus é Santo e Perfeito.  

III. A IGREJA E A ASSISTÊNCIA À SOCIEDADE




















Chegamos ao terceiro e ultimo objetivo proposto que é CONSCIENTIZAR-SE de que a evangelização e a atuação da igreja podem restaurar a sociedade.   
- A Igreja assiste à sociedade através de três "vias" principais, quais sejam: Evangelismo, ação social e restaurando e sustentando os valores sociais. 

1. A evangelização.   
- O evangelismo é a arma mais poderosa que a Igreja possui, pois este diminui o trabalho da Igreja com assistência social - como assim? vc pergunta. 
- O evangelho regenera o homem, restaura os sonhos, a esperança, renova o ânimo, traz paz, alegria, vontade de viver, vontade de construir um lar, uma família e etc.., quando o homem se converte a Cristo passa a receber as promessas prometidas pelo Senhor "Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estiver, ali estará, também, o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará". Jo 12.26 e logo passa a ter uma melhor perspectiva de vida. 
- Contudo, a Igreja pode minimizar o sofrimento daqueles que ainda não foram alcançados pelo Evangelho e aos irmãos que estão necessitando de um auxilio (1 Jo 3.18; Tg 2.14-18); 
- Faça um desafio a seus alunos - peça que eles tragam 1K de alimento não perecivo para assistência social de sua igreja. Coloque em pratica a lição.   
- Evangelize, não perca tempo, ajude um miserável deixar de ser miserável, através do Evangelho de Cristo, contribua para o desenvolvimento social onde você convive! 

2. A ação social. 
- Ação social da Igreja nada mais é, do que ajudar, auxiliar o nosso semelhante (próximo), como a nós mesmos (Mt 22.39; Mt 28.19,20; Tg 1.26,27);  
Praticando ações como: 

- Ação global em bairros carentes (Tirar segunda via de documentos, casamentos coletivos, medição de pressão, cabeleireiros e etc..)
- Campanha do agasalho, os membros recolhem agasalhos de casa em casa; 
Alfabetização de adultos; 
- Exames preventivos; 
- Socorro às vítimas de tragédias e catástrofes. 

3. Restaurando a sociedade. 
É patente aos nossos olhos, o quanto a sociedade está moral e espiritualmente destruída, tal destruição está presente em todas as camadas sociais, isso se dar em virtude de fatores como: Drogas, prostituição, consumismo (fomenta os assaltos), alcoolismo entre outros. 
- A Igreja deve lutar contra estas coisas de duas formas: Espiritual (evangelizando e orando) e Social (denunciando, exercendo seu papel social);
- Através da Palavra a igreja condena e repreende a prática do pecado nos indivíduos - Através da denuncia anonima a igreja ajuda o combate às redes de pedofilia, prostituição, aborto, tráfico de drogas e etc... denunciar não é pecado... 
- Quando nos calamos diante dos crimes, quando temos a chance de ajudar combatê-los, contribuímos para o sofrimento de um pai, mãe, esposo, esposa, filhos e etc... 
- Não nos conformemos com o sistema mundano - Rm 12.2, 1 Tm 3.15. 

CONCLUSÃO
A Igreja é agente transformador da sociedade quando: 1.Segue o exemplo de Cristo; 2.Ora; 3.Aconselha; 4.Sustenta os valores cristãos; 5.Evangeliza; 6.Pratica assistência social e 7. Quando restaura os princípios e valores sociais. 
Praticando os elementos supra, estaremos oferecendo "o Evangelho todo para o homem todo", cumprindo assim o Ide, que nos ordenou o nosso Mestre Jesus

Verifique seu aprendizado aqui


Bibliografia
DAMIÃO, Valdemir. A Igreja no Século XXI. 1ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005. p. 65.
- Bíblia de Estudo - SHEDD. 

domingo, 7 de agosto de 2011

A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO

A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO - LIÇÃO 7

TEXTO ÁUREO
"Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros" Jo 13.14.

Jesus explica o simbolismo do seu ato. Os discípulos o chamam de Mestre e Senhor. Contudo, praticou uma das tarefas mais servis do século I, era um trabalho exclusivo dos escravos gentil, das mulheres e das crianças - era uma tarefa desprezível. O ato de Cristo no contexto do judaísmo do século I era verdadeiramente chocante - um exemplo completamente surpreendente de humildade que deve ter causado uma impressão profunda e duradoura em seus seguidores. Foi uma maneira poderosa do Senhor Jesus mostrar um "exemplo" (13-15) da atitude que os discípulos deveriam desenvolver para liderar eficazmente o povo de Deus. 

