Páginas

segunda-feira, 31 de maio de 2010

CRIAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL




 CRIAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL

A criação do Estado de Israel teve a participação fundamental do brasileiro OSVALDO ARANHA, quando em 1947, foi nomeado chefe da delegação brasileira na recém-criada Organização das Nações Unidas (ONU). Presidiu a II Assembleia Geral da ONU que votou o Plano da ONU para a partição da Palestina de 1947, que culminou na criação do Estado de Israel, fato que rendeu a Aranha eternas gratidões dos judeus e sionistas por sua atuação, em claro confronto com os países árabes da região.






































domingo, 30 de maio de 2010

ESPERANDO CONTRA A ESPERANÇA


ESPERANDO CONTRA A ESPERANÇA - LIÇÃO 09

Objetivos:
Saber
que a esperança é uma das virtudes fundamentais da fé cristã.
Explicar a expressão “angustia de Jacó”
Compreender que dias atribulados estão reservados a Jerusalém, mas o Senhor jamais a desamparará.

INTRODUÇÃODivide-se em três partes:
1ª Parte
Fala do cativeiro:
O Reino do Sul [Judá] foi deportado para a Babilônia, por Nabucodonosor, em três etapas:
1ª em 606 a.C;
2ª em 597 a.C e
3ª em 586 a.C.
Na ultima etapa [586] foram destruídos o templo e a capital [Jerusalém], pelo exercito de Nabucodonosor.
2ª Parte
Tribulações futuras, ainda piores – (Grande Tribulação), chamado também de “Angustia de Jacó”
3ª Parte
Conforta o profeta e o povo, prometendo uma esperança e uma independência futura.
4ª Parte
Aprender a crer contra a própria esperança [Rm 4.18] – aplicação.
Vale de ossos secos – Ez 37.12.
Analise: Rm 4.18
Abraão recebera uma promessa de ser pai de uma grande nação (Gn 15.6) (esperança). 
Fatores desfavoráveis – idade avançada e Sara já não tinha período fértil. (impossível).
Abraão crendo na promessa, esperou contra todos os fatores desfavoráveis. 

I. O QUE É A ESPERANÇAVirtude principal da fé cristã – I Co 13.13.
1. Definição.  Esperança. Disposição interior que nos leva a esperar a realização de algo desejado ou prometido; expectativa.
No sentido Bíblico. É a certeza pela fé, do cumprimento das promessas que foram feitas por Deus [2 Co 1.20].
Deus nos promete o impossível, temos que acreditar, por que Ele é todo poderoso.
Deve ser viva – I Pe 1.3.
As vezes pode fugir de nós, mas Deus nos devolve, pelo seu amor – At 27.20.
Não morre para o justo – Pv 14.32

2. A esperança no livro de Jeremias. 
Profeta das lágrimas; Mas é visto também como o profeta da esperança – Jr 14.8.
Porque Jeremias é o profeta da esperança?
Porque ele profetizava angustia, sofrimento e juízo, mas, proferiu muitas mensagens de esperança para o povo Judeu, que se cumpriram e outras que não se cumpriram. 
Mensagens de esperança. Vejamos:
“E há esperança quanto ao teu futuro, diz o Senhor, porque teus filhos voltarão para os seus termos” (31.17).
“E removerei o cativeiro de Judá e o cativeiro de Israel, e os edificarei como ao princípio” (33.7).
“Também rejeitarei a descendência de Jacó, e de Davi, meu servo, para que não tome da sua descendência os que dominem sobre a descendência de Abraão, Isaque, e Jacó; porque removerei o seu cativeiro, e apiedar-me-ei deles” (33.26).
“Porque eis que vêm dias, diz o Senhor, em que farei voltar do cativeiro o meu povo Israel, e de Judá, diz o Senhor; e tornarei a trazê-los à terra que dei a seus pais, e a possuirão” (30.3).
“Assim diz o Senhor: Eis que farei voltar do cativeiro as tendas de Jacó, e apiedar-me-ei das suas moradas; e a cidade será reedificada sobre o seu montão, e o palácio permanecerá como habitualmente” (30.18).
“Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que esta cidade será reedificada para o Senhor, desde a torre de Hananel até à porta da esquina” (31.38).
II. A ANGUSTIA DE JACÓ – 30.7Além das profecias acerca da restauração futura de Israel, Jeremias profetizou também sobre uma grande tribulação que ainda está por vir, não apenas sobre a nação de Israel, mas também sobre todo o mundo.
Este período é descrito na Bíblia como:
Angústia de Jacó” (Jr 30.7);
Grande Angústia (Dn 12.1);
Dia do Senhor (Sf 1.14; Zc 14.1);
Grande Aflição (Mt 24.21);
Ira do Cordeiro (Ap 6.15-17) e
Grande Tribulação” (Ap 7.14).

