Páginas

sábado, 31 de outubro de 2009

DAVI E SUA EQUIPE DE LIDERADOS


INTRODUÇÃO
Nesta lição aprenderemos algo magnífico através da pessoa de Davi. Nos últimos dias temos visto uma “tempestade” de publicações sobre liderança, na verdade, queremos sim ser lideres, formadores de opiniões, fazer a diferença no nosso contexto social, ser lembrado como alguém que quebrou paradigmas ou que instituiu algo que contribua para o bem comum. Mas, como conseguir esses objetivos?. Davi é um servo de Deus e uma excelente pessoa, de quem podemos absorver algumas atitudes indispensáveis à liderança exercida por um servo de Deus, ao final desta lição teremos a convicção de que o governo é um Dom de Deus.


1. DEFININDO LIDERANÇA
Liderar é influenciar. Quem lidera influencia pessoas à sua volta. A capacidade de envolver pessoas em projetos, trabalhos e fazer com que elas cheguem ao fim desejado é uma forma adequada de influenciar. Liderar e influenciar não são o mesmo que gerenciar, pois liderança e gerenciamento têm sido considerados como atitudes distintas em suas definições. Um gerente pode com facilidade organizar os trabalhos e dividi-los entre o grupo, mas isso não significa que ele esteja influenciando pessoas. Gerenciar está ligado ao cumprimento de objetivos e ao controle de processos administrativos.
Quem gerencia planeja e executa, mas que dá as direções, orienta e inspira as pessoas é o líder. Portanto o líder está mais voltado a convergir pessoas em torno de relacionamentos e compromissos.


1.1 PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS
Caro leitor, é com muita alegria que discorrerei sobre os princípios fundamentais para uma liderança eficiente e sobre os princípios fundamentais de uma boa administração, veremos que tais princípios já eram praticados por Davi, esse homem de Deus era eficiente por que tinha o Espírito de Deus em sua vida (I Sm 16.13) e porque tinha as qualidades necessárias para uma liderança eficiente.


1. 2 - PRINCIPIOS DE UMA LIDERANÇA EFICIENTE – Secular.
Os pilares de sustentação de uma liderança eficaz são atitudes básicas que o líder deve adotar, para que possa começar a gerar ótimos resultados para o trabalho que desenvolve. Veja esses princípios por uma ótica bíblica. Vejamos:


1. Conquiste o respeito da equipe – lembre-se: primeiro você respeita as pessoas, depois será respeitado;


Davi tinha 400 homens, logo era 600 (1 Sm 22.2; 25.13).

2. Preocupe-se com os colaboradores – demonstre seu carinho e preocupação por suas virtudes e defeitos. Cabe aqui salientar que estamos tratando de pessoas, que em algum momento cometerá erros. Trate essas falhas como uma fonte de aprendizado;


Davi demonstra carinho e admiração por três dos seus valentes, os quais arriscaram suas vidas para lhe trazerem água, mesmo com muita cede ele não bebe a água (2 Sm 23.17).

3. Aja com sinceridade – ninguém espera um líder super-herói, mas que seja sincero e honesto em sua postura e atitudes. Você é o espelho da sua equipe;

Quando Davi pecou não tentou esconder o seu pecado e nem a sua hediondez, nem ainda atribuí-los a causas inevitáveis da sua situação (Sl 51).

4. Lidere pela influência – você conquistou a sua posição através de muito trabalho, dedicação e suor. Se conseguir influenciar seus colaboradores a ter a mesma postura, com certeza fará uma liderança eficaz;


Davi influenciou pessoas no seu contexto, no seu tempo (1Sm 18.5,7), e até hoje aproximadamente 3033 anos depois - “DAVI – As vitórias e as derrotas de um homem de Deus”. – 2009.


5. Seja humilde – essa é uma das grandes características do líder eficaz. Humildade faz com que as pessoas abracem e briguem por suas idéias. Sendo humilde, você também pode reconhecer que está sujeito a erros e reconhecê-los trará mais credibilidade junto à equipe.


Esta é uma virtude que muitos almejam, outros, não fazem questão de tê-la, porém, é indispensável para uma liderança de sucesso.


Davi a possuía, (1Cr 19.2).


6. Reconheça os acertos de sua equipe – o melhor momento para brindar o sucesso é na hora que ele acontece.
Quando um colaborador acerta ou conclui uma tarefa que fará toda a diferença, não tenha medo de reconhecê-lo perante os outros colaboradores. Essa é uma atitude em que o colaborador se sentirá importante para a equipe e que seu trabalho faz a diferença;


Um líder precisa motivar seus liderados, Davi o fazia (1 Cr 11.6).