VERDADE PRÁTICA
A vida cristã só faz sentido neste mundo quando servimos a Deus e ao próximo em perfeito amor.

LEITURA DIÁRIA
"Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também" Jo 13.15.

Durante a reforma, alguns assumiram literalmente este versículo,   e acrescentaram o "lava-pés" aos sacramentos que observavam. Contudo, esta ação de Jesus, é simbólica, pois comunica a responsabilidade que devemos ter uns com os outros, além de ser um ato de humildade absoluta (Lc 22.27) é um ato de amor ao próximo. Esta atitude nos ensina que devemos tirar de nosso coração toda altives e orgulho - todos os dias, pois sempre tem alguém precisando de nós ou sempre precisamos de alguém, assim, o amor e o serviço ao próximo é um mandamento que deve ser praticado por todos os discípulos de Cristo.     

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
João 13.12-17; Atos 2.42-47. 
At 2.42-47
Uma Igreja exemplar. 1) Formada com crentes batizados, unidos com padrões definidos de doutrina, comunhão, amor e serviço. 2) Rege-se segundo a autoridade dos apóstolos; seu ensino deriva-se de Cristo, sendo preservado em todo N.T. 3) O centro da comunhão se manifesta no Ágape (festa ou refeição de amor incluindo a Santa Ceia, 42,46), comunidade de bens (44,45) e socorro dos necessitados. 4) Louvor e alegria no Senhor (47). 5) Freqüência no culto (46). 6) Crescimento e excelente reputação (41,47).    

Objetivos: 
Identificar as características do servo de Cristo. 
Compreender que o serviço cristão engloba a relação com Deus e o próximo. 
Explicar qual é a Missão da Igreja no mundo


APRESENTAÇÃO
Considerando que esta lição está com excelente qualidade de conteúdo, não há necessidade de se agregar subsídios exaustivos, pois, se explorarmos bem a matéria é suficiente para ter ótimos resultados em sala de aula. Sempre procurando responder ao tema principal de cada ponto e sub ponto. 

INTRODUÇÃO
É com amor altruísta (amor ao próximo sem egoísmo) e desinteressado (sem querer nada em troca). Isso equivale ao amor verdadeiro, não fingido (Rm 12.9), é com esse amor que devemos servir a Cristo e ao próximo.
No Reino de Deus o serviço só tem valor (espiritual, de adoração a Deus) quando feito com o amor de Cristo (ágape), este amor deve está presente na vida de todo aquele que professa ser uma nova criatura em Cristo. 
Libertos da servidão do pecado. Quem é nascido de novo tem vários motivos para servir a Deus e ao próximo com amor verdadeiro, pois saiu das trevas para a luz (Ef 5.8). 
Tratemos o próximo com amor verdadeiro, independente como seremos tratados, quem ama cumpre a Lei de Cristo (Gl 5.14).       

I. AS CARACTERÍSTICAS DO SERVO DE CRISTO
Característica. s.f. Que caracteriza, qualidade, o que distingue, traço.   


Logo. Estudaremos nesse primeiro momento, sobre as qualidades que identificam um servo de Cristo. 


Neste primeiro ponto da lição, encontramos o primeiro objetivo proposto que é IDENTIFICAR as características do servo de Cristo. Passaremos a meditar sobre três elementos intimamente ligados aos servos de Crsito. 

1. Amor. - "Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor" 1Jo 4.8.
A primeira qualidade apresentada é o amor, como uma força motriz, pois sem o amor gerado pelo Espírito Santo (ágape) jamais temos a capacidade de desempenhar algum trabalho na obra de Deus e ao próximo (2 Tm 2.10). Portanto todo trabalho desempenhado no Reino de Deus deve ser iniciado com amor e por amor. 
- Qualidades de quem ama a Cristo. 1) Tem disposição em servir a Deus e ao próximo; 2) é diligente (zeloso, ativo); 3) é abnegado (renuncia seus interesses).  
- A filosofia de vida de quem é movido pelo o amor (ágape), é apoiar e ajudar ao próximo sem esperar nada em troca, é a prática do amor não fingido (Rm 12.9). 
- O servo de Deus movido pela "força motriz" chamada (amor), não vê obstáculos, não escolhe onde quer trabalhar, não é resistente aos projetos ousados da igreja local, é motivado, tem ânimo contagiante, tem viva esperança, está sempre pronto para desempenhar a missão como combatente fiel (2 Co 12.10), pois sabe que o amor aquecido em seu coração transporá qualquer obstáculo (1 Jo 4.18). 