1. A angústia de Jacó Angústia – Aflição demasiada do corpo, da mente ou do espírito. Tristeza, remorso ou desesperos excessivos.
Jacó – representado pela nação de Israel.
A Angustia de Jacó é a tribulação que haverá de recair sobre Israel, mas no decorrer das profecias é a mesma que as demais nações (Is 13.11; Ap 3.10) irão enfrentar, após o arrebatamento da igreja (1 Ts 1.10; 5.9; Lc 21.35,36; Ap 3.10). 

2. Profecia de Ezequiel Nos cap. 38 e 39 – fala sobre a invasão de Gogue e Magogue, Mas Deus o livrará

3. Profecia de Daniel
Daniel (Dn 9.24-27), define a duração desse DIA DE IRA do Senhor. [7 anos].
As 70 semanas, na ultima semana o príncipe do povo firmará uma aliança por uma semana, mas será rompida na metade desta [Dn 9.27].
Haverá perseguição, mas Deus os livrará [Dn 12.1].

4. Profecia de Zacarias Exercito de todas as nações se ajuntarão contra a nação de Israel. Mas Deus trará socorro imediato, e todo Israel reconhecerá o Messias [Zc 12.10].
Deus cumprirá sua promessa feita ao seu povo – Rm 11.26.
III. O RESTABELECIMENTO DE ISRAEL Profecia de Jr 30.10.  Ainda em cumprimento. 
1. A volta de Israel à sua terraReino do Sul.Inicio do cativeiro do povo de Israel – 722 a.C.  [2 Rs 17.6] – Dominados pelos Assírios, que destruíram o Reino do Norte [Israel], levando cativas as dez tribos [Ruben, Simeão, Zebulom, Issacar, Dã, Gade, Aser, Naftali, Manessés e Efraim] para a Assíria. Trazendo outros povos para habitar na cidade de Samaria, deu-se origem à religião mista dos samaritanos (2 Rs 17.29-41), que se prolongou até os tempos do Novo Testamento (Jo 4.9).
Mas, Deus promete trazer as dez tribos de volta à sua terra – Ez 48.1,2,32.

Reino do Norte. Um século após a queda de Samaria, o império babilônico é restabelecido [626-539 a.C] e continuam as deportações. [606 - 586], e o retorno dos judeus para sua terra em 536 a.C. 
Deporta para a Babilônia os judeus em três etapas.  
1ª em 606 a.C,
2ª em 597 a.C e
3ª em 586 a.C.
Este cativeiro duraria 70 anos [2 Cr 36.22], mas a nação não foi de tudo retaurada, sendo possivel somente no reino do Messias (Dn 9.24-27). 
Mas Deus tambem promete retorna-los [Jr 30.10]. (Milenial).

2. O estabelecimento do estado de Israel A profecia começa a se cumprir, após muitos anos
Com o fim da segunda guerra mundial em 1945. Os judeus que estavam em cativeiro em várias nações e os que não morreram no holocausto de Hitler, começam a retornar para a sua terra e o jugo (30.8) começa a ser quebrado, em maio de 1948, Israel é reconhecido como Nação independente, e judeus de varias partes começam a retornar para sua terra, conquistado sob muito esforço e votações acirradas.
3. A retomada de Jerusalém Jesus afirmou que Jerusalém seria pisada, até que se completassem o tempo dos gentios (Lc 21.24).
Pode ser considerado a partir de 722 quando os Assírios dominaram Israel e 116 anos depois os babilônicos tomaram Jerusalém.
Deus começa a reverter a situação, em 1967 os Israelenses retomam uma parte da Cidade Santa.
Em 1980 Jerusalém é proclamada a capital una e indivisível de Israel.

