Páginas

sábado, 15 de outubro de 2011

APRENDENDO COM AS PORTAS DE JERUSALÉM

APRENDENDO COM AS PORTAS DE JERUSALÉM

Objetivos
Conhecer o significado das portas do Gado e do Peixe.
Aprender a respeito das portas Velhas, do Vale, do Monturo, da Fonte e da Guarda.
Saber que as portas de Jerusalém trazem preciosas lições para nossa vida pessoal. 

INTRODUÇÃO




I. A PORTA DO GADO E A PORTA DO PEIXE
1. A Porta do Gado ou das Ovelhas (v.1)
2. A Porta do Peixe (Ne 3.3; 12.39).

Porta do Peixe. Heb. Sha‘ar Haddagîm. Uma porta que se situava aproximadamente a meio do muro a norte de Jerusalém (2Cr 33:14; Ne 3:3; Ne 12:39; Sf 1:10); próximo da esquina noroeste da actual Haram esh-Sherif.


II. A PORTA VELHA E A PORTA DO VALE
1. A Porta Velha (Ne 3.6; 12.39).
2. A Porta do Vale (Ne 3.13). 

III. A PORTA DO MONTURO, DA FONTE E DA GUARDA
1. A Porta do Monturo (Ne 2.13; 3.14). 

Porta do Monturo. Uma porta junto à muralha sul de Jerusalém. Foi-lhe dado este nome porque os resíduos da cidade eram transportados por ali para serem queimados no Vale de Hinom (Ne 2:13; Ne 3:13; Ne 12:31).


2. A Porta da Fonte (Ne 3.15).

Porta da Fonte. Heb. Sha‘ar Ha‘ayin. Uma das portas da antiga Jerusalém (Ne 2:14; Ne 3:15; Ne 12:37). Uma vez que se situava perto do tanque de Siloé (Ne 3:15; cf. Jo 9:7, 8), devia localizar-se na zona mais a sul da cidade de David. Tratava-se provavelmente da porta a sudeste da cidade que conduzia a Enrogel, o poço ou nascente na confluência dos Vales de Quidrom e Hinom. Alguns comentaristas identificam-na com “a porta entre os dois muros” (2Rs 25:4; Jr 39:4; Jr 52:7).



3. Porta de Mifcade ou Porta da Guarda (Ne 3.31). 

Porta de Mifcade. Heb. Miphqad, “alistamento”, ou “soma”. Uma porta da Jerusalém de Neemias (Ne 3:31). Em Ez 43:21, o termo Miphqad é traduzido por “lugar da casa para isso ordenado”, referindo-se a uma zona do templo. Os comentaristas sugeriram que a Porta de Mifcade obteve este nome por conduzir à área do templo a que Ezequiel se refere. O contexto de Ne 3:31 indica que se situava na zona norte da muralha este do templo. Situar-se-ia próximo da actual Porta Dourada de Haram esh-Sherîf.


CONCLUSÃO

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

CONHEÇA MELHOR ESDRAS E NEEMIAS

Considerando que estamos estudando neste trimestre o livro de Neemias, exporei informações úteis para a ministração das aulas e maior conhecimento do livro por parte do nobre professor.

Desconsiderando o Esboço dos livro e já partindo para Autoria, uma vez que o Esboço é encontrado nas Bíblias de Estudo, veremos pois a Autoria e outros temas.

AUTORIA
A. Título.
1. Os livros de Esdras e Neemias eram considerados um só livro nos tempos antigos, conforme registro do Talmud, de Josefo e de Jerônimo. Este fato facilitou o número de livros canônicos para o número de letras do alfabeto hebraico.
2. A Septuaginta também considerava um livro único, isto é, "Esdras B", que seguia o livro apócrifo "Esdras A", o qual produzia 2 Crônicas 35 e 36, Esdras e Neemias 7.38-8.12 como um resumo do período.
3. A Vulgata Latina dividiu-os em dois livros, Esdras (no lugar de Esdras A) e Neemias (no lugar de Esdras B).
4. A Bíblia evangélica e hebraica moderna dividem-nos em dois, denominando-os Esdras e Neemias em homenagem às suas figuras humanas principais.

B. Autor e Compilador
1. Esdras, o sacerdote, é geralmente considerado o autor ou compilador dos quatro livros históricos desse período: 1 e 2 Crônicas, Esdras e Neemias. Quanto a Neemias, é provável que Esdras usasse as memórias de Neemias, porquanto ele fala na primeira pessoa de vez em quando.
2. Supondo que Esdras seja o autor-compilador, o seguinte material foi usado:
a. As memorias de Esdras (evidência baseada no fato de serem usadas a primeira e a terceira pessoas).
b. As memórias de Neemias (pelo fato de ser usada a primeira pessoas).
c. Foram também utilizados outros documentos e catálogos oficiais, que é evidente nas seções Esdras 4.7-6.18 e 7.12-26, escritas em aramaico, a língua oficial na época para a correspondência internacional.
3. Esdras era filho de Seraías, o sumo sacerdote assassinado por Nabucodonosor em 586 a.C (Ed 7.1; 2Rs 25.18-22), e irmão de Jeozadaque,  o sumo sacerdote levado cativo (1 Cr 6.15). Sua importância como professor da Lei que concluiu o Antigo Testamento é com frequência comparada com a de Moisés, o legislador, que começou a escrever o A.T. Ambos eram levitas. Moisés escreveu os primeiros cinco livros; Esdras escreveu ou compilou os quatro últimos.
4. As obrigações de Esdras com os hebreus que voltaram do exílio incluíam diversas tarefas grandiosas:
a. Restituir o devido culto no templo reconstruído em 475 a.C;
b. Escrever ou compilar 1 e 2 Crônicas, Esdras, Neemias e Salmo 119;
c. Presidir a "Grande Sinagoga" que presumivelmente determinou e organizou o cânon hebraico das Escrituras.
d. Instituir sinagogas locais em Judá para o estudo da Torá, semelhantes àquelas fundadas na Babilônia (as quais se tornaram um lugar de reunião regular de judeus dispersos, conforme Ez 20).

