Páginas

terça-feira, 17 de maio de 2011

O GENUÍNO CULTO PENTECOSTAL

O GENUÍNO CULTO PENTECOSTAL – Lição 8
TEXTO ÁUREO
"A cerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes" (I Co 12.1)

INTRODUÇÃO
- Apresentar os elementos do culto pentecostal;
- Apontar os perigos e os prejuízos quando adotamos “modismos litúrgicos”;
- Conscientizar-nos que como Igreja de Cristo – devemos oferecer uma adoração sem mistura.
- Adorar e cultuar ao Senhor requer reverência, rendição e amor (Jo 4.23,24).

I.    ADORAÇÃO E CULTO
1.    O verdadeiro significado do culto.

- Culto. Tributação voluntária de louvores e honra ao Criador. Cultuar a Deus é adorá-Lo, exaltá-Lo, reverenciá-Lo.

- Infelizmente, muitos vão ao culto. Aqui houve um vício de linguagem, uma vez que não vamos ao culto; Vamos ao templo onde prestamos culto a Deus.

- Infelizmente há muitos que não reverenciam o templo como um lugar sagrado, não tem postura ao entrar (Ec 5.1), não discernindo o seu real objetivo que é o culto a Deus, entram no templo com intenções paralelas tais como: encontro social; saber quem vai ser excluído, observar a indumentária do irmão ou irmã; atualizar os assuntos seculares e etc.

“Com essas intenções é impossível prestar culto a Deus e muito menos sentir a Sua presença”.

- O culto não é: Momento de negociar com Deus; de determinar ou reivindicar seus direitos e decretar posses.

- O culto é: Momento de intimidade com o Sagrado; Momento de buscar experimentar e conhecer a Deus, aproveitando cada instante.

- O culto só é verdadeiro se haver reconhecimento incondicional com todo nosso ser ( corpo, alma e espírito) da pessoa de Deus, por tudo que Ele É, assim, o verdadeiro culto nos envolve em três esferas Rm 12.1: a) Corpo (como sacrifício vivo); b) Alma (me envolve emocionalmente e intelectualmente) e c) Espiritual (me envolve com o Sagrado – me faz sentir comunhão com Deus). O verdadeiro culto consiste em uma entrega a Deus sem reservas.  
 
2.    A essência do culto a Deus é a adoração.
Essência do culto. O que constitui a natureza/substância do culto, aquilo que não pode deixar de ter (indispensável) no culto.  

- Adoração. “Veneração” acentuando sentimento de temor e devoção.
Logo, o culto composto com seus elementos (louvor, oração), sem adoração e sentimento é apenas um ritual (Mt 15.8).

- Quando adoramos a Deus devemos: a) Nos submeter incondicionalmente à sua vontade (Mt 6.10); b) Humilharmos até ao Pó diante de sua presença (Gn 18.27).
Exemplos: A mulher pecadora (Mt 6.10); a viúva pobre (Mc 12.41-44).

- Adoração é um ato de rendição, gratidão e exaltação a Deus (Sl 95.6), devemos chegar diante dEle com temor e tremor.
    
3.    Adoração completa e incondicionada.
- Se a essência do culto é a adoração; Logo, não existe verdadeiro culto sem adoração.
- Exemplos de adoração que Deus não recebe.

No Antigo Testamento: Os judeus prestavam culto a Deus. Porém, não passava de meras ações ritualísticas, seguiam apenas a liturgia das cerimônias, mas seus corações estavam corrompidos pelo pecado, conseqüentemente, longe de Deus (Is 1.11; Mq 6.3-8).
No Novo Testamento: Os fariseus se julgavam exímios praticantes da lei, obedecendo à risca toda liturgia das festas, dos sacrifícios e ordenanças judaicas. Contudo, não eram adoradores, faziam tudo “mecanicamente” sendo comparados a sepulcros caiados (por fora muito bonito e perfeito; por dentro, cheios de ossos e imundícias) e chamados de hipócritas (Mt 15.8; 23.23-28).

- Adoração completa e incondicionada é quando:
Existe em espírito e em verdade – (Jo 4.23,24);
Inicia na alma e se exterioriza no meu modo de vida;
É voluntária;
Há quebrantamento de coração – (Sl 51.17);  
É racional – (Rm 12.1);
É sem mistura – (Lc 16.13).