2. Compromisso.
Compromisso. Obrigação ou promessa; dívida que deve ser paga em determinado dia (indefinido). Logo,  ter compromisso com o serviço de Cristo, é ter a consciência de que sempre devemos está dispostos em fazer a sua obra, ainda que isso nos leve a passar por perigos, perseguições, angustias  ou até mesmo a morte (Rm 8.35; 2 Co 12.10), compromisso tem a conotação de uma dívida eterna.  
É o segundo elemento característico do serviço de Cristo. 
- Ter compromisso com o serviço de Cristo, é um ato de reconhecer sua morte vicária na cruz do Calvário, sabendo que jamais poderíamos quitar a dívida que havia contra nós (Cl 2.14).  
- Portanto, ser compromissado com o serviço de Cristo é um privilégio, é o nosso culto racional (Rm 12.1). 
- A diferença entre o compromissado e o não compromissado (Ml 3.18): 
QUEM TEM COMPROMISSO 
- Busca a excelência - Lc 9.62;
- Dar o seu melhor - Ef 6.5-9;
- É zeloso e cuidadoso - Gr 48.10;
- Está preocupado com o resultado - Jo 15.16; 
- É comprometido com o seu Senhor - Fp 3.13.
- Vê a vitória, em meio as adversidades - Nm 13.30.  


QUEM NÃO TEM COMPROMISSO
- Faz os trabalhos de qualquer maneira; 
- Doa sempre o que não se aproveita; 
- Dar sempre o resto do seu tempo para a obra de Deus; 
- Está sempre esperando que alguém tome a iniciativa; 
- Não busca resultados; 
- É pessimista - Nm 13.31-33. 
-Só vê obstáculos Nm 13. 27-29 - não vê a fertilidade da terra - Nm 13.30.  


3. Humildade. 
- É o terceiro elemento característico do serviço de Cristo. 
- Motivos pelos quais o servo de Deus não deve vangloriar-se do que realiza na obra de Deus: 
- Toda capacidade vem de Deus - 2 Co 3.5; 
- Não podemos fazer nada sem Ele - Jo 15.5;
- Todo sucesso procede dEle - Fp 2.13; 
Devemos reconhecer que "Porque dEle, e por Ele, e para Ele, são todas as coisas; glória, pois, a Ele, eternamente. Ámem" Rm 11.36. Quando isso se torna real na vida do cristão fechas as portas para o orgulho, a vaidade, o egoísmo, a hipocrisia, o materialismo e a ganancia por status (Pv 4.23; Mt 15.19). Não podemos nos esquecer de João 3.30 "... que Ele cresça e eu diminua..."    

- Manter o caráter integro deve ser o alvo do cristão, o cristão deve moldar o seu caráter em Cristo Jesus (Ef 4.13). 


II. O SERVIÇO CRISTÃO
Neste ponto encontramos o segundo objetivo proposto que é COMPREENDER que o serviço cristão engloba a relação com Deus e o próximo. Veremos que o serviço cristão é diferenciado dos demais em virtude de está intimamente ligado ao homem e para o homem, pois todo serviço na obra de Deus visa a alma no contexto de suas necessidades culminando no estágio final que é a salvação. 


Veremos que o serviço cristão foi ordenado por Deus, tendo em si mesmo uma intima relação com Deus e com o próximo.  