CENÁRIO HISTÓRICO
A. Data: c.430 - 425 a.C
Como os ministérios de Esdras e Neemias tiveram lugar durante o reinado de Artaxerxes I (465-424 a.C), é provável que os livros tivessem sido completados perto do fim do período, depois de Malaquias, último profeta, ter pronunciado a sentença do Senhor e feito o devido registro.

B. Período de tempo envolvido em Esdras e em Neemias: 538-430 a.C.
Essa história cobre um período de mais de cem anos, desde a volta de Zorobabel, construtor do templo (537), até o último de Neemias, construtor dos muros (depois de 432). Na realidade, foram quatro turmas que voltaram do cativeiro: a de Zorobabel em 537, a de Esdras em 457, a de Neemias em 444 e a outra de Neemias em 432.

CENÁRIO POLÍTICO
1. Estes livros introduzem um novo período da história de Israel tanto no âmbito nacional quanto no internacional. No âmbito nacional, foi o princípio da era pós-exilio com a volta de Israel à sua terra. Os 70 anos de exílio tinham terminado. No âmbito internacional, foi o principio da era do Império Persa com sei grande numero de nocas manobras políticas, que afetaram Israel e o mundo.
2. Para Israel, o efeito mais importante dessa política era a nova prática persa da volta do exílio. Em vez de deportar e transportar o povo cativo, como faziam a Assíria e a Babilônia, mandaram-nos de volta para o solo nativo a fim de ajudarem a promover relações pacíficas com o império. Não somente libertavam-nos, como também com frequência subsidiavam a volta para ajudá-los a se fixar e restituir o sistema religioso no território natal.
3. Ao examinar a política da época, não se deve esquecer que diversos judeus tinham alcançado altos postos no governo persa e, com certeza, exerciam grande influência na corte. Daniel, Ester e Mardoqueu ocuparam lugares de suprema importância política durante os períodos babilônicos e persa.

CENÁRIO RELIGIOSO
1. Internacionalmente,  

Contua.....




domingo, 4 de setembro de 2011

A ATUAÇÃO SOCIAL DA IGREJA


A ATUAÇÃO SOCIAL DA IGREJA – LIÇÃO 10
INTRODUÇÃO
- A Igreja de Cristo - agência por excelência do Reino de Deus; 
- Tem responsabilidade social; 
- Além da missão de pregar o Evangelho a toda criatura; 
- Este compromisso não pode ser ignorado, pois é bíblico. 

1º objetivo: Saber que a pobreza é uma realidade sempre presente no mundo.
I. POBREZA: UMA REALIDADE SEMPRE PRESENTE – por quê?
1. Os pobres. 
- Apesar das riquezas no mundo, nas mãos dos homens há divisão social; 
- De um lado, estão os pobres e marginalizados; de outro, os “ricos” e “poderosos”.
São homens: 
- Motivados: - Ganância e a presunção (vaidade); 
- Desprezam: Os preceitos bíblicos; 
- Lucram: - Com a miséria de seus semelhantes. (massa de manobra política)
- Contra os tais: ls 3.14,15; Mt 19.23. 

2. O problema da fome. 
- Contexto da criação: Ao criar a terra, o Senhor providenciou todos os meios para que todas as nossas necessidades fossem dignamente supridas: “Então, a terra dará o seu fruto” (Sl 67.6). 
- Terra fértil – desejo de todo homem – de toda nação. 
- Pecado => Afetou os recursos naturais => Escassez, Fome e miséria. 
- Ex: Regiões ricas e outras pobres. 

3. Precisamos ouvir a voz de Deus. 
- O crente não pode ser insensível ante o drama da miséria espiritual, moral e social. 
- Igreja como instituição – tem uma área de atuação maior;
- O crente como membro da Igreja – tem uma atuação menor, no seu contexto. 
- Precisamos ouvir a voz de Deus: Is 58

SINOPSE DO TÓPICO (I)
 A pobreza é uma realidade social que decorre da Queda.

II. QUESTÕES SOCIAIS NO ANTIGO TESTAMENTO
1. Os ricos e os pobres em Israel. 
- Em Israel sempre houve pobres (Dt 15.11; Jo 12.8). 
- Motivo da pobreza em Israel: 
1) catástrofes naturais; 
2) colheitas ruins; 
3) guerras e 
4) desvios espirituais. 

- Pela Lei de Moisés, os mais ricos deveriam assistir os mais pobres: “Livremente abrirás a tua mão para o teu irmão, para o teu necessitado e para o teu pobre na tua terra” (Dt 15.11). 
- Infelizmente, isto nem sempre ocorria... E hoje? 

- Juízo: 
Em Israel - Os profetas denunciavam a injustiça e a opressão entre os israelitas.
Hoje – Abastardo opressor não prospera, não tem paz, não tem boa saúde.... o "devorador" está presente.  

2. A escravidão em Israel. 
- A escravidão fazia parte do contexto social israelita. 
Escravidão diferente: 
- Vizinhos: Escravizavam para explorar vilmente o ser humano, 
- Israel: Dava-se por razões econômicas. 
Ex: Quem não tinha dinheiro para saldar uma dívida quitava-a com a sua mão-de-obra; 
Falência – vendia-se como escravo ao seu irmão. 
- Tempo máximo: Seis anos ao final era solto.  

3. O socorro aos pobres.  
2º objetivo: Compreender que o socorro aos pobres é uma recomendação bíblica. 
- É uma recomendação bíblica -  (Is 1.17; Mt 10.21); 
- Em Israel, os órfãos, as viúvas e os estrangeiros - eram vítimas de penúria (falta do necessário) e opressão (Jr 7.6); 
- Todavia, o Senhor ordenou aos israelitas que os tratassem com amor e misericórdia. 
- Caso contrário - Os profetas denunciavam energicamente as injustiças (Jr 34.8-11,16,17); 
- A Igreja deve tratar bem os da fé – Gl 6.10. ler. 