7. Crie um clima de festividade e harmonia em sua equipe – não deixe que a tensão causada pelas preocupações tome conta do dia-a-dia do seu setor. Ninguém gosta de trabalhar em um campo de concentração;


Davi proporcionava esse clima agradável – (2 Sm 6. 14-19).


8. Seja transparente – Não deixe que fofocas rondem o seu setor. Sendo transparente, os colaboradores irão lhe procurar para tirar dúvidas e obter informações.
Assim você não deixará espaço para a rádio-peão, que pode acabar com a liderança eficaz e seus resultados.
O colaborador tem que se preocupar com o que realmente interessa, ue é fazer o seu trabalho com a máxima eficiência e não ficar preocupado com fofocas e intrigas que não leva a equipe a lugar nenhum;

Davi é transparente na frente de todos, o maior exemplo de sua transparência, é reconhecer a unção de Deus sobre a vida de Saul, (1 Sm 24.1-6; 2 Sm 1.14)


9. Sirva à sua equipe – Nos últimos tempos temos observado que a pirâmide da liderança vem sofrendo mudanças, ainda que tais mudanças sejam aos poucos, pois sempre foi ensinado que o líder deveria ocupar o pico da pirâmide, porém vem sendo discutido uma pirâmide invertida – onde o líder assume o lugar da base, ou seja o líder eficiente não é aquele delega funções; mas, é aquele que serve.
Nós temos o maior exemplo nesse tipo de liderança, o nosso Senhor Jesus Cristo deixou-nos o exemplo.

“Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos” Mt 20.28.


Na equipe podemos servir de diversas formas: ensinando, treinando, lutando para melhorar as condições de nossos colaboradores, reconhecendo-os e corrigindo-os através de feedbacks, desafiando-os etc.


Davi também era um líder que servia aos seus liderados, lutava junto com eles (1 Sm 25.13; 2 Sm 6. 18,19).

2. CARACTERÍSTICAS DE DAVI QUE O DESTACA COMO LIDER
Antes de discorrermos sobre as características de liderança eficaz na vida de Davi, é necessário destacarmos que esse homem foi levantado por Deus para liderar o seu povo, contudo, suas qualidades já existiam na sua vida, mesmo antes de ser nomeado rei sobre Israel.

a) O líder deve ser temente a Deus
A Palavra de Deus nos fala que o temor do Senhor é o principio da sabedoria – Pv 9.10.

“E SUCEDEU que, voltando Saul de perseguir os filisteus, lhe anunciaram, dizendo: Eis que David está no deserto de Engedi. Então tomou Saul três mil homens, escolhidos de entre todo o Israel, e foi à busca de David e dos seus homens, até aos cumes das penhas das cabras montesas. E chegou a uns currais de ovelhas no caminho, onde estava uma caverna; e entrou nela Saul, a cobrir seus pés: e David e os seus homens estavam aos lados da caverna. Então os homens de David lhe disseram: Eis aqui o dia, do qual o Senhor te diz: Eis que te dou o teu inimigo nas tuas mãos, e far-lhe-ás como te parecer bem aos teus olhos. E levantou-se David, e mansamente cortou a orla do manto de Saul. Sucedeu, porém, que, depois, o coração doeu a David, por ter cortado a orla do manto de Saul. E disse aos seus homens: O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do Senhor, estendendo eu a minha mão contra ele; pois é o ungido do Senhor”. I Sm 24. 1-6.

Está aí uma passagem que nos mostra o temor que Davi tinha ao Senhor, as ficamos a nos perguntar: Por que Davi não resolveu aquela situação no “mano –a –mano” com Saul? Mas, a resposta aparece de imediato. Saul, apesar de está destituído do cargo, não deixou de ser um ungido de Deus, ou seja, quando Davi olhava para Saul, via um homem que teve um relacionamento com Deus, e não simplesmente como uma pessoa que havia perdido o reinado, Davi sabia que Deus estava tratando com Saul em particular.

Este temor ao Senhor que Davi tinha é claramente mostrado e ensinado por ele, conforme ele mesmo escreveu em (Sl 34. 9,11).