1. Ordenado pelo Senhor. 
- A primeira coisa a ser feito neste ponto é destacar algumas passagens onde o Senhor nos ordena a fazer sua obra, sendo Ele mesmo o exemplo maior (Mt 20.28). 
- Jesus é o exemplo maior na obra do Pai - Jo 5.17, Mt 20.28; 
- O Senhor nos chamou para darmos frutos - Jo 15.16;
- O Senhor nos ordena a fazer sua obra - Mc 16.15; 
- O Senhor nos ensina que devemos crescer na sua obra - Mt 25.14-30; 
- Nesse trabalho, nos orienta Paulo, a sermos, firmes, constantes e abundantes... (1 Co 15.58). 
O que não podemos esquecer é que apesar de o serviço cristão ser fácil de realizar, em virtude de sua gama se funções, ainda há poucos ceifeiros (Mc 9.37). 
- Sabemos que o nosso trabalho não é vão - 1 Co 15.58. 
- Seremos honrados pelo Pai - Jo 12.26, (honrados por Deus e não por homens, mas como somos honrados? quando vemos vidas transformadas, pessoas sendo curadas, quando vimos que as madrugadas em claro deu resultado, quando vemos a provisão e o milagre de Deus), não desanime Deus vai te surpreender, pois Ele não nos deixa confundidos Rm 10.11. 

2. Em relação a Deus. 
- Este é o grande diferencial do serviço cristão, pois todo serviço prestado na obra de Deus, quando feito de coração visando o Reino de Deus, é sem dúvida alguma uma adoração a Deus. 
- Para os cristãos a palavra culto vai além de um momento ritual, cerimonial, abrange o ato de servir com amor a e para Deus. 
- Em relação a Deus, o serviço cristão é adoração e culto racional. 

3. Em relação ao próximo. 
- O serviço cristão em relação ao próximo nos foi ensinado primeiramente pelo nosso Mestre (Mt 14.19; 15.34); 
- Em seguindo os ensinamentos de Cristo (Mc 12.31) a Igreja Primitiva vai desenvolver este trabalho de uma forma sistemática, tendo um cuidado especial pelos necessitados - At 2.42-47, instituindo uma "agencia" de arrecadação de recursos - At 4.35; e  Instituindo pessoas para administrarem os recursos a serem distribuídos aos necessitados - At 2.42-47; 4.32-35. 
- Face o exposto acima, vemos a nossa responsabilidade como representantes de Jesus Cristo, pois devemos pregar a Palavra para alimentar a alma, mas algo que atenda às necessidades básicas do ser humano (Mt 25.35). 
- Lembre-se "Aquele, pois, que sabe fazer o bem, e o não faz, comete pecado". Tg 4.17

III. A MISSÃO DA IGREJA NESTE MUNDO
Agora chegamos ao ultimo ponto e ao terceiro objetivo proposto que é EXPLICAR qual é a Missão da Igreja no mundo. 

1. Proclamar a Palavra de Deus. 
Este é a primeira missão da Igreja, proclamar o Evangelho de Cristo, anunciar o Reino de Deus aos homens (Lc 10.1-12). O Evangelho trás consigo, a cura, libertação, vida, esperança, sonhos, esperança, paz, luz [....] e Salvação. 
- A Igreja atual é beneficiada com a gama de meios de comunicação os quais devem ser usados na integra. 
- Lembre-se, não podemos perder tempo, lembre-se cada momento que passamos, ociosos navegando na internet - poderia está sendo usado para edificação ou para evangelismo.  

2. Viver em comunhão.
A segunda missão da Igreja de Cristo é vivem em comunhão entre os irmãos, este é um assunto aparentemente simples, contudo, é muito vasto. Sabemos que Cristo vai arrebatar sua Igreja (povo santo), mas, é sabido que nos ultimos tempos a igreja (instituição) tem vivido como partidos políticos, pois cada qual tem o seu líder, são pastores mudando e se desligando de convenções a todo momento, são convenções querendo monopolizar os recursos de seus campos. Meus nobres irmão isso é qualquer coisa, menos a comunhão nos legada pela Igreja Primitiva. 
- Mas não podemos olhar para as igreja (instituições), pois devemos fazer parte da igreja que nos interessa, é que Cristo vem buscar (povo santo). 
- Face a este contexto de materialidade e status social, o amor a obra de Deus e ao próximo vai se esfriando a cada dia. 
- O amor e a comunhão são os marcos do Evangelho, que demarcam nossa relação com o Senhor Jesus Cristo. 