SINOPSE DO TÓPICO (II)
Segundo a Lei de Moisés, os mais ricos deveriam assistir os mais pobres.

III. O NOVO TESTAMENTO E A AÇÃO SOCIAL DA IGREJA
1. Nos Evangelhos. 
Exemplo de Jesus. 
- Jesus ensinou a generosidade e a hospitalidade para com os pobres (Lc 14.12-14). 
- Hospitalidade – em nosso contexto - interação 
- Ler e aplicar

2. Na Igreja Primitiva. 
- A Igreja Primitiva desenvolveu trabalho social (At 2.42; 4.32); 
- Erradicando a necessidade de entre seus membros (At 4.34,35). 
Características da Igreja Primitiva: 
- Não era materialista, individualista, desobediente, negligente com os ensinos de Jesus. 
- Era harmoniosa, tinham tudo em comum, unidos, perseverante nas doutrinas dos apóstolos, fervorosos, unânimes na oração e na comunhão....

- Paulo segue o exemplo: Recolhe ofertas entre as igrejas gentias para a assistência aos crentes hebreus de Jerusalém (Rm 15.25-29). 

As boas obras são evidências de uma fé viva em Deus, conforme afirma Tiago. (Tg 2.14-26).

2. Na Igreja atual
3º objetivo. Conscientizar-se de que a ação social é uma responsabilidade da igreja. 
- A Igreja, à semelhança de Israel tem um compromisso social diante do Senhor:

 “Se abrires a tua alma ao faminto e fartares a alma aflita ... 
Promessa ....então, a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia. E o Senhor te guiará continuamente, e fartará a tua alma em lugares secos, e fortificará teus ossos; e serás como um jardim regado e como um manancial cujas águas nunca faltam” (Is 58.10-11; cf. Mt 5.13-16). Você é também é responsável pelos pobres e necessitados.

SINOPSE DO TÓPICO (III)
Os servos de Deus têm o compromisso de socorrer os pobres e necessitados.

CONCLUSÃO
Aluno ler e encerra.   

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA

PRESERVANDO A IDENTIDADE DA IGREJA - liçao 9
Objetivos
Compreender o que é Igreja. 
Saber que devemos preservar a identidade da Igreja
Identificar os perigos que ameaçam a Igreja. 

INTRODUÇÃO
Nesta Lição aprenderemos como preservar a identidade da Igreja de Cristo, haja vista que na atualidade muitos "lideres" e liderados têm perdido a identidade do cristianismo autêntico, dando ouvidos a falsas doutrinas, filosofias, visões e revelações. Vivemos em tempos trabalhosos, portanto, devemos vigiar, afim de manter a nossa identidade como Igreja do Senhor Jesus. 

Palavra chave
Identidade. Conjunto de características próprias de uma pessoa ou um grupo que possibilitam sua identificação ou reconhecimento.     

I. O QUE É A IGREJA 
Neste primeiro ponto veremos o primeiro objetivo proposto, COMPREENDER o que é a Igreja, para tanto veremos a definição, duas principais dimensões da Igreja e sua identidade. 
1. Definição. 
Literalmente, a palavra Igreja, gr. ekklésia. Reunião de um povo.
- O termo aplica-se a: 1. Um grupo de cristãos vivendo em determinado local (Mt 18.17; At 5.11; Rm 16.1,5; 1 Co 1.2; Gl 1.22; 1Ts 1.1; Fm 2); 2. A Igreja Universal, à qual pertencem todos os crentes em Jesus (Mt 16.18; At 9.31; 1 Co 12.28; Ef 1.22; 3.10). 
- Podemos afirmar que a Igreja é um organismo "místico" (espiritual) composto por todos os que, pela fé, aceitaram o sacrifício vicário de Cristo. 


- Outro sentido para Igreja, deriva-se da palavra grega Kuriake, que significa "pertencente ao Senhor". Logo, Igreja é uma reunião de pessoas chamadas do mundo, as quais professam e provam submissão ao Senhor Jesus Cristo. 

2. As duas principais dimensões da Igreja. 
A Igreja é terrena e divina, física e espiritual. 
Vejamos: 
a) Divina. 

3. Sua identidade
II. A PRESERVAÇÃO DA IDENTIDADE DA IGREJA
1. Na pregação e no ensino do evangelho. 
2. No amor cristão. 
3. Na defesa da fé. 
III. ALGUNS PERIGOS QUE AMEAÇAM A IGREJA
1. A perda e o esfriamento do amor.
2. A perda do temor a Deus. 
3. A perda da humildade. 
CONCLUSÃO

sábado, 20 de agosto de 2011

IGREJA — AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE

IGREJA — AGENTE TRANSFORMADOR DA SOCIEDADE - Lição 8


APRESENTAÇÃO 
Esta lição traz um tema muito importante, uma vez que a Igreja não pode perder a identidade do Senhor Jesus Cristo. Veremos a função da igreja como agente que transforma a sociedade, mas não podemos deixar de destacar um tema imprescindível - ética cristã, é possível perceber nitidamente o exemplo que nos dar o Senhor Jesus sobre o assunto, portanto, devemos falar em sala de aula sobre transformação espiritual da sociedade e sobre a ética que Cristo nos legou.  

TEXTO ÁUREO 
“E Jesus, tendo ouvido isso, disse-lhes: Os sãos não necessitam de médico, mas sim os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores” (Mc 2.17).

VERDADE PRÁTICA 
Jesus confiou-nos a missão de transformar a sociedade, na qual estamos inseridos, através do Evangelho.
- Transformar a sociedade. O cristão só consegue influenciar e transformar uma sociedade quando permite que o Espírito Santo o revele a distinção entre a santidade de Deus e a malignidade do pecado,  passando a ver as coisas da mesma maneira que Deus as vê, atribuindo-lhes a importância que Deus lhes atribui, amando o que Ele ama e rejeitando o que Ele rejeita. 
- Evangelho. Esta é a nossa maior e mais poderosa ferramenta para transformar uma sociedade, pois é através desta ferramenta que o homem é liberto e transformado em uma nova criatura (2 Co 5.17), portanto não nos privemos de evangelizar, pois é poder de Deus capaz de transformar uma sociedade (Rm 1.16). 

