Páginas

sábado, 22 de janeiro de 2011

O PODER IRRESISTÍVEL DA COMUNHÃO NA IGREJA

Lição – 4
O PODER IRRESISTIVEL DA COMUNHÃO NA IGREJA
Objetivos
Definir o termo comunhão
Reconhecer a necessidade da verdadeira comunhão
Saber que através da unidade a obra de Deus prospera.


INTRODUÇÃO
Estamos diante de uma característica exclusiva do povo de Deus, iremos tratar da comunhão na Igreja, tenho certeza que muitos servos de Deus serão curados, pessoas serão saradas com esta revista. Tenho certeza que pessoas vão ter seu amor ao próximo renovado, fortalecido, quando descobrirem e alimentar-se desse estudo, pois é através do estudo que descobrimos as riquezas que recebemos em Cristo Jesus, e uma dessas riquezas é a comunhão, na Igreja local e na Igreja invisível, ou seja, é ter comunhão com um irmão que conheço e ter comunhão com um irmão de uma nação que não conheço, contudo, somos unidos no amor de Cristo, na pessoa do Espírito Santo, fazendo de todos, um só corpo. (Rm 12.15, 1 Co 10.17; 12)

“Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio” Ef 2.14.

A COMUNHÃO DOS SANTOS
A comunhão na Igreja de Cristo não é fenômeno social;
A comunhão é resultado da ação individual e coletiva sobre os cristãos (Ef 2.19);
A comunhão em Cristo Jesus ultrapassa os limites da cultura, etinias, posição social, valores econômicos, intelectualidade, analfabetismo e etc.
A comunhão em Cristo é ruptura com os preconceitos humanos e vai muito alem do que podemos imaginar.
A comunhão em Cristo é um bem que todo cristão deve compartilhar.

“Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado”. 1 Jo 1.7

Mas, o que é Comunhão?
“É o vinculo de unidade fraternal mantida pelo Espírito Santo e que leva os cristãos a se sentirem um só corpo em Jesus Cristo” (definição Teológica);

Definição do Minidicionário – Soares Amora
Comunhão é administrar, participar ou receber os sacramentos (Corpo e Sangue de Jesus).

Em outras palavras, comunhão é uma palavra própria do meio cristão, pois participam de um só corpo, um só batismo, um só Espírito, um só Senhor, uma só fé, um só propósito, uma só esperança, um só Deus e Pai de todos. (Ef 4.4-6).

Comunhão é caminhar junto e em união.

Comunhão é uma palavra que pode significar muito mais do que acima foi citado, pois esta comunhão é fruto do Espírito Santo, quem tem comunhão participar do Amor de Deus – Ágape.

A comunhão é o caminho para A unidade do Corpo de Cristo.
É através da comunhão que podemos falar de unidade, pois esta inexiste sem aquela. Este é de fato um grande mistério, que Paulo compreendeu e nos repassou para que experimentemos como Igreja de Cristo (Ef 4.1-7).

Somente pelo Espírito Santo podemos entender a união de várias nações, com várias culturas, com tradições humanas milenares podem se unirem com um único objetivo e se tratarem como irmãos.

Esta unidade o mundo não a conhece e nem a compreende, porque é gerada dentro dos servos de Deus pelo o Espírito Santo que habita em nós (Jo 14.17).

Mas, porque tantas culturas são mudadas, tradições quebradas, valores que outrora eram tidos como verdadeiros se tornam falsos, valores antigos que se tornam insignificantes, pontos de vistas totalmente mudados, e pessoas que outrora tinham um posicionamento mudam completamente? São transformações necessárias para que haja a unidade do Corpo de Cristo, isso acontece por que o Evangelho é ruptura severa com as tradições dos homens, leia e medite na parábola de Lc 5.36 -39, precisamos romper com as coisas que os impede de estarmos mais unidos como um só corpo em Cristo Jesus (1 Co 12.12-27).

Somos um no Calvário – Ef 2.16.

Ser participante desta união significa compartilhar da alegria e da dor do meu irmão, é caminhar junto com ele e está unido a ele; caminhar junto com alguém nem sempre significa estar unido a esse alguém. Mas, a verdadeira união compartilha dos mesmos sentimentos; não é aparente; vai além.

Esta comunhão na Igreja agrada a Deus.
Porque esta comunhão agrada a Deus?
É da vontade de Deus que seu povo permaneça unido – 1 Co 1.10;
Reflete o amor de Deus em Cristo Jesus – 2 Co 5.14;

Sabendo que esta comunhão agrada a Deus; O Senhor Jesus roga a Deus que mantenha os discípulos unidos – Jo 17.11;
A unidade é o vínculo da paz – Ef 4.3.