Para visualizarmos melhor esta questão do temor ao Senhor, devemos olhar para a história de Saul e compará-la com a de Davi, notemos que os dois começaram debaixo da benção de Deus, mas, Saul perdeu o temor ao Senhor em pouco tempo. Deus era para Saul uma pessoa secundaria para o seu reinado, isso acarretou seu fracasso. Todavia, Davi manteve seu temor no Senhor, quando perseguido fugitivo e em aperto, manteve sua confiança em Deus e teve temor dEle,. Mesmo quando foi repreendido por Deus quando pecou, arrependeu-se e encontrou o caminho de volta para a presença de Deus. Isso nos mostra que o temor ao Senhor deve acompanhar nossa carreira em todo tempo, e não somente no inicio da nossa chamada.

b) O líder deve ser prudente
“E temia Saul a David, porque o Senhor era com ele e se tinha retirado de Saul. Pelo que Saul o desviou de si, e o pôs por chefe de mil: e saía e entrava diante do povo. E David se conduzia com prudência em todos os seus caminhos, e o Senhor era com ele. Vendo, então, Saul que tão prudentemente se conduzia, tinha receio dele. Porém, todo o Israel e Judá amava a David, porquanto saía e entrava diante deles”. I Sm 18. 12-16.

Entre as virtudes de um líder de sucesso encontramos a prudência, após Saul vislumbrar que Davi seria uma ameaça para o seu reinado, planejou várias formas para denegrir sua reputação, mas Davi tinha uma virtude em sua vida que era abstrata, mas os seus resultados eram concretos – PRUDÊNCIA, e isso incomoda os adversários.
O que mais irritava Saul nessa peleja é que ele não conseguia êxito sobre a vida de Davi, ora, Davi não fazia nada por conta própria, sempre consultava Deus para tomar decisões, conduzir seu exército, buscava auxílio espiritual quando precisava, buscava orientações de Samuel e etc. Isso era uma das razões do sucesso de sua liderança. Hoje não é diferente, para um líder ter sucesso, deve agir com cautela para tomar decisões, principalmente com as que são para toda vida.


c) O líder deve saber ouvir
“Sabeis isto, meus amados irmãos; mas todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar”. Tg 1.19.

“Vendo, pois, Abigail a David, apressou-se, e desceu do jumento, e prostrou-se sobre o seu rosto diante de David, e se inclinou à terra. E lançou-se aos seus pés, e disse: Ah, senhor meu, minha seja a transgressão; deixa, pois, falar a tua serva aos teus ouvidos, e ouve as palavras da tua serva. Meu senhor, agora não faça este homem de Belial, a saber, Nabal, impressão no teu coração, porque tal é ele qual é o seu nome. Nabal é o seu nome, e a loucura está com ele, e eu, tua serva, não vi os mancebos do meu senhor, que enviaste. Agora, pois, meu senhor, vive o Senhor, e vive a tua alma, que o Senhor te impediu de vires com sangue, e de que a tua mão te salvasse; e, agora, tais quais Nabal sejam os teus inimigos e os que procuram mal contra o meu senhor”. I Sm 25. 23-23.

Saber ouvir é uma arte que o líder deve desenvolver, o líder que sabe ouvir, raramente toma decisões erradas e/ou precipitadas. Ouvir é muito difícil. É uma habilidade que poucas pessoas dominam, mas é igualmente importante para a liderança.
Para se ter uma liderança eficiente em todos os aspectos, é necessário que o grupo esteja em conformidade com as decisões tomadas, mas o líder não conseguirá esta meta se ele não estabelecer uma boa comunicação. Mas, como é formada uma comunicação? É formada basicamente por três elementos:
1. Emissor;
2. Mensagem e;
3. receptor.
Quando o líder se preocupa com o aspecto e a importância da comunicação, o seu grupo tende a ser coeso e próspero (Mt 112.25). A nossa prontidão maior deve ser pra ouvir, na hora de falar devemos meditar muito (tardio), portanto o líder deve valorizar a audição conforme nos ensina a Palavra de Deus.

Vejamos a resposta de Davi para Abigail:
“Então David disse a Abigail: Bendito o Senhor, Deus de Israel, que hoje te enviou ao meu encontro. E bendito o teu conselho, e bendita tu, que hoje me estorvaste de vir com sangue, e de que a minha mão me salvasse. Porque, na verdade, vive o Senhor, Deus de Israel, que me impediu de que te fizesse mal, que se tu não te apressaras e me não vieras ao encontro, não ficaria a Nabal, até à luz da manhã, nem mesmo um menino. Então David tomou da sua mão o que tinha trazido, e lhe disse: Sobe em paz à tua casa; vês aqui que tenho dado ouvidos à tua voz, e tenho aceitado a tua face” I Sm 25. 32-35.

a) O líder deve esperar o tempo de Deus
O tempo de Deus é diferente do tempo do homem, o tempo do homem é chronos, ou seja, algo determinado cronologicamente, definido, passado, presente e futuro. O tempo de Deus é Kairos, é um tempo indefinido, indeterminado, não se limita ao tempo do homem, mil anos pode ser como um dia e um dia pode ser como mil anos (2 Pe 3.8).