LEITURA DIÁRIA 
Sábado - 1 Tm 2.1-8 -  A responsabilidade da Igreja para com a sociedade. 

"1.ADMOESTO-TE, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças, por todos os homens; 2.Pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade; 3.Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, 4.Que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade; 5.Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem. 6.O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo. 7.Para o que (digo a verdade em Cristo, não minto) fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios na fé e na verdade. 8.Quero, pois, que os homens orem, em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Marcos 2. 13-17; Atos 2.37-41

Marcos 2

13 - E tornou a sair para o mar, e toda a multidão ia ter com ele, e ele os ensinava.
14 - E, passando, viu Levi, filho de Alfeu, sentado na alfândega e disse-lhe: Segue-me. E, levantando-se, o seguiu.
15 - E aconteceu que, estando sentado à mesa em casa deste, também estavam sentados à mesa com Jesus e com seus discípulos muitos publicanos e pecadores, porque eram muitos e o tinham seguido.
16 - E os escribas e fariseus, vendo-o comer com os publicanos e pecadores, disseram aos seus discípulos: Por que come e bebe ele com os publicanos e pecadores?
17 - E Jesus, tendo ouvido isso, disse-lhes: Os são não necessitam de médico, mas sim os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores.


Levi. ("Mateus", Mt 9.9) era um dos doze discípulos e autor do evangelho segundo Mateus.
Publicano. Levi era publicano e cobrador de impostos (Lc 5.27n). Muitos publicanos eram desonestos, levantavam coletas de impostos ilícitos, cobrando demais e enganando o governo com relatórios falsos, e por isso eram odiados pelo povo. Os fariseus julgaram os publicanos iguais aos pecadores que desprezavam a lei. Não se separavam dos gentios e assim, ficaram separados da sinagoga.


Levi, antes de sua conversão, é um exemplo atual de uma sociedade corrupta e gananciosa, contudo, o nosso Mestre não os despreza, afirma claramente que veio resgata-los. A Igreja de Cristo não pode cruzar os braços diante das mazelas que vimos todos os dias, são pessoas doentes que necessitam de um médico espiritual. 


OBJETIVOS 
Explicar como a Igreja deve se relacionar com a sociedade.
Compreender o papel de proteção social que a Igreja exerce na sociedade.
Conscientizar-se de que a evangelização e a atuação da Igreja podem restaurar a sociedade.


INTRODUÇÃO
- Jesus vivia em meio a uma sociedade como um homem comum do povo,  seguindo os costumes e tradições da sociedade judaica, cumprindo suas responsabilidades como cidadão judeu, pagava impostos, frequentava ventos sociais. 
- Vivia como um homem do povo, embora fosse o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Fp 2.7). 
- Transformou a sociedade e o mundo. Porque de fato assumiu a missão de servo, cumprindo as ordens do Pai, executando sua missão (pregar, ensinar, libertar os cativos e oprimidos, dar vistas aos cegos, curar os enfermos, ressuscitar os mortos, alimentando o faminto, dando de beber a quem tem cede. Is 61.1-2; Mt 11.5). 
- Como Igreja de Deus. Temos a nobre missão de sermos servos de Cristo,  dando continuidade ao seu ministério através da propagação do Evangelho do Reino de Deus. Para isso, a igreja deve ser o sal da terra e a luz do mundo. (Mt 5.13,14), sendo assim conseguiremos alcançar o nosso alvo, que é influenciar e transformar a sociedade pelo poder o Evangelho de Cristo. 

I. A IGREJA E A SOCIEDADE
Seguindo o raciocínio proposto na introdução da lição, onde mostra o Senhor Jesus como exemplo para a Igreja no que tange o relacionamento com a sociedade, veremos nesse primeiro ponto a definição de sociedade, o relacionamento de Jesus com a sociedade e por ultimo como deve ser o relacionamento da Igreja com a sociedade. 

1. O que é uma sociedade? 
- Definição. Agrupamento de seres que vivem em estado gregário (referente a sociedade, relacionamento) e em colaboração, cidadania e fraternização mútuas. 
- Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, sendo Deus um Ser pessoal. Logo, o homem é um ser pessoal destinado a viver em constante relacionamento interpessoal
- A partir deste ser pessoal, nasce a família (Gn 1.28), célula básica da sociedade. 
- A sociedade por sua vez, é o reflexo da célula básica, caso esta seja desestruturada, sem princípios e sem a presença de Deus, teremos uma sociedade degradante e sem valores morais e espirituais. 
Aplique este principio aos seus alunos, valorize a família!.

O exemplo de Jesus, convivência em família. 
- O Senhor Jesus ao se despir de sua glória, tornando-se homem (Fp 2.7), nasceu e viveu em família, no meio de uma sociedade imperfeita e pecadora, a qual era carente da graça salvadora de Cristo (Lc 19.10). Atualmente não é diferente, vivemos em uma sociedade perversa, todavia, não esconde a carência de salvação.

2. Jesus e a sociedade. 
Neste sub ponto veremos sobre a ética de Jesus no contexto social. 
- Desde a infância Jesus sabia agir e interagir com sabedoria enquanto se relacionava (Lc 2.52); 
- Respondia a todos de forma amigável (Lc 39-51); 
- Nunca fez acepção de pessoas, ou classe sociais (Mt 11.5); 
- Seu discurso era inclusivo, pois tinha o objetivo de resgatar a todos (leprosos, oprimidos, cegos, coxos, viúvas, publicanos, pecadores, samaritanos (os judeus não se davam bem com estes) e etc... ) Mt 4.15-17; Lc 7.21,22; Lc 7.13;  
- Os exemplos de Jesus são para a igreja de Ef 5.27; Já os exemplos dos fariseus devem ser extintos do nosso meio. Devemos lutar para seguir os exemplos do nosso Mestre, olhar só pra Ele, pois Ele tem o melhor para o seu povo; E só o seu povo tem o melhor para a sociedade. 
- Seguindo o exemplo de Cristo, a igreja deve ter um discurso inclusivo (com mudança de vida espiritual e material), não deve fazer acepção de pessoas ou classes sociais.        
- Aplique os exemplos de Jesus conforme o contexto social de seus alunos. 