Conclusão.  A mensagem de Jeremias não era apenas de caráter condenatório. Ele também profetizou futuras bênçãos que, após o exílio babilônico viriam sobre a nação, onde o próprio Deus iria restaurar àquela nação (Jr 31.23), permitindo ao povo desfrutar de seus antigos privilégios (Jr 30.20). Ele predisse ainda que a devastada cidade de Jerusalém voltaria a ser habitada (Jr 30.17-20) e reconstruída (Jr 31. 4,38; 33.7) a ponto de cada edificação destruída pelos babilônicos ser reerguida em seu lugar original (Jr 30.18); que as peregrinações a Jerusalém voltariam a ocorrer, realizadas não apenas pelo povo judeu (31.6; 12-14; 31.11), mas também do mundo inteiro (31.17); e que Jerusalém será chamada de “o Trono do Senhor” (3.17), “morada de justiça” e “santo monte” (31.23), além de “o Senhor é nossa justiça” (33.16; 23.6). Algumas dessas profecias já se cumpriram. No entanto, muitas delas só terão seu cumprimento no futuro, quando o Senhor Jesus, por ocasião da Segunda Fase de sua Segunda Vinda, implantar o Reino Milenial (Ap 20.1-6).


sábado, 22 de maio de 2010

O PODER DA VERDADEIRA PROFECIA

O PODER DA VERDADEIRA PROFECIA

INTRODUÇÃO

Desde a antiguidade existem falsos mestres, ensinamentos, profetas e profecias, os quais têm o propósito de confundir e destruir os incautos servos de Deus 2 Pe 2.1,2. Nesta lição aprenderemos a nos defender contra este mal que fora profetizado pelos apóstolos e pelo próprio Senhor Jesus, portanto, devemos usar as armaduras de Deus (Ef 6.11-18), para não sermos enganados por estes falsos cristãos. "Porque eu sei isto, que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não perdoarão ao rebanho" At 20.29.

CONCEITOS
1.Profeta. Aquele que é chamado por Deus para entregar a mensagem divina ao povo, em outras palavras "porta vozes de Deus" – Dt 18.18
Sua responsabilidade – Ez 3.11; 33.6; (ler)
Sua missão - Expor com unção os padrões da santidade divina para o povo;
O que eles transmitem?
A vontade e desígnios de Deus, alem de desvendar o futuro segundo a inspiração do Espírito Santo.
Através deles - os santos regozijam-se no Senhor; faz o ímpio estremecer reconhecer o seu mau caminho At 24.24,50.
Qual a orientação bíblica sobre eles?
Devemos nos acautelar dos falsos profetas (Mt 7.15) e provar os espíritos se são ou não de Deus (1 Jo 4.1).

2.Profecia. Declaração da mente e do conselho de Deus.
Tipos de profecia no Velho e no Novo Testamento:

Declarativa e Preditiva
Preditiva – Revela o plano divino em relação a Israel, a Igreja, aos gentios e a plena chegada do Reino de Deus. É Escatológica (futuro), definida e inerrante, pois o plano divino já está profeticamente definido – Ap 22.18.

Declarativa – É constituída de exortação, admoestação, encorajamento, promessa, advertência, Julgamento, consolo. (para edificação e aperfeiçoamento dos santos) – 1 Co 14.3,4; Ef 4.12.
Objetivo da profecia para os incrédulos – Provar a presença de Deus no meio do seu povo – 1 Co 14.24,25.

a) Aspectos da atividade profética.
Aspecto=> aparência, modo como uma coisa se apresenta a nós.

A Bíblia mostra a profecia basicamente em três aspectos:
1. Ministério permanente recebido por Deus – (2 Rs 17.13; Jr 7.25; Lc 16.16; Hb 1.1);
2. Um dom ministerial na igreja – (Ef 4.11-13; 3.5);
3. Um dom espiritual na congregação – (At 2.17,18; 1 Co 12.10; 14. 1-4)

b) A profecia como um dom ministerial em o Novo Testamento.
A profecia como ministério profético não é uma pregação comum; é uma mensagem vinda diretamente do Espírito Santo.
A pregação habitual geralmente é produto do estudo da revelação existente, é preparada entecipadamente.
Características do ministério profético no Novo Testamento – (Ef 4.11-13):
a) Proclamava e interpretava a Palavra de Deus, cheio do Espírito Santo por chamada divina. Sua mensagem visava admoestar, exortar, animar, consolar e edificar (At 2.14-36; 1 Co 14.3);
b) Exerciam o dom de profecia (At 21.10-11);
c) Era dever do profeta no NT desmascarar o pecado, proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro, combater o mundanismo e frieza espiritual entre o povo de Deus. (Lc 1 14-17, At 13.10,11)

c) O dom de profecia (1 Co 12.10; 14.3,31)
Dom de Profecia – É uma capacidade sobrenatural do Espírito Santo concedida para transmitir a mensagem divina.
É o dom que edificar a Igreja (1 Co 14.4);
A profecia é um sinal para igreja. – Reconhece que se trata de uma obra sobrenatural do Espírito Santo e uma prova de que Deus está operando. (1 Co 14.22);

d) A natureza da profecia.
As profecias quanto a sua natureza podem ser:
1. Da Escritura, é inerrante (2 Pe 1.20);