3. Servir a Deus e ao próximo. 
A terceira missão da Igreja é servir ao próximo, pois é impossível amar ao próximo e não servi-lo (Mt 22.39).
- Como salvos em Cristo, devemos viver como salvos, obedecendo a Palavra de Deus, ela nos ensina que temos compromisso não apenas de pregar o Evangelho - mas também de servir ao próximo - (Mc 10.43; 2 Co 8.13,14; Hb 6.10).
- A diakonia, para com o necessitado é uma expressão de e espiritualidade, pois manifesta o amor de Deus (ágape). - 1 Jo. 3.16.
- Não podemos esquecer que a fé sem as obras é morta, se pregamos que Cristo é o nosso Senhor, devemos ouvir e obedecer a sua voz, pois somos ovelhas suas, e Ele nos ensina que o segundo maior mandamento é " ... Amaras  o teu próximo como a ti mesmo" Mt 22.39. 
- Se amamos o próximo estaremos em conformidade com a Palavra de Deus; Caso contrário, não passamos de sepulcros caiados com bela aparência exterior, por dentro, podres e sem vida - Mt 23.27. 
- Mas que pratica o amor ao próximo Deus o recompensará - Mt 6.4. 

CONCLUSÃO
Aprendemos que a pregação da Palavra de Deus, a comunhão e a prática do serviço formam o tripé da Missão Integral da Igreja. 
Assim devemos pregar o Evangelho e amenizar o sofrimento dos menos favorecidos, quando o cristão se coloca à disposição da obra de Cristo, Deus o recompensará em tudo.   


Deus te abençoe e tenha uma boa aula. 


Bibliografia
Bíblia de Estudo - SHEDD

Verifique seu aprendizado aqui

terça-feira, 2 de agosto de 2011

A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO

A EFICÁCIA DO TESTEMUNHO CRISTÃO - Lição 6

TEXTO ÁUREO
"[...] e ser-me-eis testemunhas tanto em jerusalém como em toda Judeia e Samaria e até aos confins da terra". At 1.8
Nótula Homilética. 1.8 Evangelização e o Espírito Santo: 1) Sem o Espírito não há poder milagroso (dunamis); 2) Sem poder não há testemunho eficaz; 3) Sem testemunho não há avanço até aos confins da terra; 4) Sem tal avanço Cristo não voltará para estabelecer Seu reino. A expansão da Igreja em Atos acompanha a predição de Cristo. Jerusalém é evangelizada, 1. 12-7.60. Judeia e Samaria são atingidas, 8.1-40. O evangelho avança sem parar em terras gentias até Roma, 9.1-28.31, chegando até nós, mas a missão ainda não está cumprida, continuemos pois a ser testemunhas vivas do nosso Mestre Jesus Cristo.  

VERDADE PRÁTICA
Não fomos chamados apenas para usufruir dos benefício da salvação, mas também para testemunhar do Salvador a um mundo que jaz no maligno.

LEITURA DIÁRIA
Cl 4.5,6. "Andai com sabedoria para com os que estão de fora, remindo o tempo. A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um."
Temperada com sal. Como a comida é temperada com sal, a vida do crente deve ser agradável e atraente, não insípida ou morosa, especialmente com os descrentes. No vocabulário de um cristão não deve existir palavras vulgares ou torpes (Cl 3.8).

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Mateus 5.13-16; Romanos 12. 1,2
Esta leitura Bíblica em classe tem uma argumentação muito profunda e muito atual, ela tem o poder de nos fazer encontrar com a nossa omissão em relação a divulgação do Reino de Deus. Destacarei em especial o verso seguinte:

Mt 5.15. "Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa". Este versículo nos chama a atenção mais uma vez sobre a eficácia do poder de Cristo em nossas vidas, é impossível está cheio do poder de Deus e não ser luz onde estivermos. Ser luz é iluminar o caminho, a mente, ser luz é mostrar esperança, mostrar que há um caminho certo e seguro a seguir, ser luz é fazer a diferença, ser desejável pela maioria, ser luz é mostrar a este mundo tenebroso que estamos seguindo a nossa caminhada em Cristo Jesus, ser luz nada mais é do que refletir a pessoa de Cristo em nós, pois só Ele é a luz dos homens. Ele é a Luz que você precisa. 
 "Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas" Jo 8.12; 12.46.

Objetivos
Saber que o cristão é o "sal" da terra.
Compreender que o cristão é como luz no mundo.
Conscientizar-se da importância do testemunho cristão. 