3. A Igreja na sociedade. 
- Já definimos o que é sociedade; 
- Vimos exemplos de Jesus na sociedade. 
- Agora veremos o primeiro objetivo proposto que é o EXPLICAR o relacionamento da igreja com a sociedade. 
- A Igreja é como um farol. Dar direção, ilumina, serve de referência, dar segurança, dissipa a escuridão; 
- A conduta do cristão deve ser ilibada (Fp 2.15). O cristão passa a ter conduta ilibada quando concebe em seu coração sua condição de servo, discípulo de Cristo, "Discípulo de Cristo é aquele se entrega e coloca inteiramente à disposição de Cristo; que aprende o que Ele ensina; que crê no que Ele revela; que faz o que Ele ordena; que evita o que Ele proíbe; que suporta o que lhe for imposto por Ele e para Ele, na expectativa daquela recompensa que Ele prometeu. Tal é o discípulo de Cristo, e dessa forma ele, e ninguém mais, é cristão". David Clarkson. 
- A igreja que traz consigo os princípios de Cristo tem credibilidade para pregar o Evangelho; 
- O cristão que tem os princípios de Cristo, tem credibilidade no meio em que vive; 
- Apesar do Estado Brasileiro garantir em sua Constituição Federal no Art.6º, os direitos sociais (educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância e assistência social aos desamparados), sabemos que este objetivo não é plenamente alcançado em nossa sociedade atual. Face ao nosso contexto social, é importante a igreja como "Instituição" mobilizar-se (1 Jo 3.17) no enfrentamento das dificuldades sociais que vivenciamos.  


Atividades que podem ser desempenhadas pela Igreja local. 
- Ação global em bairros carentes (Tirar segunda via de documentos, casamentos coletivos, medição de pressão, cabeleireiros e etc..)
- Campanha do agasalho, os membros recolhem agasalhos de casa em casa; 
- Alfabetização de adultos; 
- Exames preventivos; 
- Socorro às vítimas de tragédias e catástrofes;


- Assim a igreja pode contribuir para o desenvolvimento social, evangelizar e mostrar na prática o amor cristão (Mt 25.35, 1 Jo 3.17). 


II. A IGREJA E A PROTEÇÃO SOCIAL
O segundo objetivo proposto é COMPREENDER o papel protetor que a Igreja exerce na sociedade. 
- Esta proteção se manifesta através de três elementos, 1.Oração, 2.Conselhos divinos e 3.Valores cristãos. Veremos pois.   

1. Através da oração. 
- Através da oração intercessória a Igreja é capaz de abençoar e proteger a sociedade, seja espiritual ou material. Tg 5.16; 
- Fazendo assim a Igreja está obedecendo a Palavra de Deus (1 Tm 2.1-8). 
- Devemos ter em mente que O Senhor dono da Igreja tem o controle absoluto de todas as coisas em Suas mãos (Mt 28.18), a ultima Palavra portanto é dEle e não do homem (Is 43.13). 
"E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra" 2 Cr 7.14.


2. Por intermédio dos conselhos divinos. 
- Os conselhos divinos é uma "ferramenta" eficaz, com a qual a Igreja protege a sociedade, sejam eles destinados aos governantes, a sociedade coletivamente ou a um individuo, o certo é que a proteção será real. 
- No Velho Testamento, vimos que os reis buscavam ou recebiam conselhos e orientações dos profetas (2 Cr 20.14-18; Is 37.1-7); 
- Os profetas no Velho Testamento exerciam função social importante, pois denunciavam os desvios de condutas sociais e os pecados do povo e dos governantes (Jr 2.12,13,19; 25.3-7; Ml 1.1-2.17); 
- Vimos então que os conselhos divinos tem duas bases fundamentais - social e espiritual; 
- Hoje não é diferente, há lideres que recebem conselhos de servos de Deus e há também homens usados por Deus capazes de denunciar o pecado e a corrupção moral da sociedade; 
- Não podemos esquecer que somos atalaias de Deus. Ez 33.1-6. 

3. Por meio dos valores cristãos. 
- Outra forma que a igreja protege a sociedade é através dos valores cristãos; 
- Você já imaginou como seria sua cidade, estado, país ou o mundo inteiro de cristãos? como seria o contexto social? Por estas respostas é que podemos afirmar que a igreja tem valores que protegem a sociedade; 
- Deus em sua infinita sabedoria nos ensina como viver em sociedade de forma justa e em paz (Ex 20). Mais tarde, no N.T, o Senhor Jesus revela o quanto são injustas as ações dos homens sem Deus, e nos revela o modelo de justiça no Reino de Deus (Mt 5-7) Sermão do monte
- Nessas passagens bíblicas vemos que uma sociedade só é justa e igualitária quando está em total comunhão com Deus; 
- Deve ser ressaltado a importância dos valores e princípios cristãos na família, uma vez que muitas, apesar de serem cristãs, já os perderam, outras estão quase perdendo e outras não os valorizam; 
- São esses valores e princípios que impedem a degradação moral da sociedade, tais valores proclamam que o nosso Deus é Santo e Perfeito.  

III. A IGREJA E A ASSISTÊNCIA À SOCIEDADE




















Chegamos ao terceiro e ultimo objetivo proposto que é CONSCIENTIZAR-SE de que a evangelização e a atuação da igreja podem restaurar a sociedade.   
- A Igreja assiste à sociedade através de três "vias" principais, quais sejam: Evangelismo, ação social e restaurando e sustentando os valores sociais. 