2. De Prefetas, devem ser julgadas, analisadas (1 Co 14.29).

A FALSA PROFECIA
A busca por profecia e revelações, para as respostas dos problemas pessoais é uma realidade em nossos dias, porem o propósito da profecia é exortar, consolar e edificar – 1 Co 14.3. Logo, qualquer profecia que não se enquadre nesses três propósitos não se cumprirá – Dt 18.22

1.Julgando as profecias pela Palavra.
Necessita ser julgada – 1 Co 14.29;

Porque pode ter origem em:
Deus – At 21.10,11
Do Homem – Jr 23.16
Satanás – At 13.6

Qual o parâmetro para conhecê-la?
É a Palavra de Deus, que nossa regra de Fé e Prática – "Toda a Escritura, divinamente inspirada, é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça." 2 Tm 3.16.

"Sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram, inspirados pelo Espírito Santo." 2 Pe 1.20,21
Mas.... O que fazer para não se deixar enganar?
Orar; ler e meditar na Palavra de Deus;
Comparar o que ouve com o que está escrito na Bíblia.
Mas não podemos duvidar de todas as profecias –"Não extingais o Espírito; Não desprezeis as profecias 1 Ts 5.19. 20.

O FALSO PROFETA HANANIAS
Hananias. Jeová deu, Um falso profeta contemporâneo de Jeremias (Jr 28); Pai de um dos príncipes do reinado de Jeoaquim (Jr 36.12); Avô do capitão que prendeu Jeremias (Jr 37.13).

Gibeão. Gibeom, Hoje se chama El Jib, cerca de 8Km a noroeste de Jerusalém. Uma das Cidades dos sacerdotes (Js 21.17)

Hananias, um modelo de falso profeta.
Características:
Falava o que o povo queria ouvir
Perturbava o povo
Afrontava o verdadeiro profeta
Induzia o povo à rebelião

2.Julgando o falso profeta pelos frutos.
Que frutos são esses?
Seu caráter, seu estilo de vida, o teor da sua mensagem, suas amizades, o ele defende, seus ensinamentos e etc..
Não é fácil desconfiar de um "profeta" e ver que é um falso "profeta"
Jesus falou...
Infiltram-se em nosso meio – "... eles são o joio que deve ser separado do trigo no fim da colheita..." Mt 13.30.
Tem aparência de piedade (2 Tm 3.5), mas "São emissários de Satanás..." Jo 8.44.

Sua missão:
Corromper a fé dos salvos – Rm 16.17;
Destruir a unidade da igreja – 2 Pe 2.1,2
Enganar o povo de Deus sem "conhecimento" – Rm 16.18; Os 4.6.

Características de um falso profeta:
Têm aparência de piedade – 2 Tm 3.5
São lobos vestidos de ovelhas – Mt 7.15
São mestres e doutores (inteligentes, cultos, influentes) – 2 Pe 2.1
Por baixo dessa bela aparência são:
".... amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons,traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te." 2 Tm 3.2-5.

Como identificá-los? Como saber se estão em nosso meio?
R – Conhecendo a Palavra de Deus, oração, discernimento Espiritual e por seus frutos – Mt 7.20.

CONCLUSÃO
Deus sempre advertiu os seus servos, com relação a falsificação dos profetas, profecias e ensinos, que tentam ser parecidos com o verdadeiro. Entretanto estamos de antemão avisados, basta estudarmos sua Palavra, pedir discernimento Espiritual e analisar os profetas e profecias com a Palavra de Deus.
Devemos sempre lembrar que Deus, não é Deus de confusão e sim de Paz. logo, se Ele falar sempre vamos ter Paz de espírito e nunca confusão de pensamento.






Bibliografia:
BOYER, Orlando. Pequena enciclopédia bíblica. São Paulo: Vida, 2000.
Bíblia Sagrada. Online, mundo bíblico.
ALMEIDA, João Ferreira. Bíblia Sagrada: Shedd. São Paulo, SP: Vida Nova, 2ª Ed. 2008.