INTRODUÇÃO 
Nesta aula somos brindados mais uma vez pelo O Espírito Santo, pois nos lembra que somos pessoas diferentes, especiais e de boas obras (Tt 2.14). Iremos aprender ou reforçar o entendimento sobre a eficácia do testemunho cristão. Contudo, aquele só será eficaz se o cristão andar em conformidade com a Palavra de Deus, sendo de fato "sal" da terra e "luz" do mundo, ou seja, fazendo a diferença onde convive.
I. O CRISTÃO COMO SAL DA TERRA
O sal era tão valioso na época do Novo Testamento que os soldados romanos frequentemente recebiam os seus salários em sal. Ele era usado como condimento, como conservante, como fertilizante e até mesmo como remédio. Falaremos apenas de duas delas: preservar e temperar.  

1. A função de preservar. Mt 5.13
Jesus usou a metáfora do sal para transmitir a influencia e responsabilidade do cristão neste mundo, uma vez que o sal preserva e dar sabor.

Vejamos.
"Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há-de salgar? para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens" 
 Vós sois sal. Observe que Cristo afirmou que o cristão É sal. Isso significa que todas as funções e qualidades encontradas no sal em condições de uso, devem ser encontradas em um verdadeiro cristão no sentido figurado, pois trata-se de uma metáfora.

Como funciona a ação preservadora do cristão no mundo? Os cristãos somos enviados por nosso Senhor (Jo 17.18) à humanidade caída para dar testemunho de Cristo e do seu Reino (Mt 24.14; Rm 10.18; Cl 1.6,23) e para servir suas necessidades. Fazendo esta obra sem se contaminar com o materialismo do mundo (Mt 6.19-24,32) e por sua falta de interesse por Deus e pela eternidade (Lc 12.13-21). Apesar de vivermos no meio de uma humanidade tão avançada tecnologicamente - ela é extremamente ignorante no quesito Deus, é desse principio que o cristão deve partir, pois, uma sociedade que não deseja Deus está morta espiritualmente, acarretando com isso infinidades de pecados, sendo necessário haver algo para deter tamanha maldade, a única arma capaz de preservar a família e a sociedade é o caráter de Cristo formado no cristão. Contudo, é necessário que este permita que Cristo seja visto em sua vida, se pensarmos na Pessoa do Senhor Jesus vivendo em nós como Paulo afirmou (Gl 2.20), estaremos preservando os valores morais - pensando, falando e agindo com sabedoria (Cl 4.6; Fp 4.8).

Outra perspectiva que abordaria é; Se o cristão deve ser sal para preservar os bons princípios no mundo, ele deve buscar lugares de influencia e governo na sociedade com o objetivo único de preservar os princípios doutrinários da Palavra de Deus e os valores da igreja de Cristo.
 
2. A função de temperar.
Outro atributo próprio do sal é "temperar" realçar o sabor dos alimentos de forma proporcional, equilibrada.
Esse atributo do sal é visto no cristão no sentido figurado, uma vez que uma das qualidades do fruto do Espírito é "temperança" Gl 5.22. Assim, essa qualidade do sal está muito ligada ao testemunho do cristão, isso envolve sua vida moral, profissional, conjugal, ética, familiar e ministerial. É nesse atributo do sal, que o cristão deve vigiar.

Comparação:
O sal deve ser usado com moderação - O cristão deve ser moderado em tudo que faz (Gl 5.22);
O sal não pode ser insípido - O cristão não pode perder as suas qualidades essenciais (Gl 5.22) ou ser apático, indiferente, omisso ou covarde em defender o Evangelho de Cristo (2 Tm 1.7);
O sal insipido... pisado pelos homens - O cristão que não tem bom testemunho, destrói a si mesmo e traz escândalo à igreja de Cristo (1 Co 10.32); 

O cristão deve colocar em prática diariamente seus dotes cristãos, suas qualidades, sua capacidade de aconselhar, ajudar o pecador e até mesmo o irmão em Cristo. Partindo do principio que somos templo e morada do Espírito Santo (1 Co 3.16) e que a A Palavra de Deus está perto de nós, em nossa boca e em nosso coração (Dt 30,14), temos a plena convicção que somos capazes de fazer a diferença onde estivermos, independente da classe social onde estamos inseridos, sabendo que se vivermos de forma equilibrada e reta diante de Deus, os homens glorificarão a Deus por nossas boas obras.
3. Preservando e temperando o mundo.
Vivemos em uma sociedade deteriorada pelo pecado, onde a verdade de Deus é trocada pela mentira (Rm 1.25), alem disso a inversão de valores caminha em ritmo acelerado em todas as camadas sociais e culturais. Em face desse contexto mundano é necessário que o cristão faça a diferença, é necessário sermos apologetas da verdade, defender a fé em Cristo; caso contrário seremos uma massa inútil, servindo apenas para ser pisado pelos homens.