“E SUCEDEU que, voltando Saul de perseguir os filisteus, lhe anunciaram, dizendo: Eis que David está no deserto de Engedi. Então tomou Saul três mil homens, escolhidos de entre todo o Israel, e foi à busca de David e dos seus homens, até aos cumes das penhas das cabras montesas. E chegou a uns currais de ovelhas no caminho, onde estava uma caverna; e entrou nela Saul, a cobrir seus pés: e David e os seus homens estavam aos lados da caverna. Então os homens de David lhe disseram: Eis aqui o dia, do qual o Senhor te diz: Eis que te dou o teu inimigo nas tuas mãos, e far-lhe-ás como te parecer bem aos teus olhos. E levantou-se David, e mansamente cortou a orla do manto de Saul. Sucedeu, porém, que, depois, o coração doeu a David, por ter cortado a orla do manto de Saul. E disse aos seus homens: O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do Senhor, estendendo eu a minha mão contra ele; pois é o ungido do Senhor”. I Sm 24. 1-6.


Quando falamos do fator tempo na vida de Davi, fica claro que ele esperava o tempo de Deus (Kairos) no seu tempo (chronos), essa é uma grande virtude de um líder, Davi nos deu grandes exemplos nesse aspecto. Quando foi ungido para ser rei, esperou o tempo de Deus se cumprir em sua vida, quando se movimentava com seu exército perguntava pra Deus se estava na hora de sair ou de permanecer onde estava (I Sm 23.12), sabia que Saul iria deixar o reinado para ceder o lugar pra ele, porém, esperou o agir de Deus, esperou o Tempo de Deus.
Um líder dependente de Deus toma decisões no Tempo de Deus.

b) O líder controla os seus liderados
“Sucedeu, porém, que, depois, o coração doeu a David, por ter cortado a orla do manto de Saul. E disse aos seus homens: O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do Senhor, estendendo eu a minha mão contra ele; pois é o ungido do Senhor”. I Sm 24. 5-7.

Manter sob controle um grupo de pessoas de bem não é muito complicado. Alem das leis sociais contamos com a boa educação e o bom censo das pessoas, no caso de Davi tinha vários agravantes – a situação social do povo que se uniu a ele não era das melhores, conforme está escrito no texto Sagrado “E ajuntou-se a ele todo o homem que se achava em aperto, e todo o homem endividado, e todo o homem de espírito desgostoso, e ele se fez chefe deles: e eram com ele uns quatrocentos homens”. I Sm 22.2.

Davi liderava pessoas que viviam em crise social, homens que haviam fugido de suas terras por contraírem dívidas as quais não podiam quitá-las, dá pra ter uma pequena noção o quanto Davi era de fato um líder eficiente.
Percebemos que Davi recebeu esses homens os controlou em momento difícil, os capacitou e os influenciou, e conquistou a confiança deles. O líder deve saber exercer o controle sobre aqueles que estão sobre o seu comando, ou não será verdadeiramente um líder.


c) O líder motiva os seus liderados
“E partiu o rei com os seus homens a Jerusalém, contra os jebuseus que habitavam naquela terra e que falaram a David, dizendo: Não entrarás aqui, a menos que lances fora os cegos e os coxos; querendo dizer: Não entrará David aqui. Porém David tomou a fortaleza de Sião: esta é a cidade de David. Porque David disse naquele dia: Qualquer que ferir aos jebuseus, e chegar ao canal, e aos coxos e aos cegos, que a alma de David aborrece, será cabeça e capitão. Por isso, se diz: Nem cego nem coxo entrará nesta casa. Assim habitou David na fortaleza, e lhe chamou a cidade de David: e David foi edificando em redor, desde Milo até dentro”. 2 Sm 5. 6-9.

“Porque disse David: Qualquer que primeiro ferir os jebuseus será chefe e maioral. Então Joab, filho de Zeruia, subiu primeiro a ela; pelo que foi feito chefe”. I Cr 11.6.


Uma das características mais importantes de um líder é a sua capacidade de motivar as pessoas. A capacidade de motivação está para a liderança assim como os pneus estão para um carro. Um carro não conduz ninguém se não estiver com os pneus, ele pode ser “completo” possuir todos acessórios internos, ar condicionado, direção hidráulica e etc.. se não tiver pneu não será útil.