1. A evangelização.   
- O evangelismo é a arma mais poderosa que a Igreja possui, pois este diminui o trabalho da Igreja com assistência social - como assim? vc pergunta. 
- O evangelho regenera o homem, restaura os sonhos, a esperança, renova o ânimo, traz paz, alegria, vontade de viver, vontade de construir um lar, uma família e etc.., quando o homem se converte a Cristo passa a receber as promessas prometidas pelo Senhor "Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estiver, ali estará, também, o meu servo. E, se alguém me servir, meu Pai o honrará". Jo 12.26 e logo passa a ter uma melhor perspectiva de vida. 
- Contudo, a Igreja pode minimizar o sofrimento daqueles que ainda não foram alcançados pelo Evangelho e aos irmãos que estão necessitando de um auxilio (1 Jo 3.18; Tg 2.14-18); 
- Faça um desafio a seus alunos - peça que eles tragam 1K de alimento não perecivo para assistência social de sua igreja. Coloque em pratica a lição.   
- Evangelize, não perca tempo, ajude um miserável deixar de ser miserável, através do Evangelho de Cristo, contribua para o desenvolvimento social onde você convive! 

2. A ação social. 
- Ação social da Igreja nada mais é, do que ajudar, auxiliar o nosso semelhante (próximo), como a nós mesmos (Mt 22.39; Mt 28.19,20; Tg 1.26,27);  
Praticando ações como: 

- Ação global em bairros carentes (Tirar segunda via de documentos, casamentos coletivos, medição de pressão, cabeleireiros e etc..)
- Campanha do agasalho, os membros recolhem agasalhos de casa em casa; 
Alfabetização de adultos; 
- Exames preventivos; 
- Socorro às vítimas de tragédias e catástrofes. 

3. Restaurando a sociedade. 
É patente aos nossos olhos, o quanto a sociedade está moral e espiritualmente destruída, tal destruição está presente em todas as camadas sociais, isso se dar em virtude de fatores como: Drogas, prostituição, consumismo (fomenta os assaltos), alcoolismo entre outros. 
- A Igreja deve lutar contra estas coisas de duas formas: Espiritual (evangelizando e orando) e Social (denunciando, exercendo seu papel social);
- Através da Palavra a igreja condena e repreende a prática do pecado nos indivíduos - Através da denuncia anonima a igreja ajuda o combate às redes de pedofilia, prostituição, aborto, tráfico de drogas e etc... denunciar não é pecado... 
- Quando nos calamos diante dos crimes, quando temos a chance de ajudar combatê-los, contribuímos para o sofrimento de um pai, mãe, esposo, esposa, filhos e etc... 
- Não nos conformemos com o sistema mundano - Rm 12.2, 1 Tm 3.15. 

CONCLUSÃO
A Igreja é agente transformador da sociedade quando: 1.Segue o exemplo de Cristo; 2.Ora; 3.Aconselha; 4.Sustenta os valores cristãos; 5.Evangeliza; 6.Pratica assistência social e 7. Quando restaura os princípios e valores sociais. 
Praticando os elementos supra, estaremos oferecendo "o Evangelho todo para o homem todo", cumprindo assim o Ide, que nos ordenou o nosso Mestre Jesus

Verifique seu aprendizado aqui


Bibliografia
DAMIÃO, Valdemir. A Igreja no Século XXI. 1ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005. p. 65.
- Bíblia de Estudo - SHEDD. 

domingo, 7 de agosto de 2011

A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO

A BELEZA DO SERVIÇO CRISTÃO - LIÇÃO 7

TEXTO ÁUREO
"Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros" Jo 13.14.

Jesus explica o simbolismo do seu ato. Os discípulos o chamam de Mestre e Senhor. Contudo, praticou uma das tarefas mais servis do século I, era um trabalho exclusivo dos escravos gentil, das mulheres e das crianças - era uma tarefa desprezível. O ato de Cristo no contexto do judaísmo do século I era verdadeiramente chocante - um exemplo completamente surpreendente de humildade que deve ter causado uma impressão profunda e duradoura em seus seguidores. Foi uma maneira poderosa do Senhor Jesus mostrar um "exemplo" (13-15) da atitude que os discípulos deveriam desenvolver para liderar eficazmente o povo de Deus. 

VERDADE PRÁTICA
A vida cristã só faz sentido neste mundo quando servimos a Deus e ao próximo em perfeito amor.

LEITURA DIÁRIA
"Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também" Jo 13.15.

Durante a reforma, alguns assumiram literalmente este versículo,   e acrescentaram o "lava-pés" aos sacramentos que observavam. Contudo, esta ação de Jesus, é simbólica, pois comunica a responsabilidade que devemos ter uns com os outros, além de ser um ato de humildade absoluta (Lc 22.27) é um ato de amor ao próximo. Esta atitude nos ensina que devemos tirar de nosso coração toda altives e orgulho - todos os dias, pois sempre tem alguém precisando de nós ou sempre precisamos de alguém, assim, o amor e o serviço ao próximo é um mandamento que deve ser praticado por todos os discípulos de Cristo.     

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
João 13.12-17; Atos 2.42-47. 
At 2.42-47
Uma Igreja exemplar. 1) Formada com crentes batizados, unidos com padrões definidos de doutrina, comunhão, amor e serviço. 2) Rege-se segundo a autoridade dos apóstolos; seu ensino deriva-se de Cristo, sendo preservado em todo N.T. 3) O centro da comunhão se manifesta no Ágape (festa ou refeição de amor incluindo a Santa Ceia, 42,46), comunidade de bens (44,45) e socorro dos necessitados. 4) Louvor e alegria no Senhor (47). 5) Freqüência no culto (46). 6) Crescimento e excelente reputação (41,47).    

Objetivos: 
Identificar as características do servo de Cristo. 
Compreender que o serviço cristão engloba a relação com Deus e o próximo. 
Explicar qual é a Missão da Igreja no mundo


APRESENTAÇÃO
Considerando que esta lição está com excelente qualidade de conteúdo, não há necessidade de se agregar subsídios exaustivos, pois, se explorarmos bem a matéria é suficiente para ter ótimos resultados em sala de aula. Sempre procurando responder ao tema principal de cada ponto e sub ponto. 