Uma casa divida não prospera – Lc 11.17.

A COMUNHÃO CRISTÃ CARACTERIZA-SE PELA UNIDADE

At 2.42
A comunhão cristã caracteriza-se em várias situações, vamos uma das características principais, que é a unidade, veremos pelo menos quatro situações em que esta unidade se revela, quais sejam: Na doutrina, na comunhão, no partir do pão e na oração.

Para melhor compreensão do texto, unidade quer dizer entre outras coisas: Qualidade do que é uno ou único, homogeneidade, conformidade;

União, conformidade de esforços ou de pensamentos.

Unidade doutrinária.
A doutrina dos apóstolos incluía tudo o que o Senhor Jesus ensinava (Mt 28.20), sendo o mais importante o Evangelho, o qual se fundamentava em sua vida e obra, morte e ressurreição (v.23,24; 3.15; 4.10; 1Co 15.1-4), esta doutrina da qual compartilhamos em nossos dias foi incompreensível e continua sendo incompreensível porque é inspirada por Deus e estar revestida de autoridade, autoridade esta aos apóstolos outorgada pelo próprio Senhor Jesus Cristo (2Co 13.10; 1Ts 4.2), esta doutrina ou ensinamento nos transmite a presença de Deus nos trazendo comunhão e unidade no amor de Cristo.

A unidade na Comunhão
Este aspecto da unidade na comunhão parece no primeiro momento “redundante”, mas não é, estamos falando de unidade em tudo, sabemos que os cristãos primitivos tinham tudo em comum, cresceram em números de forma miraculosa, por que eram unidos entre si em tudo.

Em At 2.41 -47, nos mostra alguns aspectos da vida que eles eram unidos, na doutrina, na comunhão, no partir do pão, nas orações, tinham tudo em comum, distribuíam os seus bens entre todos, na perseverança, na freqüência nos cultos, na sinceridade, na alegria, nas visitas, enquanto isso os sinais iam os acompanhando dia-a-dia.

Assim para se ter uma comunhão perfeita é necessária ter união em todas as áreas, que estamos envolvidos, isso significa que entre os cristãos não havia divisão ou pensamentos contrários aos ensinamentos dos apóstolos.

Será que hoje estamos tendo a igreja primitiva como nossa célula mater.?

"Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes, sejais unidos, num mesmo sentido, e num mesmo parecer." 1 Co 1.10.

Unidade no partir do pão
Os primeiros cristão tinham intensa comunhão no partir do pão, se reuniam de casa em casa com sinceridade e singeleza de coração (v.42).
Nesse contexto é que é revelado o verdadeiro significado da palavra comunhão – administração e participação nos sacramentos – no Corpo e no Sangue de Jesus. É estar unidos e em comunhão para celebrar a Ceia do Senhor, esta comunhão se manifesta no Ágape.

É no partir do pão que Cristo se revela – Lc 24.30,31.

Devemos viver de fato os bens que Cristo conquistou para nós no calvário, e resgatar o primeiro amor, simples e fervoroso.

Nas orações
A comunhão se fortalece com oração;
Os cristãos eram freqüentes e unanimes nos clamores e intercessões – At 12.5,12;
Sem oração a comunhão da Igreja fica enfraquecida;
Devemos nos ater como servos de Deus, para que possamos manter acesa a chama da oração em conjunto.

Faça uma reflexão, a partir dessa aula, como estão os nosso cultos de oração? Será que a freqüência nesses cultos é proporcional ao número de membros da nossa igreja local?

"Uma igreja sem oração não tem ousadia; uma casa divida não prospera".

OS FRUTOS DA COMUNHÃO
Após estudarmos sobre a comunhão e onde ela estar presente, falaremos agora de uma parte interessante, é sobre os resultados, sobre o que ela gera na minha vida, o ganho quando compartilho dessa comunhão, o que ela trás de novo para a minha vida após ter me entregado a Cristo, são esses aspectos que vamos ver.

O primeiro fruto é Temor a Deus.
A comunhão verdadeira trás consigo um temor individual e coletivo, mas, como era o esse temor a Deus?

O temor aqui referido está relacionado com (estado de adoração continua) que existia no coração dos crentes daquela época, era uma mistura de pavor, êxtase e perplexidade diante da presença majestosa de Deus, operando milagres, prodígios e sinais maravilhosos entre a multidão dos que iam sendo convertidos pelo Espírito Santo e acrescentados à Igreja.