O líder que não sabe motivar pessoas, jamais conseguirá conduzi-las a algum lugar; causará divisão. Infelizmente é isso que temos visto no meio evangélico, pessoas desmotivadas para fazerem a obra de Deus, lideres despreparados e muita divisão. O líder não pode esquecer que a motivação é apenas um lado da moeda, o outro é o cumprimento da promessa feio em virtude de um esforço desprendido por parte dos liderados, de nada adianta motivar as pessoas apenas com palavras, Davi trouxe a existência um sonho e uma carreira para aqueles homens, hoje não é diferente os seus liderados querem ascender na carreira, no ministério e você é a pessoa competente para isto acontecer.

Foi por esses motivos que Davi sagrou-se um excelente líder em sua época. Que possamos trazer para obra de Deus essas qualidades para que a obra de Deus não sofra por nossa causa.


2.1 OS 14 PRINCIPIOS DA ADMINISTRAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES, APLICADAS AOS LIDERES CRISTÃOS.
Henry Fayol, considerado o “pai” da Escola Clássica da Administração, tornou-se famoso pelo desenvolvimento da tese dos 14 princípios da administração das organizações, com o objetivo de guiar o líder na solução de problemas reais e em gerenciamento de crise no seu ambiente de trabalho.


Tais princípios podem ser adaptados aos serviços eclesiásticos, proporcionando à liderança as ferramentas necessárias para o exercício do papel que representam diante da comunidade cristã. Não vou discorrer sobre cada um, mas deixarei um versículo onde se refere a tal assunto.

1. Divisão do trabalho – I Co 12.28;
A divisão do trabalho leva à especialização, onde o trabalho é separado em tarefas básicas e dividido entre diversas pessoas.

2. Autoridade – Ex 18.21,22;
Autoridade é o poder de dar ordens e poder de esperar obediência.


3. Disciplina – Ex 18.20;
Depende da obediência, aplicação, energia, comportamento e respeito às regras estabelecidas.


4. Unidade de comando – Ex 18.19b;
A unidade de comando evita os conflitos e promove maior clareza de comunicação.


5. Unidade de direção – Ex 18.18b;
A organização como um todo deve ter uma meta em comum e procurar realizar essa meta em todas as suas atividades.


6. Subordinação do individuo – Ex 18.23b;
Os interesses gerais da organização devem sobrepor-se aos interesses paticulares.


7. Remuneração – I Tm 5.18;
Cada cooperador deve receber compensação de acordo com normas gerais aplicáveis a todos, segundo as variáveis particulares a cada organização.


8. Centralização – Ex 18.15;
Refere-se a centralização da autoridade no topo da hierarquia da organização.

9. Hierarquia – Ex 18.22a;
A autoridade e a responsabilidade são delegadas de cima para baixo e se tornam menores à medida que descem a cadeia de comando.

10.Ordem – I Co 14.40;
A disposição ordenada dos recursos organizacionais asseguram a otimização da eficiência. Um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar.


11.Equidade – Ex 18. 22b;
Todos que se envolvem nas atividades na igreja devem sentir que são tratados com justiça.

12.Estabilidade de pessoal – Ex 18.26a;
O obreiro qualificado e bem treinado é um recurso importante para o sucesso da igreja.


13.Iniciativa – Ex 18.26b;
A capacidade de visualizar um plano e assegurar pessoalmente o seu sucesso.


14.Espírito de Equipe – Jo 17.23a;
A harmonia e união entre pessoas são grandes forças para a organização.


CONCLUSÃO
Esta lição abriu os nossos olhos para a questão da liderança na obra de Deus, tenho certeza que você foi ricamente abençoado, assim como eu fui, vimos que Davi não foi apenas um servo de Deus, um adorador, um guerreiro, vimos que ele foi um excelente líder, que agia com justiça para com os seus liderados e fazia a vontade de Deus durante o seu grande ministério governamental.


Bibliografia:
GONÇALVES, José; MOISÉS, César; BENTO, Esdras; COELHO, Alexandre. Davi, As vitorias e as derrotas de um homem de Deus. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª Ed. 2009.
ALMEIDA, João Ferreira. Bíblia Sagrada: Shedd. Revista e Atualizada. São Paulo: Vida Nova, 2ª Ed. 1997.
DAMIÃO, Valdemir. A Igreja no Século XXI. Rio de Janeiro: CPAD, 1ª Ed. 2005.
Por Alan Fabiano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Deixe o seu comentário;
- Assim que puder responderei;
- Faça desse espaço um lugar de crescimento espiritual;
- Grato por sua visita;
- Deus te abençoe.