INTRODUÇÃO
É com amor altruísta (amor ao próximo sem egoísmo) e desinteressado (sem querer nada em troca). Isso equivale ao amor verdadeiro, não fingido (Rm 12.9), é com esse amor que devemos servir a Cristo e ao próximo.
No Reino de Deus o serviço só tem valor (espiritual, de adoração a Deus) quando feito com o amor de Cristo (ágape), este amor deve está presente na vida de todo aquele que professa ser uma nova criatura em Cristo. 
Libertos da servidão do pecado. Quem é nascido de novo tem vários motivos para servir a Deus e ao próximo com amor verdadeiro, pois saiu das trevas para a luz (Ef 5.8). 
Tratemos o próximo com amor verdadeiro, independente como seremos tratados, quem ama cumpre a Lei de Cristo (Gl 5.14).       

I. AS CARACTERÍSTICAS DO SERVO DE CRISTO
Característica. s.f. Que caracteriza, qualidade, o que distingue, traço.   


Logo. Estudaremos nesse primeiro momento, sobre as qualidades que identificam um servo de Cristo. 


Neste primeiro ponto da lição, encontramos o primeiro objetivo proposto que é IDENTIFICAR as características do servo de Cristo. Passaremos a meditar sobre três elementos intimamente ligados aos servos de Crsito. 

1. Amor. - "Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor" 1Jo 4.8.
A primeira qualidade apresentada é o amor, como uma força motriz, pois sem o amor gerado pelo Espírito Santo (ágape) jamais temos a capacidade de desempenhar algum trabalho na obra de Deus e ao próximo (2 Tm 2.10). Portanto todo trabalho desempenhado no Reino de Deus deve ser iniciado com amor e por amor. 
- Qualidades de quem ama a Cristo. 1) Tem disposição em servir a Deus e ao próximo; 2) é diligente (zeloso, ativo); 3) é abnegado (renuncia seus interesses).  
- A filosofia de vida de quem é movido pelo o amor (ágape), é apoiar e ajudar ao próximo sem esperar nada em troca, é a prática do amor não fingido (Rm 12.9). 
- O servo de Deus movido pela "força motriz" chamada (amor), não vê obstáculos, não escolhe onde quer trabalhar, não é resistente aos projetos ousados da igreja local, é motivado, tem ânimo contagiante, tem viva esperança, está sempre pronto para desempenhar a missão como combatente fiel (2 Co 12.10), pois sabe que o amor aquecido em seu coração transporá qualquer obstáculo (1 Jo 4.18). 

2. Compromisso.
Compromisso. Obrigação ou promessa; dívida que deve ser paga em determinado dia (indefinido). Logo,  ter compromisso com o serviço de Cristo, é ter a consciência de que sempre devemos está dispostos em fazer a sua obra, ainda que isso nos leve a passar por perigos, perseguições, angustias  ou até mesmo a morte (Rm 8.35; 2 Co 12.10), compromisso tem a conotação de uma dívida eterna.  
É o segundo elemento característico do serviço de Cristo. 
- Ter compromisso com o serviço de Cristo, é um ato de reconhecer sua morte vicária na cruz do Calvário, sabendo que jamais poderíamos quitar a dívida que havia contra nós (Cl 2.14).  
- Portanto, ser compromissado com o serviço de Cristo é um privilégio, é o nosso culto racional (Rm 12.1). 
- A diferença entre o compromissado e o não compromissado (Ml 3.18): 
QUEM TEM COMPROMISSO 
- Busca a excelência - Lc 9.62;
- Dar o seu melhor - Ef 6.5-9;
- É zeloso e cuidadoso - Gr 48.10;
- Está preocupado com o resultado - Jo 15.16; 
- É comprometido com o seu Senhor - Fp 3.13.
- Vê a vitória, em meio as adversidades - Nm 13.30.  


QUEM NÃO TEM COMPROMISSO
- Faz os trabalhos de qualquer maneira; 
- Doa sempre o que não se aproveita; 
- Dar sempre o resto do seu tempo para a obra de Deus; 
- Está sempre esperando que alguém tome a iniciativa; 
- Não busca resultados; 
- É pessimista - Nm 13.31-33. 
-Só vê obstáculos Nm 13. 27-29 - não vê a fertilidade da terra - Nm 13.30.  


3. Humildade. 
- É o terceiro elemento característico do serviço de Cristo. 
- Motivos pelos quais o servo de Deus não deve vangloriar-se do que realiza na obra de Deus: 
- Toda capacidade vem de Deus - 2 Co 3.5; 
- Não podemos fazer nada sem Ele - Jo 15.5;
- Todo sucesso procede dEle - Fp 2.13; 
Devemos reconhecer que "Porque dEle, e por Ele, e para Ele, são todas as coisas; glória, pois, a Ele, eternamente. Ámem" Rm 11.36. Quando isso se torna real na vida do cristão fechas as portas para o orgulho, a vaidade, o egoísmo, a hipocrisia, o materialismo e a ganancia por status (Pv 4.23; Mt 15.19). Não podemos nos esquecer de João 3.30 "... que Ele cresça e eu diminua..."    

- Manter o caráter integro deve ser o alvo do cristão, o cristão deve moldar o seu caráter em Cristo Jesus (Ef 4.13). 


II. O SERVIÇO CRISTÃO
Neste ponto encontramos o segundo objetivo proposto que é COMPREENDER que o serviço cristão engloba a relação com Deus e o próximo. Veremos que o serviço cristão é diferenciado dos demais em virtude de está intimamente ligado ao homem e para o homem, pois todo serviço na obra de Deus visa a alma no contexto de suas necessidades culminando no estágio final que é a salvação. 


Veremos que o serviço cristão foi ordenado por Deus, tendo em si mesmo uma intima relação com Deus e com o próximo.  