Características de um cristão autêntico:
- Entregar a autoridade dos seus pensamentos ao Senhor Jesus Cristo;
- Analisa os seus planos à luz da Palavra de Deus (Fp 4.8);
- Viver/busca o fruto do Espírito (Gl 5.22; Ef 5.9);
- Está armado com as armaduras de Deus (Ef 6.16);
- Não agrada a dois senhores (Lc 16.13);
- Ser imparcial no trato com o próximo (Jó 34.19);
- Tudo o que desempenhar, o faz como se fosse para o Senhor (Ef 6.5);
- Pratica a justiça (Mq 6.8);
- Abstêm-se dos prazeres sensuais (1 Pe 2.11) e etc.

Fazendo assim o cristão com certeza terá sua conduta ilibada em qualquer lugar, lembramos que a santidade consiste em uma constante busca (Lc 9.23) para sermos mais parecidos com o nosso Mestre Jesus (Ef 4.13). Logicamente temos as nossas limitações - não devemos nos conformar com elas e muito menos nos martirizarmos, pois o sangue de Jesus nos purifica de todo pecado, e o nosso opositor já está julgado (Zc 3.1) - Deus tem vestes novas para você.   

Outro tema importante é que o cristão não deve ser pedra de tropeço pra ninguém, pois não raras vezes vemos pessoas afastadas do caminho do Senhor em decorrência de uma palavra mal falada por um obreiro, um líder de algum departamento na igreja e etc., cada caso deve ser tratado em particular. Sabemos que muitos querem apenas uma desculpa para abraçar o mundo, outros foram entristecidos de fato.
Se você sabe de alguém assim... socorra esta pessoa ela é muito especial.
II. O CRISTÃO COMO LUZ DO MUNDO
Cristo afirma que o cristão é a luz do mundo. Isso significa que as propriedades encontradas na luz sejam encontradas também na vida do cristão de forma (figuradamente).  

1. A luz.
Da mesma forma que o sal faz a diferença na alimentação, a luz também é fundamental em um ambiente.
Quando Cristo afirma que somos luz do mundo, transmite uma mensagem impactante às pessoas não convertidas e aos cristãos, pois, fala do novo nascimento (Ef 5.8), se Ele é a Luz que o mundo esperava e desejava (Jo 1.4), logo, para uma pessoa ser luz do mundo é indispensável que ela creia na luz e se torne filho da luz (Jo 12.36), a partir desse momento o novo convertido passa a ser luz do mundo manifestando os frutos da luz (bondade, justiça e verdade) Ef 5.9 e permanecendo na Luz (1 Jo 1.7). Essas características pertencem exclusivamente ao novo homem. Considerando que o mundo jaz no maligno (1 Jo 5.19), com essas características os cristãos iluminam o mundo em que vivem, levando muitos ao encontro dessa maravilhosa Luz. 

Símbolos da luz: 
- Clareza; 
- Transparência; 
- Conhecimento;
- Direção e revelação divina. 

"Lembre-se, as trevas não existem - o que existe é ausência de Luz - onde há luz não há trevas"

2. O "Pai das luzes". 
DEUS é o Pai das Luzes, seja ela natural (Gn 1.3), sobrenatural (Mt 17.2, At 9.3) ou espiritual (Sl 27.1; 2 Co 4.4...).
A Luz (Cristo) veio do Céu, do Pai das Luzes para iluminar a todo homem (Jo 1.9) e a todos o quanto O aceitarem deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus (Jo 1.12), a estes deu-lhes o poder de serem luz do mundo (Mt 5.14).

3. A manifestação da luz pelas boas obras.
A manifestação da luz na vida do cristão foi descrita em Ef 5.8-11, de forma objetiva.
" Porque, noutro tempo, éreis trevas, mas, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz, (Porque o fruto da luz consiste em toda bondade, e justiça e verdade); provando sempre o que é agradável ao Senhor. E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas, antes, condenai-as; Porque o que eles fazem em oculto, até dizê-lo é torpe. Mas todas estas coisas se manifestam, sendo condenadas, pela luz, porque a luz tudo manifesta". 