A Igreja atual: Devemos ter muito cuidado para não sermos meros religiosos, freqüentadores dos. Para crescermos na graça e no conhecimento precisamos ser verdadeiros adoradores (Jo 4.23,24).  

II.    COMPOSIÇÃO DO CULTO PENTECOSTAL

1.    Liturgia do culto pentecostal.
O culto Pentecostal difere de outros (tradicional) no tocante a liturgia. O comentarista trouxe o significado de liturgia no grego. Serviço público. Contextualizando, ao culto cristão pode ser definido como um serviço que, em espírito e em verdade, prestamos a Deus (Sl 100.2).

O significado da palavra em outros dicionários:
Liturgia. A ordem e as cerimônias estabelecidas no ritual da Igreja.  

Liturgia nada mais é do que a ordem cronológica em que se desenvolvem cada etapa do culto. 
Não podemos fazer confusão com esta palavra, uma vez que ela existe para estabelecer um plano para as reuniões e não para impedir o mover do Espírito Santo.
Apesar de termos uma liturgia em nossos cultos – somos Pentecostais. Logo, a forma de execução dos elementos litúrgicos é livre, por exemplo: o louvor tem a sua hora certa de acontecer; mas não tem a determinação de como será executado – pode ser em conjunto, individual, com choro, sem choro, em pé, assentado e etc.. A oração da mesma forma, tem a hora de acontecer, mas, não é “engessada” – pode ser em voz alta ou baixa, assentados ou em pés, por qualquer pessoa, com as mãos levantadas ou não, em fim, a liturgia Pentecostal não limita a liberdade de culto individual ou coletivo, é apenas para estabelecer uma seqüencia dos acontecimentos, e não na maneira em que se realizam. É nessa liberdade que vimos mover do Espírito Santo no meio da Igreja.

A liturgia é necessária, quem tem plano – tem objetivo – quem tem objetivo – sabe aonde quer chegar. Se não tivéssemos liturgia nos cultos seria uma tremenda bagunça. (1 Co 14.40).

Para evitar confusão entre os irmãos (1 Co 14. 29-33) da Igreja em Corinto, Paulo esboça uma liturgia para o culto:
- Salmo. Um louvor;
- Doutrina. Explicação de uma verdade já revelada;
- Revelação. Dom que revela o conhecimento de Deus ou de fato oculto relacionado a pessoas (Palavra de sabedoria e Palavra do conhecimento);
Língua. Línguas estranhas;
- Interpretação. Dom que capacita o ser humano a decodificar as línguas estranhas.
Paulo estabelece um plano ou seqüência para as atividades comuns do culto, de forma que as mesmas fossem proveitosas para promover a edificação dos membros da Igreja (1 Co 12.26).

O culto deve ser racional (Rm 12.1). Quando o culto é prestado de forma consciente, trás edificação e crescimento espiritual, nos tornando mais firmes na Palavra e na Fé em Cristo Jesus (1 Co 14.14, 15). O culto racional ilumina a mente.  


2.    Elementos do genuíno culto pentecostal
Paulo elenca alguns elementos indispensáveis em um culto cristão:
a)    Leitura da Palavra. No Antigo Testamento a leitura e o ensino da Palavra eram comuns (Js 8.34; 2 Rs 22.8; Jr 36.10; Ne 8.1-12), e a ela era dado a devida reverência tanto quando era lida e quando estava sendo produzida pelos escribas. A presença da Palavra de Deus no culto é indispensável em virtude do seu infinito efeito transformador e consolador.
Na Igreja Primitiva eram usados os manuscritos do Antigo Testamento – Lei, Salmos e Profetas, (Lc 24.44; At 1.20; 17.11), uma vez que os primeiros livros do Novo Testamento foram escritos aproximadamente entre 58 – 70 d.C. Portanto, a explanação da Palavra de Deus no ato de culto é necessária pois a mesma comunica vida espiritual aos ouvintes (Jo 6.63), instrui, consola e exorta os mesmos. Logo, um culto sem a leitura e pregação da Palavra é incompleto. Infelizmente temos visto isso acontecer em nossos cultos, dar-se muitas oportunidades para louvor e esquecem-se da ministração da Palavra.