1. Ordenado pelo Senhor. 
- A primeira coisa a ser feito neste ponto é destacar algumas passagens onde o Senhor nos ordena a fazer sua obra, sendo Ele mesmo o exemplo maior (Mt 20.28). 
- Jesus é o exemplo maior na obra do Pai - Jo 5.17, Mt 20.28; 
- O Senhor nos chamou para darmos frutos - Jo 15.16;
- O Senhor nos ordena a fazer sua obra - Mc 16.15; 
- O Senhor nos ensina que devemos crescer na sua obra - Mt 25.14-30; 
- Nesse trabalho, nos orienta Paulo, a sermos, firmes, constantes e abundantes... (1 Co 15.58). 
O que não podemos esquecer é que apesar de o serviço cristão ser fácil de realizar, em virtude de sua gama se funções, ainda há poucos ceifeiros (Mc 9.37). 
- Sabemos que o nosso trabalho não é vão - 1 Co 15.58. 
- Seremos honrados pelo Pai - Jo 12.26, (honrados por Deus e não por homens, mas como somos honrados? quando vemos vidas transformadas, pessoas sendo curadas, quando vimos que as madrugadas em claro deu resultado, quando vemos a provisão e o milagre de Deus), não desanime Deus vai te surpreender, pois Ele não nos deixa confundidos Rm 10.11. 

2. Em relação a Deus. 
- Este é o grande diferencial do serviço cristão, pois todo serviço prestado na obra de Deus, quando feito de coração visando o Reino de Deus, é sem dúvida alguma uma adoração a Deus. 
- Para os cristãos a palavra culto vai além de um momento ritual, cerimonial, abrange o ato de servir com amor a e para Deus. 
- Em relação a Deus, o serviço cristão é adoração e culto racional. 

3. Em relação ao próximo. 
- O serviço cristão em relação ao próximo nos foi ensinado primeiramente pelo nosso Mestre (Mt 14.19; 15.34); 
- Em seguindo os ensinamentos de Cristo (Mc 12.31) a Igreja Primitiva vai desenvolver este trabalho de uma forma sistemática, tendo um cuidado especial pelos necessitados - At 2.42-47, instituindo uma "agencia" de arrecadação de recursos - At 4.35; e  Instituindo pessoas para administrarem os recursos a serem distribuídos aos necessitados - At 2.42-47; 4.32-35. 
- Face o exposto acima, vemos a nossa responsabilidade como representantes de Jesus Cristo, pois devemos pregar a Palavra para alimentar a alma, mas algo que atenda às necessidades básicas do ser humano (Mt 25.35). 
- Lembre-se "Aquele, pois, que sabe fazer o bem, e o não faz, comete pecado". Tg 4.17

III. A MISSÃO DA IGREJA NESTE MUNDO
Agora chegamos ao ultimo ponto e ao terceiro objetivo proposto que é EXPLICAR qual é a Missão da Igreja no mundo. 

1. Proclamar a Palavra de Deus. 
Este é a primeira missão da Igreja, proclamar o Evangelho de Cristo, anunciar o Reino de Deus aos homens (Lc 10.1-12). O Evangelho trás consigo, a cura, libertação, vida, esperança, sonhos, esperança, paz, luz [....] e Salvação. 
- A Igreja atual é beneficiada com a gama de meios de comunicação os quais devem ser usados na integra. 
- Lembre-se, não podemos perder tempo, lembre-se cada momento que passamos, ociosos navegando na internet - poderia está sendo usado para edificação ou para evangelismo.  

2. Viver em comunhão.
A segunda missão da Igreja de Cristo é vivem em comunhão entre os irmãos, este é um assunto aparentemente simples, contudo, é muito vasto. Sabemos que Cristo vai arrebatar sua Igreja (povo santo), mas, é sabido que nos ultimos tempos a igreja (instituição) tem vivido como partidos políticos, pois cada qual tem o seu líder, são pastores mudando e se desligando de convenções a todo momento, são convenções querendo monopolizar os recursos de seus campos. Meus nobres irmão isso é qualquer coisa, menos a comunhão nos legada pela Igreja Primitiva. 
- Mas não podemos olhar para as igreja (instituições), pois devemos fazer parte da igreja que nos interessa, é que Cristo vem buscar (povo santo). 
- Face a este contexto de materialidade e status social, o amor a obra de Deus e ao próximo vai se esfriando a cada dia. 
- O amor e a comunhão são os marcos do Evangelho, que demarcam nossa relação com o Senhor Jesus Cristo. 

3. Servir a Deus e ao próximo. 
A terceira missão da Igreja é servir ao próximo, pois é impossível amar ao próximo e não servi-lo (Mt 22.39).
- Como salvos em Cristo, devemos viver como salvos, obedecendo a Palavra de Deus, ela nos ensina que temos compromisso não apenas de pregar o Evangelho - mas também de servir ao próximo - (Mc 10.43; 2 Co 8.13,14; Hb 6.10).
- A diakonia, para com o necessitado é uma expressão de e espiritualidade, pois manifesta o amor de Deus (ágape). - 1 Jo. 3.16.
- Não podemos esquecer que a fé sem as obras é morta, se pregamos que Cristo é o nosso Senhor, devemos ouvir e obedecer a sua voz, pois somos ovelhas suas, e Ele nos ensina que o segundo maior mandamento é " ... Amaras  o teu próximo como a ti mesmo" Mt 22.39. 
- Se amamos o próximo estaremos em conformidade com a Palavra de Deus; Caso contrário, não passamos de sepulcros caiados com bela aparência exterior, por dentro, podres e sem vida - Mt 23.27. 
- Mas que pratica o amor ao próximo Deus o recompensará - Mt 6.4. 

CONCLUSÃO
Aprendemos que a pregação da Palavra de Deus, a comunhão e a prática do serviço formam o tripé da Missão Integral da Igreja. 
Assim devemos pregar o Evangelho e amenizar o sofrimento dos menos favorecidos, quando o cristão se coloca à disposição da obra de Cristo, Deus o recompensará em tudo.   


Deus te abençoe e tenha uma boa aula. 


Bibliografia
Bíblia de Estudo - SHEDD

Verifique seu aprendizado aqui