A argumentação teológica utilizada por Paulo, é muito profunda, ele nos esclarece o que significa ser luz do mundo, entendemos que: Nascemos de novo para andar em novidade de vida. Logo, nos é requerido que todo nosso modo de viver seja analisado pela luz, pois se houver trevas será revelado pela luz. Aleluia.


 III. O TESTEMUNHO DO CRENTE
Veremos agora o testemunho do crente em três perspectivas. 

1. No campo missionário. 
Campo missionário? eu não tenho chamada.... nunca recebi profecia sobre o assunto... Nunca pensei nisso....Esses poderiam ser os primeiros questionamentos se falássemos que iriamos a um campo missionário. Mas como bem colocou o comentarista, o campo missionário pode ser em qualquer lugar, somos todos missionários, todos temos a incumbência de difundir o Reino de Deus, a toda criatura. Mas, esta tarefa exige de nós oração, jejum e uma vida de intimidade com Deus, através desses recursos o cristão adquire mais agressividade espiritual, torna-se mais intrépido e ousado no mundo sobrenatural, assim a obra terá eficácia.

Devemos iniciar esse trabalho a partir do nosso lar, sabendo que teremos resultados positivos, pois fiel é o que fez a promessa.

Não podemos esquecer que:
Fomos chamados a influenciar o mundo; Não o oposto; (discussão em sala - isso está acontecendo?); 
Fomos chamados a transformar o mundo; Não o oposto; (discussão em sala - isso está acontecendo?); 
Fomos chamados para dar continuidade ao Evangelho do Reino de Deus;
Este Evangelho é poder de Deus. (será que todos creem?).
2. Em sua comunidade.
Comentário dos parágrafos:
- Ser sal e luz na sociedade, implica em disposição, ousadia, ânimo para evangelizar sempre que for possível, sem perca de tempo (2 Tm 4.2);
- Devemos solicitar de Deus mais amor pelas almas, pois são muitos os que perecem em nossa sociedade em virtude de vícios, entre eles muitos que já foram do nosso meio, mas enquanto há vida há esperança, faça uma visita, entregue um folheto, dê um sorriso amigo, de um alimento, diga uma frase bíblica, não esqueça que [...] Tg 5.20.
- Só o Senhor Jesus pode resgatar o homem do seu estado espiritual, moral e social deplorável, mas para que isso aconteça, uma das coisas é evangelizar (Rm 10.14).
- Não podemos cruzar os braços diante dessa situação, nós como igreja de Cristo devemos atentar para os ensinamentos e ordens do nosso Mestre (Mc 16.15), é oportuno lembrarmos dos pioneiros Daniel Berg e Gunnar Vingren, homens que evangelizavam com ousadia e determinação.  Lembre-se que [...] Tg 4.17.
3. Na igreja local.
- A manifestação da luz de Cristo em nossas vidas tem a finalidade de Glorificar o Pai Celestial (Mt 5.16);
- Isso nos alegra e ao mesmo tempo nos assusta, pois nos leva a refletir profundamente... estou refletindo a luz de Cristo ou escandalizando o nome de Deus? infelizmente são muitos que tem apenas o nome de cristão, porem, não tem as obras, não trazem consigo as marcas de Cristo (Gl 6.17). Não podemos fechar os olhos pra essa verdade.
- As nossas práticas devem corresponder com a mensagem que pregamos, caso contrário seremos desacreditados moralmente e a igreja local que representamos será difamada.
Contudo, se fazemos conforme nos ensina a Palavra colheremos o resultados em curto prazo.


"Desde agora, ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus." Gl 6.17.

CONCLUSÃO
O sal preserva, dá sabor e equilíbrio aos alimentos, metaforicamente somos o sal, que preserva o bom caráter e a família, dá sabor no meio em que vivemos e equilibramos o ambiente através do nosso caráter e bom testemunho. Ainda somos a luz que ilumina o caminho dos perdido à Cristo, iluminamos as mentes através do conhecimento da Palavra. Não podemos perder tempo, para nós "o tempo não é dinheiro"... pode ser salvação de almas.   

Verifique seus conhecimentos aqui


Fontes
Bíblia de Estudo - SHEDD;
Bíblia de Estudo - Genebra;
Minidicionário - Soares Amora, Ed. Saraiva, 19ª Edição.
Pequena Enciclopédia Bíblica - Orlando Boyer, CPAD.
Revista de Lições Bíblicas - A Missão Integral da Igreja. 3º Trimestre, CPAD