b)    Cânticos na adoração. Uma das formas mais expressivas da adoração são através de hinos e cânticos (Ef 5.19). Quando expressos a partir do coração, nos leva a um sentimento de intima comunhão com Deus.
- Os hinos estavam presentes nos cultos da Igreja Primitiva (Cl 3.16) e nas reuniões do Senhor Jesus com os apóstolos (Mt 26.30).
- Os hinos nos prepara para recebermos a Palavra de Deus;
- Os hinos e cânticos quando entoados a partir de um coração sincero manifesta o poder de Deus (At 16.25).
- Os hinos e os cânticos tem seu exclusivo objetivo de exaltar o Senhor nosso Deus e devem estar em concordância com as Sagradas Escrituras.   
- Será que você já ouviu um hino meio “controverso” com as escrituras?.


c)  As orações e as ofertas. 
Com as orações nos comunicamos com Deus, intercedemos por outras pessoas, através da oração conquistamos os bens espirituais, é através da oração fervorosa que somos renovados espiritualmente, vencemos as batalhas espirituais, é através da oração que transpomos as adversidades da vida. A oração é elemento indispensável tanto quando a pregação da Palavra, pois, através da oração falamos com Deus; através da Palavra falamos de Deus. 
As ofertas (materiais) são elementos necessários, contudo, dispensáveis, haja vista que não temos uma oferta para entregar todos os cultos que frequentamos, mas, as ofertas e os dízimos tem o seu papel no mundo sobrenatural, quando ofertamos e dizimamos honramos a Deus com as nossas finanças e declaramos para o inimigo que o Senhor Deus é o Senhor da nossa vida financeira, com isso envergonhamos a Satanás e eliminamos de nossas vidas o espírito do materialismo e do egoísmo.   

III MODISMOS LITÚRGICOS
Para este ponto os vídeos dispensam comentários, contudo, destacarei duas palavras chaves: 
FORMA  e CONTEÚDO.
Para muitos atualmente não importa a FORMA como o evangelho é pregado e sim o CONTEÚDO, é o mesmo que falar "os meios justificam os fins". Devemos ter cuidado, até mesmo dentro da Igreja, sejamos prudentes (Mt 10.16) não vamos nos alegrando ou tomando decisão precipitada com todas as "estripulias" ou "profecias" que vimos e ouvimos, pois já fazemos parte dos acontecimentos escatológicos, estamos presenciando o que está escrito. 

"Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores, conforme as suas próprias concupiscências". 2 Tm 4.5; 

"E TAMBÉM houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá, também, falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição;
E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade;
E, por avareza, farão de vós negócio, com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita.
Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram mas, havendo-os lançado no inferno, os entregou às cadeias da escuridão, ficando reservados para o juízo"
. 2 Pe 2.4.










Teste seu aprendizado aqui.

CONCLUSÃO
Meus irmão aprendemos muito com esta aula, verifica-se nesse estudo que o Evangelho de Cristo vem sendo distorcido a cada dia, sem paixão religiosa, verifique você também se o Evangelho pregado na sua Igreja está em conformidade com a Palavra de Deus, estamos no tempo do fim, sejamos pois vigilantes, o Evangelho de Cristo é simples, objetivo e direto, não necessita de estripulias, gritarias e etc.., o mover do Espírito não trás confusão e nem constringimento a ninguém. 

Deus abençoe você e sua casa. 

Bibliografia
Bíblia de Estudo - SHEDD; 
Bíblia de Estudo - Pentecostal;
Dicionário - VINE, Ed. CPAD;
Dicionário - Soares Amora - Ed. Saraiva.  

3 comentários:

  1. Trabalhando bastante hein irmão?!
    É isso mesmo, porque o nosso trabalho não vão no Senhor.

    ResponderExcluir
  2. Digo: não é vão... Grande é o Senhor!

    ResponderExcluir
  3. É isso aí meu nobre irmão não podemos parar, o tempo do fim está mais próximo e precisamos trabalhar para o Reino de Deus. Deus abençoe a todos vocês.

    ResponderExcluir

- Deixe o seu comentário;
- Assim que puder responderei;
- Faça desse espaço um lugar de crescimento espiritual;
- Grato por sua visita;
- Deus te abençoe.