Segundo fruto é Sinais e maravilhas
Cremos na atualidade dos milagres de Cristo, pois “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente”. Hb 13.8.

Contudo, para que eles aconteçam são necessárias algumas atitudes nossas, e uma delas é estarmos unidos de verdade no amor de Cristo, assim como era os primeiros cristãos.

Algo interessante é que a Bíblia não nos ensina a correr em busca desses sinais; pelo contrário, são eles quem nos seguem (Mc 16.17,20; At 2.43; 5.12; 6.8; 8.6), entre outros.

Quer ver sinais na sua vida, quer ver milagres sobrenaturais, quer ter uma vida de intima comunhão com Deus? Perdoe, libere perdão, viva em comunhão com Deus e com o seu irmão.

Se alguém diz: Eu amo a Deus, e aborrece o seu irmão, é mentiroso. Pois, quem não ama o seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” 1 Jo 4.20.

Terceiro fruto é a Assistência Social
Uma Igreja que compartilha de verdadeira comunhão é diferenciada:
Não permite que seus membros passem necessidade;
Tem visão social;
Pratica ação global nos bairros carentes nas áreas (jurídica, alimentação, roupas, saúde, impressão de documentos grátis e etc...) é ainda uma excelente oportunidade par o evangelismo.
Tem contribuição de alimentos por parte de todos os membros;
Tem uma equipe para atender os irmãos necessitados.

A igreja que tem comunhão – tem amor aos irmãos da Igreja local e aos pecadores – Gl 6.10; 1 Tm 5.8.

A assistência social quebra o materialismo e o egocentrismo.

O quarto é o Crescimento
Já diz o velho ditado “a união faz a força”, este é um dito popular, que tem muito sentido para o nosso assunto.

Comece a observar na igreja local, como estão indo os departamentos, quantas pessoas tem se entristecido e deixado os seus cargos, migraram para outras igrejas – enquanto isso a Igreja local não cresce, não deslancha, está estagnada, está sem ânimo para viver em comunhão, estamos vivendo num momento que precisamos rever os nossos conceitos, e valorizar mais as pessoas que estão do nosso lado.

O crescimento é resultado da comunhão, a comunhão, confraternização, reuniões de oração em conjunto, mantém o grupo unido, quando faltam esses elementos o individualismo invade a igreja, a tristeza também procura um lugar para se enraizar, o orgulho renasce, o materialismo aparece.

Para haver crescimento é necessário mais união, mais amor, mais comunhão – Lc 11.17.

O quinto fruto é a Adoração
A Igreja primitiva era uma comunidade que adorava a Deus coletivamente, esta adoração é resultado do amor de Deus, experimentados pelos irmãos daquela época, imagine você o que é viver em comunhão sincera coletivamente, experimentar o poder do Espírito Santo nos milagres, nos dons espirituais, nas revelações, na unção, no poder da Palavra, na autoridade sobre os demônios, em fim a igreja primitiva adorava a Deus porque foi pioneira no cumprimento da promessa, foi pioneira na propagação do Reino de Deus, a Igreja adorava a Deus porque receia o feedback do Espírito Santo.

Hoje logicamente também adoramos a Deus, mas, muitas vezes somos chamado a adorar a adorá-Lo, quando na realidade Ele que uma adoração voluntária e sincera.

CONCLUSÃO
Para concluir esta maravilhosa aula deixarei uma reflexo, Cl 3.11-17, Quando Cristo é tudo em todos: 1) As divisões desaparecem; 2) As qualidades aparecem; 3) A compreensão e o perdão tem êxito; 4) O amor une a todos; 5) A paz e a gratidão dominam os corações; 6) A vida se torna exemplar aos outros; 7) Deus é plenamente glorificado.

Somos um no Calvário – Ef 2.16

“Porque dEle, e por Ele, e para Ele, são todas as coisas; glória, pois, a Ele, eternamente. Ámem”. Rm 11.36.

Deus te abençoe ricamente.

Fontes:
Bíblia de Estudo - SHEDD, Ed. Vida Nova, 2ª Ed. 2008.
Novo Testamento - King James - Edição de Estudos
AMORA. Soares. Minidicionário da Língua Portuguesa. São Paulo. 19ª Ed. Saraiva, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Deixe o seu comentário;
- Assim que puder responderei;
- Faça desse espaço um lugar de crescimento espiritual;
- Grato por sua visita;
- Deus te abençoe.